Poemas, frases e mensagens de lauravarejao

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de lauravarejao

FICA COMIGO

 
Teus passos ficaram tristes,
teus olhos envelheceram,
teu rosto ganhou uma névoa que não cabe no tempo.
E eu que me revejo em ti, vejo o meu futuro.

Pergunto por ti.
Falas-me do mar e da primavera…

e eu que te quero continuamente presente, trocava de primavera contigo.

Fica comigo!

Olhas-me,
sossegas o meu olhar…

Voltas a falar do mar, falas também do universo,
ensinas-me a olhar as estrelas.

Vejo um brilho em teu olhar.
Sorrio!

Ver esse brilho, lembra-me que ainda tens vida dentro de ti.

Falo:
- Nunca me deixes!!

Tu, continuas a falar da primavera!
Pegas na minha mão e levas-me contigo!
 
FICA COMIGO

NAUFRÁGIO

 
Naufragaste ,

e agora navega em teu peito uma tempestade que te desassossega!´

Liberta-te!!

Solta as amarras, rema a favor da maré,
quem sabe as ondas te levem para outros mares onde tu consigas navegar.

Repara naquele barco que navega no mesmo mar que tu!
Pequeno! Mas suficientemente forte para enfrentar a tempestade.
Faz dele um exemplo!!

Não olhes para trás,
vive o presente, navegando na onda que te levar a bom porto.

Teus rebentos precisam de ti!

Sê forte como o mastro,
não deixes que o vento provocado pela tempestade que nasceu em teu peito te leve.

Olha as tuas crias, sufocam sem ti!
Mostra-lhes como enfrentar vendavais…
Elas seguirão as tuas braçadas.
Que elas vejam como chegar à outra margem através de ti!

Solta-te, sem medo de naufragares!!!
 
NAUFRÁGIO

SEGREDO

 
Tenho um segredo por revelar, e que desvelo no teu olhar,
Puro segredo, olhar tão puro, doce sentir…
É indubitável, mas sempre amável, meu doce mel…
Que o tempo encurte para que assim não vire fel…
Velo por ti, nesta minh` ansia de te encontrar,
Que o tempo encurte para de novo voltar a amar!
 
SEGREDO

SAUDADE

 
SAUDADE

Quando a saudade é grande,
e se transforma em dor…
podemos voar bem alto,
feito o pássaro condor.

Quem procura entre as folhas,
o vibrar da vida inteira,
pode embelezar o momento…

Saudade de ser feliz,
de beijar a primavera,
de correr entre os beirais…

Saudade de ter saudade!!
 
SAUDADE

PROMETES-TE

 
Prometes-te amar-me…
deixa-me fluir…
não esmagues o meu ser…
tenho um grito preso na garganta…
preciso ser livre…

Prometes-te amar-me…promessa esquecida!
onde está o amor!?
Eu preciso de ti…

Porque não ris comigo?
Ainda te lembras do saber partilhar?!
Não me deixes na margem do teu caminho!!

Parei no tempo, ou será que foi o tempo que parou em mim?!
As areias movediças onde me encontro deturpam o meu olhar!
És capaz de me guiar???

É urgente voar!!
Não me cortes as asas!

Viverei contigo ou sem ti!!
Não pretendo vegetar, eu quero vida, vida que vive dentro de mim…
Mas o amor…esse…que é feito dele!?
Haverá tempo pra nós?
Amei-te, mas subjugaste o meu ser a teus caprichos!

Apreende que o amor somos nós,
e que o mesmo necessita de alento,
o teu ser caminha sem direção, e isso torna tudo mais difícil…

Prometes-te amar-me…
 
PROMETES-TE

ATENTA

 
Atenta

Atenta ao desenrolar do filme, caminho por um trilho que me leva ao mais profundo do meu ser.

A dada altura tropeço.

Será o fim da linha?
Ou serei eu que pretendo chegar,
mas não me decido a partir?

Tanta indecisão!

Paro e penso:
-Se eu fosse poeta, faria um poema a partir deste pequeno incidente,
mas como estou muito aquém de tal sujeição, permito-me apenas permanecer na determinação de ficar ou partir.

Decidir é tão difícil.

É o medo!
Sempre o medo!!!!

-Não fiques presa nessa indecisão,
sussurro então para a introspeção,
pois é caminhando que se faz o caminho.
Não é o que diz o poeta?!

É aí que descubro que o melhor do caminho são as experiências,
estas enriquecem o nosso ser,
de tal modo,
que crio, sem me dar conta,
mecanismos de autodefesa.

É a luta pela sobrevivência!

E é a partir daqui que de certa forma consigo ver o mundo de maneira melhor!!!

E pensam todos, enlouqueceu!?

Não enlouqueci!!
Ou será que sim?
Talvez tenha enlouquecido, mas esta loucura é tão saudável,
que traz com ela um novo amanhecer!

Tudo isto sem ainda ter chegado à primeira curva do meu percurso.

Penso:
“É o momento…”
Desfaço a curva e deslumbro-me com toda a beleza da simplicidade.
É então que não prescindo do meu momento, todo ele feito de pequenas coisas, sem mesmo ter de me voltar para dentro do meu ser.

E pensam de novo:
- Tão supérflua,
parece que vive no mundo do efémero!!

- Não vivemos todos?!
Tudo é passageiro, mesmo aquilo que nos parece durar uma eternidade…

O trilho que me trouxe até aqui foi o melhor deste lugar, mesmo não sabendo o que estava para além de…
Esta curva, que me levará a tantas outras, foi fundamental,
e embora este momento passe, pois tudo é efémero, nada morrerá uma vez que percorri a minha experiência, tomando conta da sabedoria, que de certa configuração não existe.

Sim!
Atenta ao desenrolar do filme, caminho por um trilho que me leva ao mais profundo do meu ser…
 
ATENTA

SENTIR-TE

 
Trago em mim a tua voz, que me sussurra sem cessar o teu querer…

Será assim?!

Ou serei eu que te percebo quando não estás?

Oh!!!! Quando a distância fica distante,
e a tua ausência não fica em mim…

Quanta ilusão!!

Mesmo tu perto, eu não te alcanço…
moro na ausência do teu querer,

tu não me vês…

Peço, imploro tua atenção…
O que fazer, se não te alcanço?

Tens deturpada tua visão?!.

Sim!
Olhas-me mas não me vês!!!

Serei o guia do teu olhar, e certamente tu irás ver-me.

Quando?
Não sei!!

Mas é sempre certo um novo dia,
e será novo, um novo olhar!!!
 
SENTIR-TE

EU e os MONTES

 
Percorro sem cessar estes montes outrora verdes,
agora cinza que o lume ardeu!

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!

Negros, tristes,
sem vida,
profanação que ocorreu em ti,
ultraje que o homem insensato cometeu!

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!

Constantes vidas sempre em mutação,
esta forçada,
pela violação!
Ocorre no tempo,
que o tempo perdeu.

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!

Será que não veem o erro aqui?!
Oh! Homem malvado que moras num mundo que não é só teu!

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!

Passado recente,
tão longe está da bela ilustração,
Vida que era vida,
e agora morreu.

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!

Árvore da vida,
não morras assim,
não deixes que vida se afaste de ti,
não tiveste escolha…
Germinou a crueldade do homem,
que erro concebeu!

Sou eu, e os montes!
Os montes, e eu!
 
EU e os MONTES

VIVER

 
VIVER

E morre de novo em mim esta confiança,
sempre em desalinho,
escorre em minhas veias um veneno que me mata aos poucos.

Não mata a vida que eu não tenho,
mas toda a inconstância que habita no ser humano. Não fujo mais!!!
Não!!
Não vale apena;
não é esse o caminho!!

Qual será?

Moro numa encruzilhada!
Vou vivendo sem viver,
desfazendo tudo o que faço,
sem deixar de fazer todo o resto.

Por onde andará a vida que nasce de um abraço?!

Ahhh!! Pudesse eu tê-la…
e não mais o veneno…!
 
VIVER

SER SIMPLES

 
Ah! Fosse eu simples,

como só o simples consegue ser…

E sendo simples simplificava a simplicidade!!
Mas já não é simples a simplicidade!?

Só o simples consegue ver…

Preciso urgentemente dum olhar simples, para simplesmente ver onde se encontra a simplicidade!

Ah! Fosse eu simples, como só o simples consegue ser…

Penetrava na sua essência, para que simples pudesse nascer!

Onde te encontras simplicidade???

Preciso urgentemente de te encontrar,
preciso aprender a ser simples;
e o ser simples, é sempre o mais difícil!

Dificilmente se percebe, mas é na simplicidade, que o simples se torna simples,
para inovar,
se reinventar,
usufruir dum simples olhar,
e desse modo simplificar, tudo o que é simples, sem complicar!!!

Ah! Fosse eu simples !!
 
SER SIMPLES

PURA FELICIDADE

 
Imaginei o inimaginável,

tentando descobrir o que por si já
estava descoberto!

Vejo-me agora noutra dimensão…
Não sou mais eu,
renasci…

As nuvens passaram,
deixando ver um azul que jamais tinha existido…

E brilha o sol!!!!!

E um par de olhos negros mostra todo o seu esplendor!!
E apesar de serem negros deixam transpor uma grande luz!
Raios de sol que veem ao meu encontro!

Tocam-me o rosto,
e aquecem-me o corpo,…

Inebriante estado de alma que me engrandece,
e me deixa na mais sublime submissão,
Fico à mercê do teu querer…

Tão eu… Sendo sempre tu!
Origem da minha luz!
 
PURA FELICIDADE

MENINA/MULHER

 
És uma menina; mulher…
ou será que és mulher; menina…!?

Mais que uma simbiose, és única sem deixares de ser as duas,…
Que dom é esse que só a ti pertence?!

Mulher, menina;
menina, mulher,
soberana no teu ser,
iluminada no saber.

Sempre atenta no caminhar,
faz o percurso,
sem nunca se desviar da meta a alcançar…

És uma guerreira que luta todos os dias com a certeza de que sempre terás batalhas a travar…

Mesmo cansada lutas sem descansar!!

Que dom é esse que só a ti pertence?!

Mulher, menina;
menina, mulher…

Eu penso e volto a pensar:
- E se ela parar?!!!!
Por favor, não pares, tu tens que continuar….

O teu percurso, é um pleno em ascensão,
voa bem alto sem nunca largares o chão.
 
MENINA/MULHER

PROCURO-TE

 
Procuro por ti a todo o instante…

Sei-te meu,

no mais íntimo do meu ser… não te encontro!
Busco-te constantemente sem te encontrar,
mas…

sei-te meu…

Vão e voltam as expressões,
risos,
olhares e lamentações…

sei-te meu!!

Fragilizado pelo passado,
sem saber que passo dar.
Bem quieto no teu mundo,
onde nada te perturbe, tu tentas estar,
no entanto…

sei-te meu…

Mesmo distante do toque, em que o toque não se toca,

sei-te meu…

Pobre quimera que a vida ceifou,
mesmo assim:

sei-te meu…
 
PROCURO-TE

PERDI-ME de MIM

 
Perdi-me nas letras, escondi-me nas palavras.

Imagem que não tem rosto, turbilhão de sentimentos.
Sinto, transbordo de ânsia que projeto em projetos,
rego cada vírgula como se fosse flor a desabrochar…

Será que transmito o que quero dizer?!

Perdi-me nas letras, escondi-me?! Não!!!

Mostro a minha revolta, a minha revelia.
Ofusco-me, escondo-me, mostro-me, perco-me…
Onde ando??

Perdi-me nas palavras, sem as soletrar, tento entender, mas perco-me num labirinto onde ninguém quer culpas.

Procuro um caminho, ou será um trilho?!
Penso seguir pegadas, elas apagam-se…

É urgente sobreviver neste rumo que sigo!!!
 
PERDI-ME de MIM

SERÁ SAUDADE?!

 
Hoje o vento falou-me de ti,
trouxe com ele o teu cheiro; Jasmim,
sempre jasmim.

Mostrou-me o teu sorriso
e o brilho do teu olhar.

O meu débil sorriso iluminou-se,
quis saber mais
então,
uma brisa suave falou-me de amor…

Floriu na minh ‘alma a esperança,
mas logo desvaneceu…

Pois,

na tua ausência eu não me encontro
tudo é deserto…

Passei a viver a tua história
e
abandonei a minha!

Peço-te,
não me abandones,
e
guarda-me nas tuas melhores recordações…

Tu estarás sempre em mim!!
 
SERÁ SAUDADE?!

PARTI

 
Sentada nesta cadeira,

parti…

Fiz as minhas descobertas,
tão distantes,
não as sinto!

Parti…

Vivo, a vida sem viver, mas senti!

Parti…

Foram olhos, vida em mim!

Parti…

Deito fora as fantasias,
uso força de leão,
a astúcia da raposa,
e voou feito falcão.

Voou acima das nuvens,
sem nunca perder o chão,
viajo pelo teu corpo
e tu dás-me a tua mão.

Descubro-me em ti, abraço o teu ser,
é tanto o sentir, é tanto querer,

Parti…

Esta viajem que faço,
onde mora a confusão,
onde moram os sorrisos
e não entra a solidão,

é feita sempre a sorrir,
pois voou feito falcão,
com a astúcia da raposa
e a força de leão
 
PARTI

DOR

 
Dor


Esmaga-me esta certeza,
não sou só um corpo...
porquê só o corpo?!
Doí-me a alma!!!...

Não sou só um corpo...
 
DOR

FAMÍLIA

 
Reúne-se toda a família
à volta desta lareira
paira a alegria no ar
em amena cavaqueira

Fala um e fala outro
cada um na sua vez
por vezes faz confusão
se falam sem terem vez

Interrogam-se mutuamente
surgem perguntas sem fim
mas todas têm resposta
tem mesmo de ser assim

Esta família que eu amo
que me acolhe com amor
que beija as minhas faces
e ampara a minha dor
floresce constantemente
neste longo caminhar
é um ombro que me ampara
não me deixa desanimar.

Agradeço a todos eles
tudo o que fazem por mim
sem eles não era nada
ainda bem que é assim…
 
FAMÍLIA

PARTISTE

 
Partiste…

Foi imperativa a tua partida,

e tu que não escolhes-te partir, foste embora…
E eu que bebi da tua fonte, e que te contemplei tão meu,
e que sem saberes te sorri ao mundo,
deixei que subsistisses no meu caminhar…

Quanta ilusão!!!

Sucumbi com a tua partida,
o meu lado esquerdo adormeceu…
Dilacerei,
fui obrigada a prantear,
correu então das nascentes a água que me lavou a alma…

Ah!!Contemplasse eu a promessa do teu olhar,
teu olhar que nunca mentiu,
sem nunca ter de falar…

E eu, que te sabia tão meu…
perdi-me no tempo,
esse que tudo refaz, esqueceu-se de olhar para mim.

Contemplo apenas um sopro de vida…

Resta o vislumbre sublime da tua essência em mim…

Partiste…
Foi imperativa a tua partida…
 
PARTISTE

NÃO CHEGA A SER

 
A tua sonora gargalhada, esconde a tua dor!!!

És um sopro de vida…
 
NÃO CHEGA A SER