Poemas, frases e mensagens de Mikita

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Mikita

Sem volta

 
Visita-me em sonho
Senta-te aqui do lado
Fala-me de ti
Diz que estás apaixonado
Depois deita-te comigo
Segure-me em teus braços
Feito um laço que não se solta
Faz de mim teu novo abrigo
E esquece o caminho de volta
 
Sem volta

O lado negro das luzes

 
Daqui do alto do morro
A cidade é um mar de luzes
Você é um desses pontos luminosos
Qual é, onde está não sei
A minha solidão, meu amor
Nada sabe da sua
São apenas velhas parceiras
Na imensidão dessa selva anônima
Que a passos largos se agiganta
Vencendo o combalido amor
Que se entristece ao ver pelas ruas
Sinistros encontros, rostos ocultos
Meros vultos, almas nuas
Em absoluto vazio
Tentando se esquivar
Do permanente luto
 
O lado negro das luzes

Realinhando destinos

 
Era ali bem que ele morava
Quatro casas abaixo
Mas léguas de silêncio nos separava
Nem um bilhete, nem uma palavra
Que traduzisse aquele olhar cabisbaixo
Pensei que não me amava
Segui outros planos
Provei da solidão, dos desenganos
Até que o tempo realinhou nossos destinos
E aqui estamos, provando a todos
Que desde sempre nos amamos
 
Realinhando destinos

Amarga certeza

 
O que mandaste eu fiz

Ousei esquecer-te
Mas só encontrei
Homens frívolos
Desejos mórbidos
Corpos frígidos

Procurei neles
Tua luz, teu fogo
Teus beijos ardentes
E nada vi, nada senti

Hoje amargo esta certeza
Em ti encontrei tudo que quis
Mas não soube fazer-te feliz
És o príncipe que tento esquecer
Que está nos braços de outra princesa
Dona da sorte que eu gostaria de ter
 
Amarga certeza

Sem ti

 
Recordo-me de coisas

Casa, ponte,
Estrada, pedra
Árvores, sombra
Flor, espinho

Mas não me lembro de mim

Face, boca,
Dente,sorriso,
Pés, mãos
Corpo, coração
Olhos, semblante

Descobri que passei a existir
No exato instante
Em que eu te conheci
 
Sem ti

Por você

 
Por você venci todas as batalhas
Ergui na rocha nossa fortificação
Resgatei seu corpo do mar de tormentas
Fui ouro em amor e dedicação
Gravei seu nome na medalha da honradez
Só não consegui restaurar
O elo de amor que você desfez
 
Por você

Só agora

 
Tantas vezes na vida
fui presa da paixão
Da sede do tato,
Da fome de sexo
Do desejo
Mas só agora
Quando conheci você
Todas essas sensações
Atingiram meu coração
E o amor me invade
corpo e pensamento
Todos os dias
A todo momento
 
Só agora

Alma virtual

 
Pulverizamo-nos
Rosto, carne, sexo, osso
São agora flor, fake, pássaro, mar
Não somos nem homens nem mulheres
Somos qualquer coisa
Estamos em todos os lugares ao mesmo tempo
É nesse mar tenebroso
Que tento viver o meu amor
Às vezes encontro-o e amamo-nos loucamente
Às vezes procuro-o loucamente e não o encontro
Às vezes encontro-o mas temo não ser ele
A privacidade não existe
Há muitas feras nessa nova arena social
E o anonimato nos reduz a resíduo virtual
 
Alma virtual

Cuidado

 
Sabes que me deixas fascinada
Seus negros olhos,
Num só tempo, doces e ferozes...
Sobrancelhas densas, arqueadas
És tão diferente daqueles da tua idade
Descontração, sedução, jovialidade
Não se aproxime de mim
Perco-me nesse sorriso de marfim
Entenda que é difícil resistir
Também sou de carne e osso
Então, tenha cuidado, moço!
Não me olhes assim
 
Cuidado

Diz-me [1]

 
DIZ-ME

Não me perguntes se te amo
Diz-me se queres casar-te comigo

Só assim verás
Que o maior amor do mundo
É o que eu sinto por ti

Não quero apenas dizer
Quero provar o que digo
 
Diz-me [1]

Teu corpo

 
Teu corpo é o solo fértil
Onde semeio carinho
E colho puro prazer
É rio por onde flui
O mais saboroso mel
Que adoça minha vida
Regenera minha pele.
Em cada canto de ti
Jorra uma fonte de desejos
Que acende meu olhar,
Nosso quarto é templo de luz
Onde me farto

Bebo em tua boca
Flocos de amor
Que aplacam essa sede
De teu corpo,
De teus braços,
De teus beijos

Sacio em ti minha fome
Fome que nenhuma amante tem
Fome que toda noite vem
Sem mistério, sem pudor
E me persegue,
E me provoca
E me consome
 
Teu corpo

Por amor

 
Valia tudo para te encontrar
A interminável escalada transpus
Venci a íngreme muralha
Amor, conforto e ternura
Foi o que entreguei primeiro.
Reconquistar teu coração
Seria justa premiação
Pelo sucesso do resgate
Pela descoberta dos segredos
Do local do cativeiro

Mas quando te viste recuperado
Aconteceu-me o inesperado
Novamente me abandonaste
Foste gozar sozinho
A liberdade que conquistaste
Deixando-me naquele lugar
Circunscrita aos muros do degredo
Agora frágil, sem chance de voltar

Quem haverá de enfrentar perigos
Para dividir a dor dessa solidão comigo?
Não creio mais nesses encontros mágicos
Que nos entregam em terra
As maravilhas do céu.
Esquece o que por ti eu fiz
É teu o troféu de homem livre e feliz
Por ti não tenho mais nem amor nem ódio
Sou apenas a escória que restou
De um gesto de amor
Que no fim se transformou
Num malogrado episódio
 
Por amor