Poemas, frases e mensagens de MERCEDES PORDEUS

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de MERCEDES PORDEUS

OLHANDO PARA DEUS

 
OLHANDO PARA DEUS
 
OLHANDO PARA DEUS
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Olhando para Deus perguntei: Deus, por quê no mundo tanta maldade?
Olhando para Deus perguntei: Deus, por quê permites tanta saudade?
Olhando para Deus perguntei: Deus, por quê perdemos a quem amamos?
Olhando para Deus perguntei: Deus, por quê tantas guerras pelo vil?
Olhando para Deus perguntei : Deus, por quê tantas atrocidades entre irmãos?

Olhando para mim, Deus respondeu : Filha, criei o mundo e nele coloquei o homem para ser meu mordomo na terra, a ele confiei a guarda da natureza. Mas o homem preferiu o mundo do pecado, começando pela desobediência e por matar seu próprio irmão.
Filha, não te atormentes, não se turbe o teu coração nem te atemorizes, a maldade sempre existirá, pois, ao homem , minha criatura, dei o livre arbítrio e ele preferiu a maldade, as guerras a mortandade. Mas, guarda teu coração de todo o mal e não te preocupes pelos que para junto de mim partiram. Eles estarão bem guardados. E eu perguntei : mas Deus e um dia nós nos enconteremos, verei minha avó, minhas mães e meu pai?
E Deus me disse: filha deixa os mistérios dos céus aos cuidados de teu PAI, cuida de viver na terra fazendo o bem a amando teus irmãos assim como eu te amo.
Mas, Deus, e eu ficarei ainda sem saber até quando a saudade vai me acompanhar?
Deus pôs sua mão por sobre minha cabeça e disse: FICA EM PAZ FILHA!

Em 07/11/04
 
OLHANDO PARA DEUS

VISÃO DO FUTURO

 
VISÃO DO FUTURO
Mercêdes Pordeus

Quis projetar o meu olhar para que me desse uma visão do futuro
Busquei nessa visão, contemplar um mundo que fosse mais puro.
E nesse momento visionário alcei a um vôo inter planetário,
Como numa ânsia, naquele desejo de alcançar o mundo imaginário,
Tentei ver no presente um futuro que fosse mais solidário,
Quis ardentemente, que naquela projeção nada fosse obscuro.

Tentei mentalizar as crianças de hoje sendo os homens do amanhã,
Como seriam as crianças fruto de um lar pleno de amor e sem fome?
E como se portariam aquelas crianças de rua vivendo o terror?
Procurei uma resposta para cada situação, buscando no afã.
Uma delas imediatamente encontrei : o amor eleva o valor.
Os valores da família e sociedade...E as carentes? Qual semente?

Para a situação do pequeno marginalizado...Ficou uma incógnita.
Que participação terá na sociedade, num mundo sem oportunidades?
Tudo que conheceu desde o nascimento foi a marginalização.
A desconfiança e o medo por parte do irmão que com a proximidade.
Demonstrou temor, pavor do alienado pela injusta sociedade.
Isso, se não fez um o mal maior: da sua inocência a violação.

Depois busquei ainda, antever o meio ambiente que as acolherá.
Qual seria o habitat, o meio de atuação desses seres no futuro?
Tristemente veio à minha mente a devastação do meio ambiente.
As florestas, os rios, o ar, as matas, tudo de Deus um presente.
O ser humano contemporâneo já os destrói em massa, atualmente.
Como encontrarão as crianças e jovens seu habitat futuramente?

Qual a qualidade de vida dos que estariam inseridos no futuro contexto?
Se para cuidarem dessa riqueza, os homens tudo destroem, sob pretexto,
Da modernidade, em nome da qual violaram o bem, o legado,
Que transmitirão para futuras gerações...Seus próprios filhos.
Se o homem atual não tem a coragem de neles pensar e no seu amanhã
Preferira, nunca ter tentado fazer a minha projeção da visão do futuro.
 
VISÃO DO FUTURO

SAUDADES DO MEU PAI

 
SAUDADES DO MEU PAI
Mercêdes Pordeus

Pai! Você se foi...
Numa data em que se comemorava dia do mestre,
Como se mais nada tivesse a ensinar aos seus oito alunos.
Na verdade, pai, a vida é um aprendizado constante.
E ainda tínhamos muito o que a aprender com você.

Pai! Acredite...
Você tinha ainda muito a nos ensinar, e queríamos aprender.
Quando crianças, seu ar austero, próprio de todo pai seu contemporâneo.
Sabedoria de quem não queria que seus amados filhos repetissem os mesmos erros.
Era seu cuidado para que nenhum de nós viesse a sofrer as mesmas dores.

Pai! Naquela época...
Sua sabedoria era adquirida pelas experiências vividas, e que de modo nenhum,
Queria que aprendêssemos por nós mesmos, como se deu com você.
Estranho, pai, nem sempre os filhos compreendiam naquele momento seu receio,
Mas, na verdade ainda assim eles absorviam seus ensinamentos.

Pai! Sabe...
Com o passar do tempo, a gente aprende e quando o vê tão fragilizado,
Já não mais aquele que dita normas, mas que coloca em nossas mãos as decisões.
Dói, sabe pai, dói sentir sua fragilidade. Que foi feito daquela austeridade?
Saudade, daquele que pré-estabelecia seus preceitos e exigia obediência incondicional.

Pai! Tudo aquilo era amor...
Pelas sementes que na terra plantou, que podiam sofrer, esse era seu temor.
Felizmente, naquela época, a tendência dos filhos era a obediência,
E assim, você foi plantando seu amor, amor à sua maneira.
Sementes das quais tão bem soube cuidar, cuidado que lhe era peculiar.

Pai! Você se foi...
Sabe, ao pegar suas mãos apertando as minhas, beijar sua testa, acariciá-la.
Ver o quanto a doença o tornou frágil, seu amor incondicional por todos nós.
Queria tanto que o tempo retornasse...Mas a verdade é que você se foi.
Para junto do PAI, e tudo que posso dizer agora é...

Até um dia pai...
Até um dia mãe.
Que Deus esteja lhes protegendo.
Com todo meu amor.

Amém!

16/10/2004

Publicado em:
- 1ª Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia “O FUTURO FEITO PRESENTE, (2005) apoio do Jornal Mundo Lusíada e Casa de Portugal em S.Paulo. ISBN 85-905117
 
SAUDADES DO MEU PAI

MEUS LIMITES

 
MEUS LIMITES
 
MEUS LIMITES
Mercêdes Pordeus
Recife/PE

Ultrapassei as fronteiras físicas
Transpus meus limites emocionais
Descobri a saudade além do físico
Deixando para trás terras nacionais.

Transpus meus limites emocionais
Sem pretender ver diferenças sociais
Em frente fui pisando o solo guiano
E só a saudade me acompanhando.

Descobri a saudade além do físico
Aos poucos no coração se alojando
E os meus pés naquela terra pisando
As características locais visualizando.

Deixando para trás terras nacionais
Ampliava conhecimentos interpessoais
Adaptando-me as diferenças ambientais
Foi assim que vivi as experiências locais.

Lethem/Guiana Inglesa
Em 18/02/2007

Lethem é a maior cidade do sul da Guiana, capital do estado de Upper Takutu-Upper Essequibo. Região de extrativismo mineral e vegetal. Sua população é estimada em cerca de 2.600 pessoas (2002). Um rodeio anual no fim de semana de páscoa é o principal acontecimento da localidade.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lethem
 
MEUS LIMITES

DÊ PASSAGEM A SABEDORIA

 
DÊ PASSAGEM A SABEDORIA

Às vezes existem situações que nos incomodam. Ficamos a observar os acontecimentos e analisar como mudou a sociedade, a inversão de valores.Digo isto porque gosto sempre de observar determinadas situações que acontecem nos coletivos, descasos nos hospitais, como outras incontáveis. Este prólogo, faz-me reportar ao último dia vinte e sete de setembro, o consagrado DIA DO ANCIÃO, DIA DO IDOSO.Neste dia foi realizada a Campanha : DÊ PASSAGEM A SABEDORIA, eram as faixas que líamos na frente dos transportes coletivos da cidade. Ao entrar um senhor já com seus mais de setenta anos, cedi-lhe o lugar, ele me pediu a bolsa para segurar e começou então a conversar. Este senhor tinha vindo às cinco da manhã para uma consulta que tinha sido marcada para o dia vinte e seis, portanto, dia anterior. Naquele dia e mesma hora saíra de casa sozinho, não tinha companhia. E chegando ao hospital público a atendente lhe dissera que sua consulta teria sido marcada para o dia seguinte. Voltou o velhinho para casa e retornou no Dia do Ancião, e num descaso, a enfermeira falou que a consulta dele tinha passado, tinha sido no dia anterior. E remarcou para o dia trinta. Custa a acreditar que ainda hoje haja tanto descaso e desrespeito pelo idoso.Perguntei-lhe então: - E o senhor ficou calado, não disse nada? Ele me respondeu com uma indagação : - Dizer o que minha filha? Disse para ele tomar consciência dos seus direitos e procurar um superior naquele hospital. Este pobre senhor descrevia sua arte de fazer cortinas artesanais e tentar ensinar aos jovens da Comunidade e exportava para a Suiça, através de uma filha que casara e mora lá com o marido.Nesse intento pediu ajuda a um político para quem já trabalhara como cabo eleitoral durante quatro eleições. Tudo que ele queria era levantar as peredes e cobrir, pois o terreno já tinha conseguido...esforço em vão. Tenho observado também jovens que se assentam nas cadeiras do ônibus reservados aos idosos e fingem dormir, enquanto eles entram e ficam de pé.Situações comportamentais como estas e outras em que os idosos são desrespeitados tornaram-se uma constante, e é muito triste presenciarmos. Pessoas que já contribuiram para o bem comum social, trabalharam e no final da vida não possuem um teto para morar, uma assistência hospitalar digna, sem subsídios para adquirir medicamentos, na época em que mais se faz necessário, pois é quando necessariamente precisam de medicamentos de uso contínuo. Não tem sequer o que comer. E eu me pergunto o que será dos idosos do futuro?
Deixo como reflexão este poema:

HOJE SOU IDOSO, MAS TAMBÉM JÁ FUI JOVEM.

Dê passagem a experiência...
Sinta como pode enriquecer seu viver.
Evite, de como nós, no seu futuro sofrer.
O peso das dores que já sentimos por você.

Dê passagem a sabedoria...
Sabedoria duramente adquirida ao longo da vida.
Lembra das experiências? Elas nos fizeram saber
Saber de que nada daquilo queríamos para você.

Você nos olha e não nos vê?
Não vê nossas rugas? Cada uma é uma resposta.
Resposta refletida pela gama daquelas experiências.
Faça que olha! Não finja que não nos está percebendo.

Você é jovem, não usufrua dos direitos dos idosos.
Não finja dormir, enquanto estou de pé ao seu lado.
Não vê as legendas, assentos preferencias para idosos?
Não sabe que existem assentos especiais para nós?

Lembre-se que você pode ser um de nós amanhã...
Depois, com o avançar da idade poderá entender,
que não queríamos que as marcas do tempo em seu rosto,
fossem tão profundas, como as que nos nossos carregamos.

Por que a sociedade, as autoridades sempre nos esquecem?
Deixam-nos jogados ao léu, em filas e corredores dos hospitais.
Nós também contribuimos para o desenvolvimento da sociedade.
Se trabalhamos na cidade ou no campo, que diferença pode fazer?

Não é a própria sociedade que grita ser todo trabalho valoroso?
Se trabalhamos nos campos colocamos o pão na mesa dos seus pais.
Nem por isso, nosso labutar deixou de ser menos dignificante.
Cultivamos e aramos a terra com tanto carinho que tudo floresceu.

Dê passagem a quem lhe pede carinho...
Seja seu avô, seu pai, quaisquer idosos, um mendigo, que precisa de pão...
mas tem uma necessidade muito maior de um afago,
uma palavra, uma atitude de carinho e de amor.

Lembre-se : no futuro vai colher aquilo que você semeou.
Desejamos que seja feliz e receba de nossas mãos um legado,
a experiência, resultado de muito sofrimento, muitas dores,
pelas quais você não precisa passar, fale conosco e aprenderá.

Mercêdes Pordeus
Em 24.out.2005

Brasil-Adital/Direito.Net - No dia 1º de outubro, quando se comemora o Dia Internacional do Idoso, segundo o calendário de celebrações especiais das Nações Unidas, a população acima dos 60 anos já pode contar com um estatuto próprio aprovado pelo Senado Federal que regulamenta a proteção para as pessoas nesta faixa etária. A proposta deve ser assinada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva ainda esta semana. Há mais de seis anos que entidades, Ongs, asilos, institutos e casas de Idosos vinham reivindicando um Estatuto que pudesse garantir e efetivar o direito de, aproximadamente, 15 milhões de brasileiros. Dentre alguns pontos o estatuto assegura: desconto de, pelo menos, 50% nas atividades culturais, de lazer e esportivas; que a idade para requerer o benefício de um salário mínimo estipulado pela Lei Orgânica da Assistência Social passa de 67 para 65; prioridade na tramitação dos processos e procedimentos judiciais nos quais pessoas acima de 60 figurem como intervenientes, entre outras. O Estatuto atinge ainda os meios de comunicação. De acordo com ele, todos os meios deverão manter espaços ou horários especiais voltados para o público idoso. Os programas deverão ter conteúdos educativos, informativos, artísticos e culturais com ênfase no processo do envelhecimento. Um outro ponto importante diz respeito aos transportes. Tanto os ônibus intermunicipais como interestaduais deverão ter reservados duas vagas gratuitas, por veículo, para idosos com renda igual ou inferior a dois salários mínimos. Caso os lugares destinados aos idosos que possuam esta mesma renda estiverem preenchidos, eles terão direito a pagar 50% do valor da passagem. O texto do estatuto prevê penas severas para quem não cumpri-lo. Deixar de prestar assistência a idoso sem justificativa plausível implicaria em detenção de seis meses a um ano; abandoná-los em hospitais ou casas de saúde, a pena vai de seis meses a três anos de detenção. Também será penalizado que exibir, em qualquer meio de comunicação, informação ou imagens depreciativas ou injuriosas de pessoas acima dos 60. A pena será de um a três anos de reclusão. No caso de homicídio culposo, a pena será de um terço a mais se a vítima tiver mais de 60 anos de idade. Nesse mesmo sentido, é agravada a pena para o abandono dos idosos que estejam sob a guarda, cuidado ou vigilância de autoridades. O projeto foi do deputado Paulo Paim e foi aprovado por unanimidade no Senado Federal. Os artigos dispõem sobre cultura, lazer, vida familiar, assistencialismo, saúde, direito, alimentação, trabalho, entre outros. Segundo os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, nos próximos 20 anos, a população idosa do Brasil poderá ultrapassar os 30 milhões de pessoas - o que representará 13% da população. Fonte : http://www.adital.com.br

"Agora que a velhice começa preciso aprender com o vinho a melhorarenvelhecendo e sobretudo a escapar do perigo terrível de, envelhecendo, virar vinagre". (D. Helder Câmara)

http://www.caestamosnos.org/edicoeses ... Passagem_a_Sabedoria.html
 
DÊ PASSAGEM A SABEDORIA

EU QUIS

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Eu quis lhe fazer um verso
Que não fosse complexo
Porém, que tivesse nexo.
E fosse acolhido com amplexo.

Eu quis lhe fazer uma poesia
Que não soasse como fantasia,
Que obedecesse a uma simetria
Culminando com bela harmonia.

Quis transformar a poesia em canção,
Pairando no ar, como uma oração.
Que lhe provocasse uma comoção
Despertando o amor em seu coração.

Eu quis ser aquele beija-flor,
Você o vê, bailando com fulgor?
Naquela varanda, vê aquela flor?
Recebe do sol a luz e o calor!

Eu queria ser semelhante a ela
Rodeada por aquele dançarino
Num jogo de sedução, na janela.
Roubando-me o néctar, o pequenino.

Criei um verso,
Compus uma poesia,
Transformei-a em canção,
E conquistei o seu coração.

21/09/2006
 
EU QUIS

NASCEMOS E EVOLUIMOS

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Nascemos...
Crescemos de dentro para fora
Em estatura o crescimento aflora
Aprendenos que a vida nos faz crescer
E começamos o aprendizado do bom viver.

Crescemos...
Agora nosso crescimento já difere
Aprendemos a nos desenvolver de fora para dentro
Nessa fase introspectamos condutas que se aprende
Continuamos o processo que o viver nos confere.

Amadurecemos...
Ao longo da vida cada apendizado, um novo ser
As mudanças acontecem, são elas que nos fazem crescer
Apreendemos os processos que nos modificam internamente
Nosso interior receptivo aflora e o que amadureceu reflete externamente.

Envelhecemos...
Ao envelhecer herdamos ao longo do tempo as rugas
Porém, deixamos como herança nossos ensinamentos
Sabermos envelhecer é uma arte, com a vida faz o contraste
Ao partirmos para a eternidade, na terra deixaremos nossa arte.

Recife, 05.02.2005

Publicado:
- II Antologia do Portal CEN- CÁ ESTAMOS NÓS, lançada em 09/06/2006 no Rio de Janeiro. Editora ALL PRINT/SP - ISBN 85-7718-020-4.
 
NASCEMOS E EVOLUIMOS

BRASIL X PORTUGAL : DOIS POVOS UM DESTINO

 
 
Mercêdes Pordeus
Recife/PE

Portugal sempre investia nos descobrimentos
Outrora, enviando expedições para o Ocidente.
Rumavam meses e meses a procura do intento.
Torre de Belém, daí partiam as naus e caravelas.
Unidas e em constantes expedições navegaravam
Grandes descobrimentos, a essa altura buscavam.
Alhures, encontravam, tecendo história de glórias
Lugares longínquos sempre à procura exploravam.

Brasil, terra de índios e riquezas, incluindo o pau-brasil
Reino português envia Cabral comandando a expedição.
Aportam em 22 de abril de 1500... inicia a nossa história!
Sempre história de muitas lutas: portugueses, holandeses...
Impetrando em nossas terras sua cultura e tradições.
Liberdade! Grita D.Pedro I, e para o Brasil, a separação.

Liberdade, esperança do Brasil desde o descobrimento.
Insurreições, revoltas aos altos impostos, suas riquezas.
Brado forte, um Imperador português entoou e nos libertou.
E assim mesmo o Império Português muita coisa continuou.
Rivalidade contra as opressões continuava pelas proezas.
Daí por diante, o Brasil lutava pelas Leis contra a escravidão.
Apareciam aos poucos até que com grande momento culminou
Depois de lutas incessantes, com brio, uma Princesa portuguesa.
Extinguiu essa mancha do Brasil, e a Lei Áurea assinou.

Portugal e Brasil no porvir espelharam suas esperanças.
Outrora, esperanças de desenvolvimento, seus intentos.
Reuniu dois povos, hoje povos irmãos, feita a aliança
Viram seus sonhos quase se tornando um belo advento.
Irmanados ainda buscam as sonhadas concretizações.
Realidade? Suas histórias esperam grandes momentos.

Publicado em:

- 2ª Antologia Literária Internacional do Grupo Ecos da Poesia “DOIS POVOS UM DESTINO” (2006), edição - ISBN 85-905170-5-5.

- A PONTE - Antologia - III Olimpíada Cultural 500 Anos da Língua Portuguesa no Brasil (Seleção realizada no segundo semestre de 2006). Realização CLUBE DOS AMIGOS DAS LETRAS / Sérgio Grigoletto. Edição 2007.
 
BRASIL X PORTUGAL : DOIS POVOS UM DESTINO

DIVAGAÇÕES

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Contemplei o céu...
Divaguei nas nuvens
Acompanhei a lua e as estrelas
E me encontrei pisando em terra firme.

Contemplei o oceano...
Mais uma vez divaguei, no horizonte
E me vi flutuando sobre intrépidas ondas
Outra vez me encontro na realidade...terra firme.

Contemplei o sol...
Seus belos raios brilhantes e dourados
Invadiram minha privacidade, astro real
Que me ofereceu sua força e luz como legado.

Contemplei a natureza...
Percorri com o olhar o belo arvoredo
Os beija-flores visitando a minha varanda
Num leve bailar, pensei serem brinquedos.

Contemplei o céu...
Outra vez divaguei e me senti um anjo
Deslizando através das nuvens, qual tapete de algodão
Encontrei Deus, e me disse: sossegas, és a minha criação.

Recife, 05.02.2005

Publicado em:
- TERRA LATINA, Antologia Internacional (2005) ISBN 85-905170-2-0
 
DIVAGAÇÕES

PARA ONDE CAMINHA A AMIZADE

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Estamos num mundo em que o conceito de amizade foi dissipado.
Ás vezes por uma atitude, uma palavra, por conceito antecipado
A amizade, enfim aos poucos hoje vai se tornando uma jóia rara.
Uma jóia difícil de ser adquirida, por isso mesmo tão cobiçada.

Por ser jóia cobiçada, difícil de ser adquirida, facilmente roubada
O que falta para que a amizade seja docemente conquistada?
A tolerância? Saber ouvir? Saber calar? Principalmente amar.
Quem ama tolera, ouve pacientemente, fala e cala na hora certa.

Amizade é um exercício diário, que nos segue sempre na vida.
Não apenas como um dever de casa.Amigos reais, os virtuais?
Não há diferentes critérios para que eles sejam conquistados
É incondicional...acho até que nem existe entre eles diferenças.

Amigo...ou se é , ou não é. Portanto, amizade é sempre vivida,
E precisa ser vivida com respeito, carinho, muito calor humano
Não importa se pele com pele, ou na nossa telinha do micro
Chamá-la de fria? Acusá.la de má, aviltadora? Que engano!

Vejo aqui uma extensão das atitudes do que se é "na vida real"
Formamos grupos compartilhando de obejtivos, vivendo um ideial
Ideal ao qual nos adequamos, como na sociedade existem regras
Assim, em nossas comunidades haver-se-à também de existi-las

As regras existem e são necessárias para uma boa convivência.
Convivência de carinho, receptividade , sem ter interferências
Que possam mudar os rumos,daqueles que à frente nos conduzem.
Só assim saberemos para onde caminha a tão almejada AMIZADE.

Recife/PE
16/04/2005
 
PARA ONDE CAMINHA A AMIZADE

AS DORES DA ESCRAVIDÃO

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Eles vieram de tão longe, traziam consigo o medo,
As incertezas eram suas companheiras desde cedo.
Traziam o sofrimento antecipado dos seus receios
E as dores dos açoites, que já sentiam nos navios.

Mal chegavam, já eram analisados como animais,
Vendidos como meras mercadorias, artigos banais.
Trabalhavam duro e sofriam o peso da escravidão,
A cada chicotada e a cada açoite, a dor da solidão.

A cada ano as esperanças da liberdade se dissipavam,
Os seus filhos nasciam e naquele regime continuavam.
Enquanto os mais velhos as dores do flagelo sofriam,
Os ecos da noite nos traziam os sons dos que gemiam.

Ao longe era refletida desses ecos a repercussão
E o reflexo do som trazia a forte dor da servidão.
Pelo negro, no nosso país, através da escravidão
De terras longínquas a saudade do seu natal torrão.

Mais navios negreiros que aportavam e a história se repetia
Movimentos no Brasil a escravidão, aos poucos, se extinguia.
Castro Alves o poeta abolicionista que os seus ideais escrevia,
Vozes da África, Navio Negreiro, Os Escravos, primeira poesia.

O poeta abolicionista marcou época com sua primeira poesia
Mais um nordestino que com força e garra, nascido na Bahia,
Seus estudos de Direito na Faculdade de Recife realizaria
E o seu grande apogeu no Rio de Janeiro, ele consolidaria.

Vinte anos se passaram após a morte do grande Poeta
Para se realizar seu almejado sonho, seu grito de alerta,
Decretada extinta a escravidão e o grande Brasil desperta
Na Lei Áurea está implícita a nobreza da alma do poeta.

26.12.2005

- Diploma e Menção Honrosa em Poesia, concedido pela APALA - Academia Pan-Americana de Letras e Artes - IX Concurso de Poesia Falada - Tema Ecos da Noite * Medalha Castro Alves (26/04/2006).
 
AS DORES DA ESCRAVIDÃO

VIDA

 
VIDA
Mercêdes Pordeus

Vida, vida...
Tão depressa passas
Que nem nos dás tempo
de vivermos plenamente
Ao lado de quem amamos.

Vida, vida...
Quisera eu que o tempo voltasse
Para vivê-la em sua plenitude.
Se me fosse dado tempo
Que fosse suficiente.

Vida, vida...
Se eu não tivesse perdido
aqueles a quem amei
Que apesar de terem partido
Permanecem em meu coração.
Nunca os esquecerei...

Vida, vida
Mas no coração ainda é pouco
Meu desejo vai mais além
Queria ter comigo
Pessoas que me foram queridas.

Vida, vida...
Tão depressa passas
Quiseara eu que o tempo voltasse
Se eu não os tivesse perdido
Mas, tê-los no meu coração ainda é pouco.

Vida, vida...
Quisera recuperar o tempo perdido
Tola sou eu , o tempo é o único bem
Que ao homem não é dado o privilégio
De possuir duas vezes.

Vida, vida...
Estás nas mãos do Senhor
Que é o Senhor do tempo
Só a Ele é dada soberania sobre ti
Seja feita Sua vontade, para sempre.
Amém

05/05/04

Publicado em:
- 1ª Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia “O FUTURO FEITO PRESENTE, (2005)apoio do Jornal Mundo Lusíada e Casa de Portugal em S.Paulo. ISBN 85-9051170-1-2
 
VIDA

ABOLIDA FOI A ESCRAVATURA

 
Mercedes Pordeus
Recife/PE

Trouxeram-te de teu país...tão distante!
Para aqui sofreres a dor da escravidão.
Lutaste muito, e sofreste mal tratos.
Ajudaste a construir este nosso país.
Trabalhastes, sentiste a dor do flagelo,
porque sonhaste com a tal liberdade.

Paulatinamente, ela ia se aproximando
Primeiro teus filhos, Lei do Ventre Livre.
Depois aqueles que tinham mais idade.
Mais uma lei, a Lei dos Sexagenários .
Assim teu povo foi vivendo a esperança:
Um dia alcançar sonhada liberdade.

Mas, que é verdadeiramente liberdade?
Seria viver nesse mundo discriminatório?
Sofrer na pele herança do racismo?
Ou ainda melhor, sofrer na cor da pele?
O fato é que foste liberto, e que fazer?
Não te ensinaram a lá fora tua vida viver.

Jogado numa sociedade preconceituosa.
Sem chances... sem uma oportunidade.
Esse seria o legado que tinhas desejado
para herança de teus filhos? De um povo?
De certo, não foi isso que tinhas pensado.
Mas, na verdade isso é que te foi oferecido.

13 de maio de 1888 ou de 2005...
O que mudou na verdade em relação
a tua raça nesse país? Quem sabe...
em outros também. Alhures serás
sempre uma mancha na sociedade?
Esquecem-se de que somos irmãos.

Os teus ecos doloridos ressoaram
ao longe. Alguém veio te socorrer.
Uma princesa te libertou...Lei Áurea.
E agora? Que vais fazer? Éstás livre!
Séculos passaram e trazes a marca.
Herança que de certo não desejavas.

Igualdade! Somos todos irmãos.
Filhos do mesmo Deus, Criador.
Miscigenação das raças, tradições.
Contribuição de um povo na dança,
alimentação, e em toda uma cultura.
És parte da nossa história, gerações.

Estás em nossas vitórias e glórias
Serás sempre parte nossa história
Com orgulho e raça a escreveste
Riste, choraste, gritaste no tronco.
A tua dor sentida além da senzala
Venceste as batalhas, e a guerra?
O teu sonho ainda não acabou!

13.05.2005

- Publicado:
2ª Antologia Literária Internacional do Grupo Ecos da Poesia " DOIS POVOS UM DESTINO" (2006), - ISBN 85-905170-5-5.
 
ABOLIDA FOI A ESCRAVATURA

O PESO DO OURO

 
O PESO DO OURO
Mercêdes Pordeus

Buscam incessantemente pelo vilão ouro
Esquecem que seu tilintar pode vir a ser estouro
Interiorizam, bem como os filhos que crescem
Tendo como exemplo aquilo que percebem
Esqueceram de lhes ensinar que o peso do ouro
É fruto do que se planta para o tempo vindouro
Guardar no coração e como legado transmitirem
No futuro, aos que terão nas mãos a direção da Nação
Porém, por quê por no ouro, o peso do mal duradouro?
Vilão? Sim, mas culpado por isso? Talvez não.
Se é inerte e se pelo homem é mal manipulado.
Dizem que nem tudo que reluz é ouro.
Eu diria ainda, que nem sempre o que é ouro reluz
O brilho do " metal "depende de quem o manipula
A sociedade consumista investe no metal sem vida
Esquece dos valores interiores que brilham
Que enriquecem a vida do ser humano na medida
E que tornam seus filhos humanos e gritam
Gritam pelo amor, paz, que justiça seja concedida
Isso não quer dizer que ao ouro não seja dado o valor
Mas, um valor na medida em que saiba se impor
Quem não gostaria de uma linda peça em ouro?
Se até simboliza a aliança entre os homens.
Isso não tornaria ninguém desumano
Porém, saber fazer bom uso, é necessário
Reconhecer que a maior herança e tesouro
É plantar no coração da família e dos amigos
Os valores morais, imensurável riqueza verdadeira
E o resto?
O resto é adorno...

http://ecosdapoesia.net/crestomatia/ciranda_o_peso_do_ouro.html

Publicado em:
- 1ª Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia “O FUTURO FEITO PRESENTE, (2005) apoio do Jornal Mundo Lusíada e Casa de Portugal em S.Paulo. ISBN 85-9051170-1-2
 
O PESO DO OURO

PARA UM BEIJA-FLOR

 
PARA UM BEIJA-FLOR
 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Seu vôo ágil e com imensurável velocidade
Expressando do pequenino sua habilidade
Coloridos adversos exibe sua coreografia
Beija-flor pequenino alado, em sua alegoria.

Seu exibicionismo demonstra sua graciosidade
Minúsculo corpo bailando com excentricidade
Numa sutileza que até parece pairar no ar
Outras vezes com destreza a nos encantar.

Polinizador, nesse belo bailar de flor em flor
Penetra seu fino bico e lhes rouba todo o rubor
Extrapolando os limites e sem nenhum pudor
Transporta o pólen, tornando-se multiplicador.

Sua pequenez, linda criança
Não se opõe a sua grandeza
Se é pequeno em seu tamanho
Grande é no ápice da singeleza.

31/09/2007
 
PARA UM BEIJA-FLOR

MALDITO CIGARRO

 
MALDITO CIGARRO
 
DIA MUNDIAL SEM TABACO
31 DE MAIO DE 2009

MALDITO CIGARRO
Mercedes Pordeus.
Recife/Brasil

O homem, na busca do seu auto-extermínio
Aceita as drogas “lícitas” para o seu domínio
Drogas essas que o levam ao próprio declínio
Afetando a sua saúde, tira-lhe o raciocínio
Ainda assim, a vilã provoca-lhe o fascínio.

Como todas as drogas torna-o dependente
Dos seus órgãos aos poucos causa falência
Comprometendo na terra sua sobrevivência
Promovendo na vida humana a decadência,
Mas ainda assim diante dele, fica impotente.

E o vilão da sociedade nos lares se infiltra
mascarando a maldade com um mero filtro
e o lobo em pele de cordeiro provoca atrito
nos lares, famílias sofrem e entram em conflito
Assistindo o ente querido aniquilar seu espírito.

Viva com a qualidade de vida que Deus lhe deu
Liberte-se do vício, desperte para o bom da vida.
Seja você e vença o maldito vício com a despedida
Faça da sua inteligência seu guia, livre-se do pesticida
Supere-se, supere o vício, você pode com supremacia!

O fumante compromete a sua saúde e dos seus semelhantes
Que de modo passivo absorvem o perigoso benzopireno
Gera para ambos comprometimento dos seus órgãos vitais
Até que ele desperte para banir as degradações pessoais
A escravidão do maldito vício e experimente bons mananciais.

Felizes dos que encontram forças antes que se fulminem
Já não sei em que diferem os termos “lícitos” e ilícitos
E os interesses que impulsionam a que se fechem os olhos
Fingindo não perceberem que drogas são sempre drogas
Mas uma mera classificação pré concebida disfarça o perigo.

Quando chegará o dia em que este mesquinho vilão
Deixará de nos lares estabelecer a sua morada
E sob o pretexto de um filtro, a família violentar?
E, se isso não acontece legalmente, sem providências
que os homens utilizem a inteligência para se libertar.

Vida saudável ou morte lenta você pode escolher
Se quer deixar a sua família de saudade sofrer
Ou junto com você no seu leito de sofrimento padecer
Sem lembrar que o Espírito Santo quer lhe bendizer
Maldito...Maldito cigarro, para sempre seja maldito.

Cigarro escraviza
Cigarro aterroriza
Cigarro inferniza
Cigarro para o mal canaliza.

Não entendo como no nosso país possa existir o que se chama de “DROGA LÍCITA”, acho vergonhoso um país carregar a mancha dos industriais que comandam essa máquina mortífera que de acordo com estatísticas divulgadas na televisão ceifa uma vida a cada oito segundos.
Droga é droga causou dependência... É DROGA!
Gostaria de saber se os industriais do fumo provam do seu próprio veneno.
Acho pouco provável, pelo menos para a maioria.
A situação é tão séria e calamitosa que os próprios médicos cardiologistas estão se negando a atenderem seus pacientes de anos porque não conseguem se livrar desse mal iminente, pois não acham justo assumirem a responsabilidade do que possa lhes acontecer por não serem capazes de deixar o vício e mais tarde esses médicos não querem vir a serem apontados como culpados do que venha a acontecer a esses pacientes, pois lhes poderá ser cobrado pela família: como aconteceu uma morte súbita, um enfarte ou AVC, quando vinham sendo acompanhados anos seguidos, é essa nossa realidade meus amigos.
Além de esse vilão provocar abortos espontâneos, dentre outros males irremediáveis.
Tenho sabido nos últimos dias de pessoas que estão sofrendo sobre uma cama de hospital, UTI domiciliar durante meses, anos e são exemplos bem pertinho de mim, pais e parentes de amigos meus.
Ainda esta semana foi noticiado o falecimento de um radialista de Petrópolis residente aqui em Recife por insuficiência pulmonar e logo após a notícia no NE TV, o repórter acrescentou...Fulano era FUMANTE!
O que dizer dessa realidade?
Ah! Mas alguém pode dizer; mas nos maços de cigarro há advertência do MINISTÉRIO DA SAÚDE, tanto por escrito como fotografias horrendas existe até o telefone para quem quer se livrar do vício!
Pare de fumar, disque saúde está também nos maços de cigarro o:
0800 61 1997, e ainda sobre uma tarja preta ESTE PRODUTO CONTÉM MAIS DE 4700 SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E NICOTINA QUE CAUSA DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA, NÃO EXISTEM NÍVEIS SEGUROS PARA CONSUMO DESTAS SUBSTÂNCIAS.

Digo-lhes ainda, esse telefone 0800 61 1997 tem ajudado a muitas pessoas, conheço um casal que está no programa há uns três meses e ambos estão vencendo a batalha, como outras pessoa que freqüentam o grupo, muito embora pneumologistas e psiquiatras afirmem que a melhor maneira de se livrar desta triste dependência seja marcar o dia e PARAR e eu também penso desse modo.
Também conheço pessoas às quais os cardiologistas dizem que precisam parar imediatamente e eles pararam definitivamente do dia para a noite.
Por que conto esses exemplos? Porque são verdadeiros e acho triste os fumantes persistirem no vício através do qual adquiriram a dependência física e psíquica.
E, se falarmos daqueles menos esclarecidos, outros que nem se quer aprenderam a ler, de que vale figuras aterrorizantes e advertências contra os malefícios do maldito tabaco.
Sem contar ainda, que para trezentos cigarros perdemos uma árvore das nossas florestas.

Existem cerca de 4.720 substâncias tóxicas na fumaça do cigarro que trazem riscos à saúde dos fumantes. Além das mais conhecidas, como nicotina, alcatrão e monóxido de carbono. A fumaça também tem substâncias radioativas como polônios 210 e cádmio encontrado em bateria de carros.
E, no entanto, nas carteiras de cigarro constam apenas três deles, a saber: alcatrão, nicotina e monóxido de carbono.
Eu, sinceramente não sei até onde está figurada a atitude de Pilatos nessa questão, quantos estão "lavando as mãos" e fazendo “vista grossa” a essa monstruosa realidade brasileira e também mundial.

De qualquer modo quero deixar um link muito rico e esclarecedor, inclusive com uma cartilha contendo as dicas de como se livrar desse malefício é um site oficial do governo:

http://www.inca.gov.br/tabagismo/

Dicionário Digital de Termos Médicos
1.03309. BENZOPIRENO
Um potente agente cancerígeno, formado pela combustão incompleta do tabaco, hulha e óleo. Ele é encontrado no alcatrão da fumaça do cigarro e pode ser um fator na relação entre fumo e câncer de pulmão, câncer de laringe e da cavidade oral, e possivelmente câncer de bexiga e pâncreas. O benzopireno e outros hidrocarbonetos polinucleares estão também presentes em carnes fortemente grelhadas sobre carvão e em peixe defumado, assim como na atmosfera sobre grandes cidades, onde eles são poluentes do ar.
http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_03309.php
Benzopireno é um hidrocarboneto aromático policíclico. É mutagênico e altamente cancerígeno. Pode ser encontrado nos gases de exaustão de veículos automotores (especialmente os movidos a diesel), na fumaça do cigarro, da maconha e da madeira, além de alimentos grelhados na brasa.

Isso é só um componente...PARE...PENSE e CONSCIENTIZE-SE E DECIDA POR SUA LIBERDADE.
Torço e peço a Deus que consiga.
Que Ele abençõe os fumantes e os livre deste MAL

DIA MUNDIAL SEM TABACO
31 DE MAIO DE 2009
 
MALDITO CIGARRO

Humildade de Poeta

 
Mercedes Pordeus
Recife/Brasil

A humildade do poeta está sempre a aflorar
Se ele busca na vida aos outros alegrar
Com suas poesias que levam aos corações
A outros, já faz chorar cantando a ilusão.

Cantando a ilusão de uma futura harmonia
Que, infelizmente para o homem é utopia
Quando se trata da verdadeira solidariedade
O ser humano sempre o acolhe com serenidade.

Poesia ao poeta, na verdade não dá pão
Porém, para ele, que verseja a solidão
E por vezes o amor e a solidão...canta!

Canta ao mundo o verdadeiro alimento
Que enche sua alma com simplicidade
Nutre a alma do poeta com sua humildade.

Em 04.11.2004
 
Humildade de Poeta

UM DIA TE CONHECI PORTUGAL

 
UM DIA TE CONHECI PORTUGAL
 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Há quem te chame de pequenino...Portugal.
Percorri teus cantos, conheci teus recantos,
Por tuas ruas, cidades, freguesias eu andei
Então,eu me deslumbrei com teus encantos.

Em ti, literalmente, o amor descobri...Portugal.
Encontrei em ti, visualizei uma beleza sem igual
Dessas terras lusitanas, encontrei amor paternal
E mais uma vez, teus encantos me encantaram.

Em ti, divagando nas tuas ruas, encontrei a paz
Paz, que flui naturalmente de ti e que nos apraz.
Conhecer-te, foi como descobrir um belo reino,
Um reino encantado, pré-moldado por um oleiro.

Terra de desbravadores, grandes empreendedores
De datas longínquas, a herança dos descobridores.
Povo destemido, sua visão projetada para o futuro
Que ainda hoje com grande brio e fama conservas.

Lisboa, Algarve, Mafra, Santarém, Belmonte, Viseu.
Teus monumentos preservas como grandes tesouros,
E com razão, pois para ti significam o mais puro ouro,
Bem sabes de sua importância para tempo vindouro.

Infante D. Henrique, Vasco da Gama,Álvares Cabral,
Naus lusitanas, caravelas tantos mares percorreram,
Por mares nunca dantes navegados...disse Camões
Nos oceanos se lançaram, assim terras descobriram.

Sabes, Portugal...tens sob tua guarda grande riqueza
Adquiridas ao longo do tempo realizando suas proezas,
Intrépidos descobridores, de tantas naturais belezas
Conservas no berço o sonho embalado sem incertezas.

Portugal, assim como o Brasil, sonhaste com a liberdade
Perseguiste-a com garra e a demonstraste na tua altivez
Lutaste, povo bravio, e a conseguiste com tua intrepidez
Saíste de um regime salazarista, e a opressão se desfez.

Através dos fados, por escuras vielas, cantas tua história,
Passei por tuas ruas e cidades, engraçado...hospedeiras,
Tão hospitaleiras, que nem sequer me senti estrangeira.
Pudera, és minha origem, querida terra lusíada e altaneira.

Publicado em:
-Antologia Literária Internacional TERRA LUSÍADA (2005) - ISBN 85-905170-3-9.
 
UM DIA TE CONHECI PORTUGAL

TRISTEZA

 
TRISTEZA
 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Tristeza, por que insites com tanta firmeza,
Cantarolando, zombando assim da fraqueza.
Dos que distante sofrem a dor da saudade
Dos que só partem porque têm necessidade.
De perto dos entes queridos e suas cidades.

Tristeza sabe és uma faca de dois gumes.
Que com o sofrimento ensina-nos a crescer
E é dessa forma que nos fazes reconhecer
Impele-nos então a uma mudança interior
Fornecendo um aprendizado de grande valor.

Quando a tristeza dá lugar à uma alegria
Quando dela reconhecemos o aprendizado
Aí ela deixa de ser simplesmente um fardo
A tristeza ensina-nos a valorizar o que temos
E também aquilo, que infelizmente perdemos.

Tristeza, pressão, depressão no mundo sofremos.
Ensina sempre a amarmos com nosso sofrimento
A ti, Senhor, protegei-os esta é minha súplica!
Ensina-me nas circunstâncias a te agradecer
Não deixeis Pai, nunca de nelas nos proteger.

Santa Elena de Uairén / Venezuela
Em 19.02.2007
 
TRISTEZA

A VOZ DO CORAÇÃO

 
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

Quando se promete algo ao coração
Corre-se o risco de chorar um pouco
O coração reclama nossa promessa
E nem sempre é possível cumprirmos

Deixemos fluir os acontecimentos
E o coração mansinho absorvê-los
Para com ele, juntos não chorarmos.
Se o amor chegar, nele se aconchegar...

Aí sim, vivamos em sua plenitude
Como diz o poeta, que seja eterno...
Enquanto dure? Que dure para sempre
O segredo para o pequeno motorzinho...

Vibrar e amar, sempre amar...
Se compassadamente ou não
O que importa para ele é sim
Não sofrer tanta desilusão.

- Publicado:
2ª Antologia Literária Internacional do Grupo Ecos da Poesia " DOIS POVOS UM DESTINO" (2006), ISBN 85-905170-5-5.
 
A VOZ DO CORAÇÃO

Mercedes Pordeus