Poemas, frases e mensagens de MaryFioratti

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de MaryFioratti

UMA FLOR PARA AQUAZULIS

 
UMA FLOR PARA AQUAZULIS
 
Desde que entrei no site, as poesias de Aquazulis (nosso querido Luis) eram as primeiras que eu clicava, porque eu sabia que ali iria ler algo que iria alimentar minha alma.
Tao suave e doce suas poesias. Algumas de sentimentos tao fortes. Tecia rendas com as palavras.
Como eu o admirava! Nao somente como poeta, mas como pessoa humana. Tao doce! Seu respeito para com as pessoas. E sua humildade. Todos os excelentes poetas sao humildes.
O Luis nunca se considerou poeta, e era um artesao das palavras! Que lindas eram suas poesias.
Sinto-me tao estranha entrando aqui e nao vendo seu nome. Parece que ficou um buraco tao grande!

Na entrevista do Luso, quando perguntaram "O que dizem seus olhos?" Lembro-me que ele respondeu: "Meus olhos dizem que a vida eh breve, mas maravilhosa".

Que breve foi... meu amigo querido! Mas fico feliz por te-lo lido, e ter conhecido um pouco dessa sua beleza interior!

Meu beijo especial a Angela Rolim, sua companheira, que foi por ele tao amada! Meus profundos sentimentos a todos da familia!

Descanse em paz meu amigo. Sua presenca estara sempre aqui, de uma forma ou outra, entre nos.

Esta flor colhi para voce.
Descanse em Paz!

*Mary Fioratti*
 
UMA FLOR PARA AQUAZULIS

COMUNICADO OFICIAL

 
COMUNICADO OFICIAL
 
COMUNICADO OFICIAL


angustia-me esse silêncio
mais do que qualquer coisa
neste momento
angustia-me o peso
o tamanho
angustia-me o significado

ele traz-me a lembrança
de meus tempos de infância
quando nas horas de almoço
aquela mesa silenciosa
cortava minha alma

naquele tempo
eu não tinha opção de saida
era apenas uma criança
sem o domínio da própria vida

cresci assim
odiando silêncios
temendo-os

quando costumávamos
sentar a beira daquele lago
quantas vezes falei para voce
do trauma desse silêncio

baseada no fato
de um respeito
que pensei existir
de um amor
que enxerguei
sem lente de contato
de uma preocupação
de um cuidado
e desta sua falta de tato

apago neste momento
as luzes da minha solidão
recolhendo-me muda
na penumbra de meu coração

hoje resolvi
que não mais insisto
e em papel pautado
coração tão desacreditado
comunico-lhe oficialmente
que eu desisto

*Mary Fioratti*
 
COMUNICADO OFICIAL

DISFARCE

 
DISFARCE
 
DISFARCE

lágrima que teima
em equilibrar-se nos olhos
faz acrobacias
voltando para sua origem
e quando a garganta
engole seco
e o coração
se confrange em um espasmo
ela volta
inundando a íris
e segura-se forte
impagável e absoluta
aos olhos invisíveis
do mundo
lágrima que teima
em ser mostrada
emoção que reluta
a ser exposta
palavras quase escritas
mas apagadas
e a lágrima
que teima tremulante
insegura
dolorida
fica esperando
que essa dor passe
mas num descuido
inocente
tropeça em meu soluço
e rola

.
.
.
.
.
.
na minha face

*Mary Fioratti*
 
DISFARCE

Uma pequena observacao....

 
Ultimamente venho aqui para comentar,no meu horario de almoco, e acabo comentando os mesmos que sempre comento e que de certa forma conheco.
Hoje vi uma publicacao que tenho certeza, o proprio que escreveu comentou...

Gente, o que esta acontecendo com esse site? Tem mais fake aqui do que "gente".

Portanto vou continuar comentando os que sempre comento (com raras excecoes).

Qual eh a razao de se criar uma nova identidade, vir, e comentar a si mesmo?
Chega a ser hilario.
Desejo de sucesso? Rs Eh ate engracado.


Abracos,

*Mary Fioratti*
 
Uma pequena observacao....

MINHA VIDA PROFISSIONAL NO BRASIL (Capitulo 1)

 
(Na verdade eu estava escrevendo este texto para mim mesma, sendo que agora em Dezembro vou aposentar... Um apanhado de tudo... entao resolvi publicar aqui)

Comecei com 18 anos em S.Jose dos Campos, no CTA (Centro Tecnico de Aeronautica) como Datilografa.
Lembram-se daquele cursinho de como aprender a datilografar, dado pela Remington? Passei bonito.
Quando tinha 18 anos, meu avo que morava com a gente naquele tempo
pediu para uma amiga dele Bibliotecaria, se ela tinha um emprego para mim.
E fui entrevistada e entrei para trabalhar no PMR (Pesquisa de
Materiais Raros), naquela epoca Morava em Sao Jose dos Campos.
Pegava o onibus de manha, aqueles vestidos curtinhos (como eh bom ser
jovem!) e la ia eu para minha aventura!
Trabalhar com militar nao eh facil! Tantas regras, e a gente nessa idade
detesta regras, ne? Mas sobrevivi e muito aprendi!
Fui entao trabalhar na NEIVA (Empresa Aeronautica). Um bom pulo de
Datilografa para Secretaria do Gerente de Recursos Humanos.
Depois de 1 ano, comecei a ser tambem Secretaria de Relacoes
Publicas. Foi um bom tempo, respondendo cartas de criancas que se apaixonavam pelos avioes da Neiva, que mais tarde se uniu a Embraer.
Resolvi entao comecar um curso de Secretariado, e Ingles. Achava que a minha carreira estava definida.
Gostava de ser Secretaria!
Depois do Curso de Secretariado, comecei a Faculdade Letras, e me formei professora de Portugues/Ingles.
Minha carreira ficou excitante quando entrei como Secretaria Bilingue na
Ericsson para trabalhar com 3 suecos. Foi um tempo maravilhoso na minha vida!
Como foi bom conhecer esse povo tao maravilhoso, conviver com a cultura
deles. Tao doces eram aqueles suecos! La ia eu com o Gerente da Construcao da nova Fabrica da Ericsson para uma
reuniao, e ficava o tempo todo traduzindo o que um falava o que o outro respondia. Adorava isso!
Depois, como os suecos eram responsaveis pela Construcao da nova Fabrica, eu ia trabalhar de jeans, botas, me enfiando no meio da construcao, enquanto fazia inspecao com os chefes me ditando os problemas.E como me sentia poderosa, quando chegava na minha sala e podia escrever um relatorio em duas linguas!
Quando eles voltaram para a Suecia, fui trabalhar no Escritorio principal da Ericsson, Secretaria de outro sueco que era Gerente da Producao.
Bons tempos tambem, quando me envolvi muito com o pessoal da Fabrica, e era tao gostosa aquela convivencia.
Ate que sabendo que esse Diretor futuramente iria para a Suecia, resolvi tentar em outro lugar, e acabei entrando no mundo da Johnson & Johnson como Secretaria do Gerente
de Planejamento e Producao. Na Johnson fiz uma trajetoria bonita de 10 anos, terminando como Secretaria da Diretora de Pesquisas.
Durante esses dez anos, cinco deles dei aulas de Ingles a noite para o Curso de Secretariado. Era uma correria, mas gostava demais de dar aulas, de conviver com alunos, de corrigir provas, e tambem de aprender!
Entao, parti para Sampa! Meu marido arrumou um emprego la, e comecei a tentar entrar em alguma empresa em Sao Paulo.
Tantas entrevistas que nao deram certo! Ate que me candidatei a Secretaria do Diretor de Materiais
da Brystol Myers Squibb.
A entrevista seria no apartamento do tal Diretor, no Jardim Europa. Quando entrei, a empregada veio me receber de avental branquinho, um apartamento que parecia de artista de cinema. Um monte de salas com tapetes persas, objetos de arte. E eu me senti tao coloninha com meu terninho...
Entao la veio o tal Diretor, muito bem vestido, altivo, a entrevista durou mais de duas horas, em Ingles e Portugues. Tropecei no Ingles, e muito! Mas no fim ele disse assim: "Voce nao esta preparada para esse cargo, mas vou apostar em voce! Voce precisa um certo "verniz"... (hahaha - meu marido brinca com isso ate hoje), vou torna-la uma Profissional de verdade!
E com esse homem eu aprendi muito. Ele era energico, mas trabalhou em mim e me fez uma digna Secretaria de Diretoria!
Depois quando estava prontinha, ele teve um derrame. Entao fui a amiga, secretaria, meio enfermeira e psicologa.
Ele ficou trabalhando em casa uns tempos, e eu ia la com toda correspondencia. Acabei ficando amiga intima da familia, mulher, filhos, e empregada, ia tomar cafezinho na cozinha, e era sua confidente.
Acostumei com os tapetes persas, e a "finesse"...
La fiquei 5 anos...
Ate que um dia, meu marido me ligou e disse: "Fui transferido para os EUA! Vamos morar em Detroit, Michigan, por 3 anos!"
Voces imaginam o choque? Fiquei paralisada no telefone. "O que? quando?" E ele: "Em um mes!".
Embora fosse algo bom, foi assim um banho de agua fria. Bom num ponto, mas nao em outros. Eu nao queria
sair do Brasil. Mesmo com todos os problemas que sabemos tao bem!
Sair do Pais da gente nao eh facil! Nao eh mesmo! Eh muito bonito, mas voce entra num mundo estavel, previsivel, mas cheio de solidao!
Minha ultima lembranca foi a gente na calcada do meu apartamento em SPaulo, esperando taxi, com montes de mala, minha filha pequenininha
no meu colo,e indo para o Aeroporto. Eu so chorava no taxi... O motorista ate que tentou me animar. Dizia:
"Moca, olha como essa rua eh arvorizada"...(rs).
Mas naquele momento, se passava na minha cabeca uma vida...diversos rostos: meus pais, familia, amigos. Momentos. Minha cultura,
tudo!
E eu nao tinha nem ideia por tudo que iria passar!

(Proximo capitulo eu conto minha chegada nos EUA)

*Mary Fioratti*
 
MINHA VIDA PROFISSIONAL NO BRASIL (Capitulo 1)

ESSES VELHOS (E NOVOS) TEMPOS

 
ESSES VELHOS (E NOVOS) TEMPOS
 
Sinto saudades de muitas coisas de minha adolescência. Muitas vezes fico a lembrar de momentos tão vivos em minha lembrança, de risos, de sonhos...
Como a vida passa depressa! Essa frase eu ouvia sempre as pessoas mais velhas dizerem, e naquela época eu pensava: "Não! a vida passa muito devagar!"

Eu queria crescer, queria poder engolir o mundo. Não queria ser adolescente, queria crescer...pensava em casar, em ter filhos. Em ter minha casa (como brincar de casinha). Pensava em tantas coisas...e a vida ia correndo, e eu pensando, e eu desejando sempre mais e mais...
Lembro-me das brincadeiras dançantes Da luz negra, do dançar apertadinho. Das carícias nas costas. Naquele cheiro de colonia com cuba-libre. Daquele mistério que era abraçar uma pessoa desconhecida, e dançar, de ouvir a voz no ouvido. De repente se afastar, mesmo dançando, e olhar no rosto. E sorrir.

Como era gostoso aquele entrosamento tão natural e tão simplista de duas pessoas que nunca se viram! E as musicas nos transportavam a lugares inimagináveis.. aquele tempo não precisávamos recorrer a "telas", tínhamos imaginação de sobra. Como era bom imaginar e ver ao vivo e a cores!
Mudar de menina sensual, para moleca, subindo nos telhados, correndo pelas ruas, procurando emoção Saindo na chuva, descalça, correndo, os cabelos ensopados, o vestido grudado na pele, abrindo a boca para comer o gelinho que caia...
Pegar a bicicleta e voar pelas avenidas, subir e descer, largando a mão do guidão..

Depois voltar para casa, e virar mulher...esperando um telefonema. Como era delicioso o escutar do telefone tocar, (o de casa, não o celular) e de ouvir aquela voz do outro lado. Conversar. Marcar encontro. E ficar a imaginar, o que vestir?
Tem uma cena do filme "Falling em Love" (o meu preferido) que a Meryl Streep vai se encontrar com o Robert De Niro, e experimenta umas 10 roupas diferentes. Se olha no espelho. Tira, põe outra. Olha-se no espelho. Sorri. Mexe no cabelo. Que linda essa sedução! Seduzir-se a si mesma, para seduzir o outro.

Quero de volta aquela magia. Ficar o dia todo na piscina, vestir meu vestido branco, curtinho, soltar meus cabelos, colocar colonia "COUTORE" (rs).
De viajar de onibus somente para ir a praia. Tirar a roupa e deitar na areia quente, passar bronzeador, entrar na agua, furar as ondas, rir muito, e depois a tarde voltar, ónibus cheio, pinicando de areia...mas tão feliz!
Lembro do jogo da verdade. Era feito entre os meninos e meninas da escola.

Juntávamo-nos no recreio a noite. Era tão excitante aquele jogo! Perguntas diretas, e principalmente daquelas pessoas que nos interessávamos Algumas diretas demais:
"Você já pensou em me beijar?" E eu, com a maior cara de pau:"Sim muitas vezes"... (risos).
E um dia, no recreio, ele me puxou pelo braço, e foi me levando para perto de uma escada. E me abraçou e me beijou. Era bem melhor do que o imaginado. Fiquei noites a sonhar com aquele momento, e o modo que foi conduzido. Chamava-se Gilberto. O "Gil". Tão popular entre as meninas. Fazia musicas, cantava em conjunto. Fez ate uma musica para mim!
Passou...mas me lembro vivamente desse momento. Ele no Festival da Escola cantando e eu na plateia pensando que iria morrer de paixao!

O flertar. Como o flertar era uma moda sensual e significativa. Os olhares se encontravam a distancia com tamanha intensidade, que parecia ate um toque de pele. A gente viajava naqueles olhos, entrava no túnel deles...ficávamos presos como se estivéssemos com um laço amarrado.
Como era gostoso, no inicio do namoro, o toque das mãos...entrelaçadas, olhando nos olhos com tamanho desejo, e apertando as mãos até esbranquiçarem os nós dos dedos. Parecia um beijo dado. Mas muito mais que um beijo naquele momento. O corpo tremia. A respiração se entrecortava.

Depois o beijo vinha, o romantismo da boca roçando a face, beijando os olhos, e descendo terna e cheia de desejo para a outra boca entreaberta.
E nos bailes aquele beijo sabor cuba-libre. Os corpos grudados, misturando-se com as colonias que cheiravamos na nuca. Tudo isso complementado com aqueles olhares intensos.
Onde esta agora esse beijo? De olhos fechados? A tontura, o formigar do corpo?

Quero de volta esse tempo do sentir. Quero aproveitar cada minuto dele, ao pressentir que o hoje seria assim tão maquinalmente frio. Queria aproveitar cada segundo, beber com o olhos, tocar com as mãos. Ouvir o coração.
Não queria ser jovem hoje e ficar passando torpedinhos, falando em MSN, trocando emails. Mandando fotos pelo celular.

Queria aquela juventude onde os torpedos eram os corações que ribombavam tão alto, quando estávamos dançando abracadinhos, que o MSN eram palavras ditas cara a cara...(olhos nos olhos) e que os emails eram as mãos unidas, os abraços apertados, e os beijos molhados. Bem molhados, sabor cuba-libre.
Quando deixavamos a mão entrar pelos vãos de nossa roupa, sentindo aquela emocao do proibido.
Não queria ser jovem hoje.
Mas queria ser jovem outra vez, no meu tempo.

Queria rir despreocupadamente sem pensar no aquecimento global. Na destruição do mundo. Na falta da agua. Na falta de respeito com o ser humano. A corrupção, a ganância, a violência, problemas de dinheiro, da fome. Desigualdade social. Aids. Câncer.
Muitas vezes reflito nesse poder da comunicação do computador. Da veracidade das palavras, das mensagens. Da responsabilidade de se dizer coisas num Blog. Do influenciar as pessoas.

Movendo o controle remoto >>>>>>> forward, não consigo enxergar como o mundo será daqui a alguns anos. Como os jovens chamarão o AMOR. Como as crianças olharão o MUNDO. Como o sexo será encarado.

Onde estarão os valores, aqueles que tanto lutamos para ensinar aos nossos filhos?

*Mary Fioratti*

(Aqui uma foto antiga, quando eu e minha turminha tiramos uma foto no meio da rua...)
 
ESSES VELHOS (E NOVOS) TEMPOS

Essa velha Angústia de Viver....

 
Essa velha Angústia de Viver....
 
Essa velha Angústia de Viver....

Um dia desses andei pensando como mudamos ao passar dos anos.
Antes, os problemas pareciam simples, ou seriamos nos os simples? Mas tudo não parecia ter o peso que tem hoje.
Lembro-me bem daqueles tempos em que despreocupadamente eu olhava para um problema, e achava-o pequeno, por maior que fosse.
Ou quando eu deitava a noite e dormia um sono “inteiro” até de manha.

Hoje me vejo acordando de madrugada e pensando... começa a vir tudo na minha cabeça, como um filme que não consigo parar.
Então, como uma cigana, começo a “ler”meu futuro, a me preocupar com minha filha, com meu marido, nas pequenas coisas, nos problemas que na verdade não tem solução.

E adianta isso? Claro que não.

Tento aplicar diversas regras de mentalização. Minha irmã me disse para eu tentar pensar num filme que gostei, e ficar relembrando as cenas. Esta técnica adiantou um pouco.
Mas depois das cenas do filme, aparecem novamente os fantasmas.

Tentei Ioga. Achei que eu poderia me equilibrar mais. Que nada! Descobri que não gosto de meditar! No meio da primeira aula que fui (e que era grátis) vi todo mundo sentado naquela posição de ioga, a classe na penumbra, todos de olhos fechados, fazendo um sonzinho assim: “ziimmmmm”.... Tudo que eu fazia era olhar para o relógio e porta para sair. Que angústia!
Gosto de relaxar dançando, música alta, nas minhas aulas de zumba.

Bom, voltando a angústia...
Tento viver o dia a dia, com muita intensidade (e vivo!). Mas o fantasminha do futuro esta sempre me perseguindo. As vezes, pego minha bola de cristal fajuta e leio meu futuro.

Uma vez ouvi dizer que pensar no futuro é pensar no “vazio” e o “vazio”causa depressão.

Já tive depressão. Você já teve? Eh horrível. Tive há muitos anos atras, e não há nada que descreva essa sensação. A gente esta num grupo, e se sente diferente de todo mundo. A comida, parece que estamos comendo palha. Uma sede nao sei do que.
Mas passou, felizmente. Alias, durou muito pouco. Quem me conhece, jamais acredita que tive depressao.
Entao ouvimos dizer que depressao “eh o mal da humanidade”...

Mas nao pensem que sou pessimista. De jeito nenhum. Estou sempre feliz, a cantarolar, a brincar, como uma adolescente. Procuro ser feliz. Mas não fiz vestibular para santa. De vez em quando me bate uma insegurança de viver.

Principalmente quando você vê que alguém bem do seu lado, fica doente. Outro morre. Alguém morre num acidente de carro. Uma mãe perde um filho. Ah! tantas coisas, tantas coisas!
E estas coisas tem acontecido bem do meu lado.
Então aquele dia eu dou um super valor para tudo, para os pequenos momentos. Para as pequenas (e grandes) alegrias.

Quero ser forte! Mesmo acordando a noite, e me degladiando com aqueles mesmos fantasmas, quero ser forte. Ter uma fé maior do que a montanha, e lutar contra esses momentos .

Hoje li uma coisa que gostei e impactou-me! “Se der medo, finge que tem coragem, e vai com medo mesmo!”

Não é assim que as vezes temos que fazer?

*Mary Fioratti*


Brindemos à Vida!
 
Essa velha Angústia de Viver....

GESTOS

 
GESTOS
 
GESTOS

hoje quero seu silêncio
entremeado de olhares
quando os gestos se prolongam
e o sorriso ilumina
hoje não quero palavras
quero os gestos movidos
pelos sentimentos
onde se mostra
a ingenuidade e a malicia
alternados com o descanso
e como pano de fundo
o som de uma vida frugal
hoje quero seu abraço
sem perguntas
seu beijo molhado, esfregado
em minha boca esfomeada
experimentar o licor da saliva
sentir o momento como ferida aberta
quero uma languidez macia, inusitada
uma caricia vestida de ternura
quando os gestos tornam-se lentos
quase adormecidos
e o abraço da alma
aquece os arrepios do frio
hoje quero apenas
os impulsos dos sentimentos
definir a cor de seus olhos
em olhares intermináveis
e meio loba, meio menina
entre gestos não planejados
ouvir a voz das estrelas
enquanto ficamos abraçados

*Mary Fioratti*
 
GESTOS

Eu tenho uma paixão por ser feliz

 
Eu tenho uma paixão por ser feliz
 
 
(Este eh um velho texto que escrevi. Estava agora "re-olhando" esse video do abraco! Como gosto de assisti-lo! Me faz feliz!



Eu tenho uma paixão por ser feliz

Existem tantas coisas das quais podemos extrair felicidade, apenas querendo. Simples coisas que vem do coração, do dia a dia, dos encontros comuns, dos sorrisos.

Não podemos passar despercebidos por tanta riqueza que nos é oferecida todos os dias, em pequenos gestos, em pequenos encontros. Em experiências de vida que as vezes nem chegamos a percebe-las.

Eu sugo o extrato puro do viver. Em cada esquina, em cada rosto, em cada acontecimento, em cada gesto.

Mesmo no meu trabalho, eu sempre vejo algo a mais do que a minha rotina. Mesmo me preparar para ir ao trabalho, eu faço um"acontecimento", escolhendo roupa, arrumando o cabelo, colocando meu perfume, e me fazendo feliz.

Começa sempre um ano, novinho... tantos dias pela frente para olhar, sentir, crescer e ser feliz. Porque ser feliz depende somente de nos. Outro dia li isso: "Felicidade começa com você, não com seus relacionamentos, não com seu trabalho, não com seu dinheiro, mas com você". Tão verdadeiro isso.

Este ano eu fiz minhas promessas... e uma delas é ser menos egoísta. Pensar menos me mim. Ouvir mais as pessoas. Tentar entender, sem julgar. Colocar-me no lugar do outro. Aprender mais com . As vezes pequenos acontecimentos nos ensinam muito.

Quero abraçar mais. O abraço tem um poder tão forte e tão poderoso.

Um dia desses vi um filminho no Facebook que dizia: "Abraços grátis".(Coloquei aqui para voces verem). Fiquei fascinada de ver essa jovem dando abraços e a reação das pessoas. Emocionante! Gosto dessas coisas assim fora do protocolo, quando se faz algo inesperado.Alguns sentem necessidade desse abraço. Eu sinto. Por isso que abraço todo mundo, até o carteiro!

As vezes também o inesperado não da certo, mas a gente tenta. Numa fila de Supermercado outro dia, eu vi um velho com uma cestinha cheia de coisas. Ele estava atras de mim. Então eu falei: "O Sr. pode passar na minha frente". Ele olhou para mim e disse: Por que? A Sra. acha que sou velho? Não sou não, eu consigo ficar de pé muito tempo. Pode ficar no seu lugar". (Risos). Tentei puxar conversa, mas o velhinho estava bravo.

Uma coisa que sempre faço, e deixar passar carros quando estou dirigindo. Se eh numa esquina, ou se alguem esta tentando sair da garagem, ou de um Restaurante, eu sempre paro meu carro e mando passar. Não é gostoso quando fazem isso com a gente? O que custa perder uns minutinhos?

Ah sabe, eu quero ser uma melhor pessoa. Com a idade a gente vai aprendendo que gostamos mais de dar do que de receber. Que o nosso amadurecimento nos faz passar por cima de muitas coisas.

Essa semana fui procurar aquele mesmo Asilo que eu fiz serviço voluntario. Vou começar lá em Fevereiro. Fiquei triste em ver que quase todos que conheci aquele tempo ja morreram. Como e bom poder dar alegria a pessoas mais velhas, que estão naquela idade que ninguém tem paciência de escuta-las. Quero ir la e abracar muito, sentir muito, dar muito. E olha, a gente aprende tanto! Aprende a exercitar a paciência, aprende muito ouvindo os velhos. Lembro-me da sensação tão boa quando eu saia de lá... eu me sentia tão recompensada.

Já tive momentos bem difíceis, mas nunca desisti.

Eu tenho uma paixão desmedida pela VIDA. Se um dia vocês souberem que morri, saibam que morri contrariada.

AMO VIVER!

*Mary Fioratti*
 
Eu tenho uma paixão por ser feliz

NO MEU QUARTO DE MULHER

 
NO MEU QUARTO DE MULHER
 
NO MEU QUARTO DE MULHER

no meu quarto de mulher
existe meu perfume preferido
minha escova de cabelo
meu creme de corpo
lingeries perfumadas
com sachês de sonho

no meu quarto de mulher
há na penumbra os meus desejos
em cada detalhe uma história
dos lençóis desarrumados
do travesseiro fora do lugar
uma essência da minha inocência

no meu quarto de mulher
guardo meus momentos
em cada canto da parede
são porta-retratos imaginários
onde fico a observá-los em silencio
sabendo-os de cór com meus olhos fechados

no meu quarto de mulher
há um rastro de ternura espalhado
no meu ursinho de pelúcia
um pedaco de crença
na bíblia que descansa
no meu criado mudo

no meu quarto de mulher
há o farol de nossos olhos
penetrando nos túneis de desejos
em noites de amor e de paixão
digitais gravadas em nossos corpos
em viagens intermináveis
com nossas bocas e as nossas mãos

*Mary Fioratti*
 
NO MEU QUARTO DE MULHER

SEGREDOS DE UMA MULHER

 
SEGREDOS DE UMA MULHER
 
SEGREDOS DE UMA MULHER

Quando encontrar uma mulher não tente entendê-la pelas suas frágeis palavras nem procure ler em seu ansioso olhar o que realmente vai em seu coração.
Desvende seus segredos de uma forma silenciosa e profunda, detenha-se em seus movimentos, na frágil comoção do seu olhar.
Observe o jeito que ela sonha ou sorri, perceba aquilo que ela não fala e algumas vezes faça de conta que não percebe quando ela se cala.
Deixe-a escolher suas roupas trocar de perfumes olhar-se nua no espelho e não pergunte se a roupa é nova.
Apenas acaricie-a com o olhar.
Deixe-a chorar assim de repente enxugando suas lágrimas com beijos, e toca seu corpo, dentro do decote, massageie seus seios, acendendo o desejo.
E quando ela mergulhar em seus olhos com aquele olhar de um trágico nunca mais, quando estender os braços umedecer os lábios e sua frágil figura se dobrar, puxe-a de encontro ao seu peito aceita seu silêncio e tente entender seus questionamentos.
Mergulhe os dedos em seus cabelos sedosos e se ela falar bem baixinho ouça seus queixumes tome suas mãos entre as suas sinta seu perfume.
Deixe-a levemente solta no espaço dê-lhe a liberdade do seu suspirar.
Depois...com carinho, emoldure-a com seus olhos e deixe-a sonhar.

*Mary Fioratti*
 
SEGREDOS DE UMA MULHER

Donald Trump, novo Presidente dos EUA - Minha honesta opinião

 
Donald Trump, novo Presidente dos EUA - Minha honesta  opinião
 
(ai estou eu com meu selinho de voto!)

Oi Pessoal!
Estou sumida desde ontem, uma porque tivemos um Seminario na nossa Empresa e tambem pela loucura da eleicao Americana.
Essa madrugada fui dormir as 4:30 da manha, ficamos ate o fim para ver quem era o Presidente! (to morrendo de sono! rs).

Para aqueles que se interessam por politica, gostaria de dar minha opiniao desse dia importante de ontem aqui nos Estados Unidos.

Trump foi eleito (votei para ele!) e nao creio que foi a pior escolha.
Diria assim que foi “a melhor de duas ruins”.

Hillary nao eh uma mulher confiavel.
Essa mulher eh mais falsa do que uma nota de 3 dolares. Mente, rouba, atraves da Fundacao do seu marido e “ex-presidente” Clinton vende seus discursos e fala o que a audiencia quer ouvir. Implantou o chamado “pay-to-play” como Secretaria do Estado que foi, vendendo “favores” a quem fizesse uma contribuicao para a fundacao do Clinton (ou melhor para o bolso dela).
Somente com Marrocos, essa fundacao fazendo "servicinhos" protegendo-os dos terroristas, ganharam 12 milhoes de dolares... (nao para a Fundacao, mas para o bolso deles).

Para voces entenderem, pensem assim, num Lula vestido de saia. Eh como o PT que vendia ate mesmo decreto de leis. Aqui eles vendiam favores do Departamento de Estado.
Os Democratas sao os PT daqui.

Acho que o Trump pode surpreender para o bem ou para o mal, mas eh preciso lhe dar essa oportunidade. E eu dei!

Entre seus planos esta cuidar mais dos EUA do que outros Paises, exigir que outros Paises se preocupem mais com suas proprias segurancas, fechar o muro com o Mexico, melhorar o plano Obamacare (Plano de saude criado pelo Obama).
Com a Nafta renegociar melhor acordos. Aumentar a exploracao de petroleo fazendo o pais mais autosuficiente, acabar com o papel de xerife do mundo, fortalecer as industrias locais, punir as empresas que pensam ou ja fizeram a mudanca de suas sedes para outros paises para nao pagarem os impostos locais e tantas outras coisas.

Ele nao eh um exemplo em sua vida (assim como Clinton como Presidente, tambem nao foi).
Mas tem seus meritos.
Como meu irmao disse:
“Só um político louco falaria o que os eleitores não querem ouvir. Se Trump falou coisas absurdas sob o ponto de vista humanista e econômico, isto quer dizer que uma parte significativa do povo americano pensa e quer o mesmo”

Pura verdade.
Pago para ver. Precisamos de uma mudanca radical.
Os anos de Obama precisam terminar logo.
Minha intuicao eh que o Trump, como empresario e sem ser ligado com politicagem, fara um otimo Governo. O tempo dirah.
Claro que podemos quebrar a cara, como aconteceu com o Obama.

Mas...eu quis apostar! Alias, os Estados Unidos inteiro! Foi uma surpresa geral, pois pelos polls feitos, a Hillary era a vitoriosa. Hoje foi uma festa geral, mesmo para os mais conservadores! E ateh Democratas nesse dia, viraram Republicanos!

Como diz meu marido: "Alea Jacta Est!"
(a sorte estah lancada!)

Abracos!

*Mary Fioratti*
 
Donald Trump, novo Presidente dos EUA - Minha honesta  opinião

RENDAS

 
RENDAS
 
R E N D A S

queria que você ousasse
descobrir o exato exalar de meu perfume
com a umidade de sua boca
entrelaçar suas mãos nas minhas
olhar-me nos olhos
sorrir com desejo
despir-me ao som de sua respiração
gaguejar nas palavras
tropeçar no meu coração
que me beijasse os cabelos em cascatas
a roçar minha nuca
e parasse para dizer bobagens no meu ouvido
enquanto sua lingua agressiva
procuraria dentro de minha boca
o céu dos meus sentidos
depois tocasse minhas rendas
tentando entender suas texturas
com delicadeza e com ternura
alternando seus movimentos
com suavidade...e extase...
como se estivesse descobrindo
o miolo de uma flor
alisando minhas acetinadas pétalas
tocando-as com a ponta dos seus dedos
deixando-as desabrochar
na terra fecunda do seu amor...

*Mary Fioratti*
 
RENDAS

Que as mãos se calem

 
Que as mãos se calem
 
Que as mãos se calem


que as mãos se calem
não procurando nas teclas
traduzir a dor
não façam cobranças
aluguem suas esperanças
para outro sofredor

que as mãos se calem
não insistindo nas mesmas teclas
mudas defeituosas e gastas
que não são nada mais
ou nada menos do que o vazio
da nossa própria existência

que o coração sempre comande
apesar de tudo
mas que as mãos se calem
a procura de palavras
que batem em paredes
num eco mudo

que as mãos se enrijeçam
e nunca mais procurem
no enlevo da dor
correrem pelo teclado
com tanto desespero
em um soneto de amor


*Mary Fioratti*
 
Que as mãos se calem

NUM INSTANTE

 
NUM INSTANTE
 
NUM INSTANTE

num instante tudo fica tão frágil
como aquela tênue linha no horizonte
que se delineia no vazio dos nossos olhos
aplica-se o mercurio-cromo na ferida aberta
coloca-se um band-aid
e tudo que desejamos ouvir
e a voz da nossa mãe:"isso não e nada, vai passar"

mas há coisas que passam na vida
que ficam por dentro por muitas eras
curtidas no amargor da tristeza
lembranças tristes como a sinfonia de Rachmaniov
mãos ternas acariciando os medos
um grito que vem de dentro e quase assusta
e é maior do que todo o silêncio

como um cego atravessando a avenida com sua bengala branca
como uma borboleta que perde a asa num voo rasante
como uma formiga fazendo seu caminho entre gente grande
carregando sua folhinha verde com dificuldade
e em seus olhinhos mostra o horror de ser pisada
ou quando o telefone toca no escuro da noite
e o farol reluz em uma faixa assustadora através da cortina

num instante tudo fica tão frágil
o amor grita e clama o desejo inconsciente
um espasmo no coração lembra-nos a fragilidade da vida
e as mãos se estendem em pedido mudo de clemência
mas o silêncio continua impenetrável
regendo a orquestra imaginária do medo
enquanto a esperança permanece incansável

*Mary Fioratti*
 
NUM INSTANTE

PARTILHA

 
PARTILHA
 
PARTILHA

tão difícil foi sair por aquela porta
quando o cigarro jazia no cinzeiro
e a fumaça fazia desenhos
entre seu rosto e a minha solidão
quando a garganta engasgava palavras
tentando achar caminhos entre o nada
no canto da sala, perto da janela
do lado do nosso abajur de juta
estavam empilhadas suas razões
todas misturadas entre a raiva e o amor
com letras garrafais de egoismo

num arroubo de loucura
coloquei-as em ordem alfabética
as minhas incertezas engoli com o resto do vinho
e sofrendo por tabela a tal saudade
na saida vomitei todos meus sonhos no tapete
levando a roupa do corpo

chovia aquele dia
não sei se lá fora
(ou em meu rosto)

*Mary Fioratti*
 
PARTILHA

UM CAFEZINHO E PAPO DESCONTRAIDO

 
UM CAFEZINHO E  PAPO DESCONTRAIDO
 
Quantas reflexoes fazemos no decorrer da nossa vida!
Quantas paisagens passam pelos nossos olhos, atraves da janela da vida...

Lembrei-me agora de um fato engracado quando falei em paisagem. Aqui em casa eu sempre dirijo mais depressa. Meu marido sempre vai mais devagar, ele gosta de apreciar a paisagem, e nunca tem pressa.
Entao quando minha filha era pequena, um dia eu a ouvi falando com uma amiguinha: "quando vou com minha mae para a escola, eu nao consigo ver a paisagem. Mas quando vou com meu pai, eu vejo cada arvore, cada esquilinho". (risos).

Voltando nas paisagens...
Todos os dias vemos tantas coisas diferentes, que quase nao notamos. Que a correria nao nos deixa perceber.

Essa semana sai de bicicleta pela primeira vez, desde o verao do ano passado. E quando passei por uma pracinha, vi um velho que o ano passado estava sempre ali, andando devagar, e depois sentava no banco.
Por um instante senti-me feliz em saber que ele estava vivo. E nem ao menos o conheco. Mas apenas uma antagonia a vida.
Tantas paisagens desaparecem de nossos olhos, tantas pessoas que vemos, nao temos a certeza que iremos ve-las outra vez...nao é assim a vida?

Um dia desses estava estudando uma reacao que tenho, que nao sei se e normal ao ser humano. Ou seja, nao digo normal, mas nao sei se e algo que todo ser humano sente. Voces podem me dizer.
A sensacao que tenho de levar um tombo, leva-me diretamente a infancia. A dependencia. Talvez a primeira coisa que venha na minha cabeca seja minha mae. Porque a mae sempre esta ali para amparar o filho.
Uma sensacao de impotencia diante de algo que nao temos controle. Fico no chao, com uma sensacao de "coitada" (risos), e com uma fragilidade que desconheco em mim.

Um dia fui consertar meu carro, e fiquei esperando no lobby. Havia uma porta de vidro na frente, e sentei-me bem perto, peguei uma revista. De repente eu olhei para fora, e vi uma senhora, rastejando em direcao a porta, toda ensanguentada. Eu, que sou uma patife, de primeira categoria, levantei-me, abri a porta, e a mulher me disse: "me ajude, eu cai!". A cabeca dela estava aberta perto da testa.
Todos que estavam na sala ficaram sentados - digo todos. Impressionante como o americano tem medo de se envolver nessas coisas.
A mulher deitou, e fui no banheiro pegar umas toalhas de papel, embebi em agua e fui la limpar o sangue de sua testa.
O dono da Agencia chamou o 911 (o maximo que um americano pode fazer numa hora dessas, sinceramente). Nao estou generalizando. Sei que que existem pessoas diferentes. Mas o que tenho visto sempre, é isso.
Mas a mulher, fragil, estava ali deitada e todos olhando-a como se ela estivesse contaminada.

Ela me pedia para limpar o sangue dos olhos dela, nao podia enxergar. Fiquei ali, limpando, e pensando na fragilidade do ser humano, quando isso acontece.
E a mesma fragilidade que sentimos ao estar num leito de Hospital. Com aquele camisolao, o que somos mais do que "um ser humano", sem vaidades, sem diferenca social?
A mulher me disse que seu filho estava la dentro, deixando o carro dele. Fui chama-lo.
A coisa mais engracada quando ele chegou. Olhou a mae deitada, (nem se abaixou) e disse: "Mae, o que voce fez?" Como se a mae tivesse sido culpada de ter caido.
Ela havia escorregado.
Chegou o 911 (servico realmente espetacular nos Estados Unidos!) e num instantinho ela ja estava acomodada e medicada prontinha para ir ao Hospital.

Depois disso, um policial me chamou perguntando quem poderia ser testemunha. Todo mundo sumiu. Dei minha carteira de motorista e respondi as perguntas dele.
Naquela mulher eu me enxerguei. E se fosse eu que estivesse ali deitada? Alguem me ajudaria?

Outro sentimento que estava lembrando hoje.
A reacao de cortar o dedo. Perceberam como todos viram meio criancas quando cortam um dedo?
Outro dia meu marido na cozinha cortando uma cebola, de repente virou-se para mim: "Cortei o dedo!".. Me olhou com uma expressao que havia cortado um braco! (risos).
- Onde tem band-aid?
Fiquei olhando para ele, que segurava o dedo, olhando no sangue que saia. Naquele momento o enxerguei-o assim como um menino de 7 anos de idade...
Por que essa sensacao que temos nessas pequenas coisas que nos acontecem, que nos fazem voltar a infancia?

Ontem conversando com uma amiga, estavamos falando que somente uma mae tem amor incondicional. So uma mae, consegue ter esse amor sem pedir nada em troca. Amor gratuito mesmo.
Por que nao podemos ser assim em relacao as pessoas? Um amor sem pedir em troca? Um amor dado assim de bandeja, de graca, sem expectativas?

Janela da vida...
Assim passam-se situacoes diante de nossos olhos todos os dias. Como se estivessemos viajando num trem. As paisagens se apresentam rapidas ou lentas diante de nossos olhos. E vamos a acompanha-las, como se estivessemos bebendo a paisagem, assimilando as coisas importantes.

Nessa minha volta de bicicleta, vi as mesmas flores nascendo, no jardim das mesmas casas... Vi brinquedos de criancas que o ano passado estavam no jardim. Vi os mesmos cachorros latindo quando passo (risos)...

O menino brincando no Parquinho (que sempre cruzo) como cresceu! Era pequenininho e agora ja estava grandinho... O ano passado a mae segurava sua maozinha. Este ano, ele ia correndo pela grama, com uma liberdade, como se dissesse: "mae, nao preciso da sua mao, posso ir sozinho!".

Nao sao assim nossos filhos?
Hoje a minha filha com 25 anos, olha para mim e leio em seu olhar: "Mae, nao preciso mais de voce. Estou pronta para o voo".
Quanta inocencia nesse pensamento! Ela sempre precisa de mim quando seu voo é rasante. E eu sempre estou aqui!

Hoje olhei no meu jardim, e vi a mesma flor do ano passado...
Foi presente de minha ex-chefe da Eagle. Na minha cabeca, passou-se "o filme" do dia em que ela me presenteou.

Assim é a vida. Uma sucessao de lembrancas, de emocoes, de experiencias.
E dentro de nos vamos sempre assimilando, guardando na nossa caixinha de emocoes, tudo aquilo que nos é importante.

E a janela da vida sempre nos mostra paisagens novas. Muitas vezes sao as velhas...mas tudo depende do modo que a olhamos...

*Mary Fioratti*



Desculpem a falta de acentos! Meu teclado nao tem! Alguns eu vou copio e colo, mas nao tenho paciencia!
 
UM CAFEZINHO E  PAPO DESCONTRAIDO

NO SILÊNCIO DA NOITE

 
NO SILÊNCIO DA NOITE
 
NO SILÊNCIO DA NOITE

no silêncio da noite
existe o som do amor a ecoar em nossos ouvidos
a delicadeza da caricia insinuada
os olhares carentes e incandescentes
e a dança de nossos corpos
pinta-se em desenhos na penumbra do quarto

as respirações entrecortadas
entre beijos molhados e infinitos
quando as bocas não se desgrudam
e as línguas buscam o sumo do amor
enquanto as mãos são todas caricias

existe o arrepio do prazer no toque súbito
a surpresa de um sorriso no intervalo do beijo
nos olhos que se buscam a pescar emoções
no suspirar doce do prazer conseguido
e no dar-se totalmente sem regras ou proibições

no silêncio da noite
existe a poesia sussurrada em gestos
e a voz rouca a soar nos ouvidos
existe o abraço que aconchega
e a ternura que toca os sentidos

*Mary Fioratti*
 
NO SILÊNCIO DA NOITE

NOSSO ENCONTRO

 
NOSSO ENCONTRO
 
NOSSO ENCONTRO

eu sonho assim o nosso encontro
um lugar qualquer marcado no tempo
vou me vestir de amor
e me perfumar de poesia
olharei pelo canto da janela
adivinhando seu vulto pelas esquinas
coração batendo alto...respiração entrecortada
e de repente a porta se abrirá
e eu verei sua figura tão amada, tão querida!
meus braços se abrirão acolhendo a sua cabeça
sentindo a pele de seu rosto com minhas mãos
fechando os olhos morrendo de emoção

eu sonho assim o nosso encontro
meus lábios esfregando-se suavemente em seu rosto
sentindo cada detalhe com meus olhos fechados
aspirando o perfume natural de sua pele
embebedando-me de seu existir
um beijo interminável molhado de emoções
uma loucura incontida em cada gesto
gemidos entrecortados de soluços
amor tão grande que não vai caber no peito

eu sonho assim...o nosso encontro
um silêncio cheio de palavras
nossos olhares presos pelas nossas íris
um mar de amor transbordando em nossos gestos
um ter que ir... e um querer ficar...
um soluço incontido...uma vontade de chorar...
nao querendo imaginar sua partida
recostar em seus braços, olhando o seu rosto
como se estivesse vendo
a ultima paisagem da minha vida

*Mary Fioratti*
 
NOSSO ENCONTRO

VESTIDA DE AMOR

 
VESTIDA DE AMOR
 
VESTIDA DE AMOR

sensiveis toques
onde morrem suas maos
num aconchego de delicias
o ziper escorrega
a blusa se abre
os seios movem-se
com a respiracao
mostro-me com pudor
enquanto seus olhos
me despem com amor

bendita seja
suas maos experientes
que me entorpecem
e seu olhar que derrama
em meu corpo
pura adrenalina

sei que voce sente
o tremor da minha pele
em cada curva
e a volupia lenta
de meus gestos

sensiveis toques
que quando se unem
incontrolaveis
despem o pudor
e o corpo entrega-se
vestindo-se nu
de amor

*Mary Fioratti*
 
VESTIDA DE AMOR