Poemas, frases e mensagens de Egnancio

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Egnancio

Simples pessoa, amante da escola e da aprendizagem

O Tocar

 
Tu me domas ferozmente, tens um
tocar faisca que, cria em mim um campo
magnetico!
 
O Tocar

Às Cegas

 
suspiros excitados
acompanham a aritmia
das temperaturas dilatadas dos nossos corpos
contemplados na fúria
deste momento d'euforia

às cegas
e
no tactear dos dedos dos pés
e
das mãos
encontram-se as nossas almas
já preparadas e fustigadas
no eclipse
formam uma hélice
de vozes e dos gemidos
deste momento exótico
e eufórico

agora, mais que nunca
eu, e tu, a sós
agrisalhados no prazer
nada pára à nós

deixe-me fazer
o que me prometeste ver
nesta noite, às cegas, tem de acontecer
e a satisfação vai chover....
 
Às Cegas

Quem Sou eu???

 
Quem sou eu???

Sou um Homem
Perdido na mágoa e na cegueira deste mundo
Sou uma flor que não brota
E que murcha sem água

Quem sou eu???
Sou a indignação triste
Que procura sobreviver
Num mundo cheio de parasitismo
E nem do meu rumo, sem saber
Pessoa insegura e sem leme para guiar

Quem Sou eu???
Sou um sofrimento mulambento
Na demanda de uma alimentação
Para acalmar o resmungar do estômago
Que atormenta o umbigo

Quem Sou eu???
Sou a coragem corrompida
E submersa a mil milhas no subsolo
Sou a imagem enfraquecida sem brilho
E camuflada em forma de desespero

Quem Sou eu???
Sou a voz silenciada
E censurada que fala pelos seus direitos
Direitos ditos em gritos de raiva e dor
Reivindicando pelos seus direitos
Direitos profanados sem misericórdia

Quem Sou eu???
Sou a lenda de uma verdadeira história
Sou os hábitos e costumes fragmentados
E a discórdia de uma memória apagada
Sou o distúrbio do saber sem saber

Que Sou eu????
Sou o menino da rua
Sem família, que dorme ao relento
Sou um velho mendigo
Que vagueia nas ruelas da cidade
Sem abrigo, sem caridade

Quem Sou eu???
Sou o trabalho árduo
Que recebe migalhas
Me deixando desanimado psicologicamente
Sou a multidão dos subúrbios
Que o país não coadjuva e nem ouve
Sou o politico malfeitor
Que desintegra e engana o povo
Sim, esse Sou Eu!!!
A Magia das Palavras
A Magia das Palavras
 
Quem Sou eu???

Dois Lugares

 
Me dá um bom gosto
Ir ao jardim pela manhã
Sentir o perfume das flores pela manhã
Não há algo tão solene
Quanto uma manhã cheirosa
Raios solares se reflectindo sobre a pele
Lembro-me das flores da primavera
Daquele colorido diverso entre as flores
Que deixa os meus olhos em degelo
Uma bela paisagem por mim já vista
De cores dispersas aos assentos
O brotar de cada flor
Chama as obreiras abelhas
Pousam nelas e tiram o pólen
Para o fabrico do precioso mel
Do jardim,
ao lado se ouvia suspiros das águas Era um riacho…
Um riacho das águas cristalinas
Caindo sobre as pedras
Que escorrem a uma velocidade do vento
São dois lugares do relaxamento E de repouso

A Magia das Palavras
 
Dois Lugares

As tuas dores

 
Fala-me do teu esfinge
O teu silêncio é um distúrbio indesmentível
Do teu ser indolente
Arregaçado nas rugas do teu rosto
Teus passos de aritmia
Te desobstruem de caminhar direito

Teu olhar entristecido
Roga um futuro enfraquecido
No cais da vida amedrontada
Gritos surdos saem da tua voz
Que ninguém ouve
Fazem do rio uma foz

Teu corpo empalidado
De pele desitratada
Nas vivências de amparo
Bengalam mil passos largos-curtos
Indigente, tens olhos engotados
Retratam a tua meninice
Que é indizível
Quem se contempla com a tua dor
Sabe da tua proeza
A Magia das Palavras
 
As tuas dores

Acróstico: Saudades

 
Somos um mundo
Amantes do amor
Unidos pela paixão
Dirigidos pelo afecto
Aterrorizados pela distância
Distância que não nos separa
Estamos longe um do outro
Somos a dor da saudade que não sara
A Magia das Palavras
 
Acróstico: Saudades

Criança

 
Criança
Afável é o teu Ser
Lapidado no ventre da mãe
Tu és um Ser sereno e inocente
Um florido que não murcha
Eufórico quanto o teu sorriso
Enalteces o valor de quem
Por ti zela
Cativas a esperança da nação
Embalada em nossos ‘’coração’’
O teu advento à terra
É uma euforia inalienável
Ooohhhh! Criança

A Magia das Palavras
 
Criança

Impossivel Ter-te

 
Em meu silêncio solitário
Penso em minha vida bruta
penso de como seria bonita
Se ao meu lado estivesses tu
À primeira vista tomaste-me
tomaste-me quando ví
um brilho solto do teu olhar
Quando perto chegaste
Deste fraco ser, te apoderaste
Às vezes incomoda-me
Ter que viver com este desejo
De querer estar ao teu lado
E me inundar nos braços teus
Sem chances, continuo a desejar
Sou um Ser, tenho a minha imperfeição
Da minha imperfeição
Centrei-te o meu mundo
No qual tudo girava à tua volta
Sem que eu me desse conta de mim mesmo
Pois a cegueira tapára-me a vista
Sinto-me confortável quando comigo falas
As tuas palavras, o som da tua fala melódica
a tua respiração, a tua expressão corporal
São as coisas que reavivam o meu astral
Mas enfim, a vida nunca é estreita
E nem o que desejamos dá certo

A Magia das Palavras
 
Impossivel Ter-te

Cicatrizes!!!!

 
Oriundo de uma pátria tradicional,
globalizada pela tradição
cercada de valores culturais e étnicos
Colonizado, censurado, condenado
Obrigado a fazer trabalhos abraçais
na minha própria pátria
Chicoteado caso não obedeça
Colonizado mentalmente e esforçado
a estudar as culturas estrangeiras
A minha difamada, espezinhada e escondida
no subsolo, feito um difundo...
A minha identidade denegrida, etnia manchada
Pais meus vendidos e transportados em grandes navios
para o estrangeiro em navios negreiros
para trabalharem arduamente sem descanso
Mães, solitárias ficam
Indefesas e sujeitas a qualquer mal
Depois chamam-me de selvagem
Pois é , é da selva onde procuraste a tua riqueza
O que fizeste comigo está tatuado na alma
grudado no coração e intacto na garganta
E nem tem preço que possas pagar
levo a cicatriz até o ultimo suspiro...
não me vou vingar
apenas saiba quero que saiba
sou gente como tu
sou de sangue, sou de osso tanto quanto tu
A Magia das Palavras
 
Cicatrizes!!!!

Fragmentos do Pensamento

 
Sinto-me invocado pelos dissabores da vida
Inibido de caminhar numa estreita estrada
Sou mais um túmulo perdido
Nas barbaridades da vida
Por mais que respire e grite pela liberdade
Sou apenas um presunto
Impotente nas saliências do pensamento
Devaneio gradativamente num mundo imaginário
Das artimanhas da vida
A meu ver, a vida é um sacrilégio
De castelo dos sonhos extrínsecos
Remoto dos neurónios intrínsecos
Tenciono deslindar este esfinge
De uma dor que desatina
Asfixio a minha aflição no sossego
Sou apenas um ser na demanda da concórdia
Que me não é legada francamente
A vida, dos sonhos, é uma discórdia
Que me pasma desesperadamenteA Magia das Palavras
 
Fragmentos do Pensamento

A Magia das Lembrancas

 
Quando nada mais me resta
Sento-me e curvo-me diante da lua
Aí...penso em ti
A noite reaviva as lembranças
Contigo tidas...
O esplendor do teu sorriso
Embriagando o brilho da lua
Ao nevar da solidão do outono
Lembro-me de quando era dono...
Dono do teu ser
Como gostaria de voltar ao tempo
Tuas mãos suáveis e doces
Aquecendo-me em noites de inverno

Noites de núpcias e cheias de prazer
A cada olhar teu
Via a realeza da tua beleza
De um vento sombrio
Ouvia a suavidade da tua voz
Enquanto observo as estrelas
Em meu coração repousas
Contemplo os meus dias tristes
Através de lembranças calorosas
E viajo em meus pensamentos
Cheios de saudades e lembranças
A Magia das Palavras

Inspirei-me ao ver uma bela noite calma e ai decidi escrever esta
 
A Magia das Lembrancas

És o Meu Sossego

 
Eu vivo do teu olhar
Tua presença é o meu sossego
Tua ausência é o meu desespero
Em noites frias pelo teu calor eu espero
Ao teu lado encontro a minha calma
Tu és o brilho que ilumina a minha alma
Tu és a estrela mais brilhante do céu
Teu amor neste mundo é o meu troféu
Tu és a rainha e eu, o teu império
Teu tocar desvenda todo meu mistério
Não passa hora, minuto e nem segundo
sem pensar em ti
Não penso em viver sem ti
Oiça a voz de quem te chama
Sou aquele homem que apaga a tua chama
Nos teus beijos encontro o meu ‘’eu’’
Nos teus mimos descubro que sou teu
Então tu és o meu sossego
Os teus braços são o meu abrigo
Tu és o meu sossego
Aquela mulher que esperava
Em meus sonhos com quem sonhava
Teu sorriso alegra o meu dia
Sem ti não sei o que de mim seria
A Magia das Palavras
 
És o Meu Sossego

Possua-me

 
Possua-me insaciavelmente
Toma-me robustamente
Controlando sentidos meus
Coloca-me na tua jaula
Da qual não me apetecerá libertar

Domina-me tacticamente
Quero ser o teu refém
Derrete-me i inunde o meu coração
No teu fogo de prazer
Que deixa o meu corpo viscoso

Asfixia-me pela tua indelicadeza
Que se alimenta da minha fraqueza
Conduza-me às tuas loucuras endemoninhadas

Integra-me na tua negra magia
Propale o teu veneno adocicado em mim
Que dele me contenho
Possua-me infinitamente

A Magia das Palavras

Egnancio Mboene
 
Possua-me

Não Me Quero Acordar

 
Sonho comigo mesmo às escondidas
Ao lado de uma bela jovem
Aprimoro mentalmente a imaginação
Dos mais belos sonhos não me quero acordar
O sonho tem uma aparência da ilusão real
Incorporo prazeres carnais através de um sonho factual
Navego livremente nas encostas daquela mulher
Que um dia me apetece amar
A empatia de querer estar no percurso deste sonho é forte
Não me quero acordar
A Magia das Palavras
 
Não Me Quero Acordar

És...

 
És...

És o meu néctar venenoso
És a minha seca sede
Que me pasma cegamente
Sem ver, me ascende
Sou mais um obstáculo do teu ser
Que mais te quer ver
Acorrentada na felicidade
És o fôlego do meu suspirar
Quando longe te sinto
És o meu oco pensamento
Inibido de outros pensares
A não ser que pense em ti
És a minha saudade enraizada
Nas turbulências de um amor ausente
Sei, sou a mais de mais para ti
Mas sou mais um detalhe
Para o luzir do teu sorriso
A Magia das Palavras
 
És...

As Palavras

 
As Palavras
 
As palavras fluem naturalmente
Ao pensamento, surgem inconscientemente
À dança dos dedos são digitadas
Sem segredo, sem seguir a lógica
Exprimem o pensar do pensamento

Em um mar de letras
Elas se transformam em versos e poesias
Elas são a fonte de inspiração
Dos amantes da escrita poética
É supérfluo pensar nas palavras
Cuja raiz é tida nas veias do escritor
É a embriaguez das palavras
Integrada na sua morfologia
Sintonizada fonologicamente
Ensinada na ortografia do escrever

As palavras suspiram em forma de textos
Criando emoções à quem as lê
Por quê não fazer uma torta de palavras
Ou uma mistura delas
Ao sabor dos pensamentos
Sede é a sensação de quem vive delas
De quem as respira e as vê...

A Magia das Palavras
 
As Palavras

Cela!

 
Impurtunei a muitos
Humilhei, roubei e maltratei a vários
Tudo que estivesse ao meu alcance
Quebrava sem piedade e nem remorso

Pagão sou por não seguir
os ensinamentos bíblicos
Sou um demônio em pessoa
Endemoninhado até à morte
Hoje, sou um infeliz descontente
Pois a maldade possuiu-me

Encarcerado num quarto escuro
Vejo aos quadrados das grades um futuro
Reduzido a uma perpétua
E a uma gaiola de mágoa

Sozinho aos gemidos do frio
Suplico a minha própria sentença
Mas o castigo divino é insuplicável
Erguendo as mãos, abaixando a cabeça
Rezo pelo perdão de tudo que fiz
A todos que infernizei a vida
Hoje, vivo no meu sepulto
Minha cela, meu caixão

A Magia das Palavras
 
Cela!

Não Sei!!!

 
Eu não sei te quero
E nem sei se te espero
Se és a mulher que espero
Aquela que venero
Ficaste zangada comigo quando
Não te disse o que se passa comigo
Tenho este sentimento em mim
Que a cada dia está a florir
E nem sei se tenho que te mentir
Pois não sei se te mereço
Algo certo dentro de mim incomoda-me
No fechar dos olhos vejo sempre a tua imagem
Não me esqueço do teu beijo e da tua voz
Às vezes me pergunto se sou o mesmo
Pois nunca fui assim
Não sei se me precipito ao contar-te isto
Mas uma coisa tenho que assumir
Gosto tanto de quanto a minha pessoa
Não sei se te entrego o meu mundo
Pois de sofrer tenho medo
Diante de ti fico mudo
Palavras não saem à toa
Apenas quero que saibas
Receio não fazer o certo
Não sei se sou perfeito para no teu tosto colocar um brilho
Hoje decidi expressar-me
Custe o que custar
Vale a pena tentar
A Magia das Palavras
 
Não Sei!!!

Versos a uma Princesa

 
O que sinto por ti
É uma paixão irresistível
Que inflama intensamente o meu coração
Não sei se sou gente sem ti

A tua sensualidade está mais evidente
Que a própria natureza
És a inspiração do meu Ser indolente
Mais que a minha nobreza
É incomum a tua beleza

Dou o meu trono a ti
Para estar nos teus comandos
Doma-me a mim
E faça de mim o teu servo-escravo
Pois só obedeço a ti

Eis me aqui, de alma e corpo para serví-la
Tens uma sedução contagiante
Que me deixa imune e inerte
És o ritmo da minha acapela

Diante de ti fico perplexo
Em ti, vejo o meu reflexo
O teu corpo é brilhante quanto os teus olhos
Retratando a tua contagiosa sedução
Mais diabólica que a maldição
És uma ovardose irrevogável
E uma sede insaciável
 
Versos a uma Princesa

Descrevendo a tua Beleza

 
Descrevendo a tua Beleza
 
 
Descrevendo a tua Beleza

A tua beleza me espanta
O teu ser me encanta
Tu és o principio do meu ser
Sem ti, não sou o meu ser
A tua linguagem corporal
Compacta sentidos meus
As tuas mãos em meu corpo
Arrepiam-no e tornam-no em degelo
Os teus olhos cristais
Conjugados com os teus lábios sensuais
Complementam a tua beleza
A Magia das Palavras
 
Descrevendo a tua Beleza

Egnancio Mboene