Poemas, frases e mensagens de camelodasquintas

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de camelodasquintas

Amiga...

 
Amiga de ajudar o seu semelhante

Vive oculta e muito distante

De todos os poetas é amante

Adorada e protegida como diamante

A todos nós deu uma chance

No seu site escrevermos um romance

Eu sou um simples poeta popular

Que ainda agora começou a caminhar

As palavras certas não consigo encontrar

Para exprimir toda minha gratidão

Que vai dentro do meu coração

Pela chance que me deu de no seu mundo entrar.
 
Amiga...

Minha Aldeia

 
Pequena aldeia de Trás-os-Montes
Do concelho de Mogadouro
Longe de modernos horizontes
Perto das margens do Rio Douro

Aldeia que me viu nascer
E começar a caminhar
Onde dava gosto viver
E nos riachos me banhar

Tanta saudade eu sinto
De lá andar a brincar
Ás vezes levava com o cinto
Se não ouvia o meu pai chamar

A minha Quinta-das-Quebradas
Aldeia por mim muito amada
Na escola levava reguadas
Quando não sabia a tabuada

Quinta de baixo e Quinta de cima
Um ribeiro as dividia ao meio
Os homens trabalhavam na mina
As mulheres ceifavam o centeio

Bela e pequena aldeia do norte
De onde saí com tenrra idade
Para ir à procura da sorte
Trabalhar na grande cidade

Em Trás-os-Montes ficam no nordeste
As minhas Quintas-das-Quebradas
Obrigado por tudo o que me deste
Pelo S. Miguel estão bem guardadas

Todos os filhos das Quintas
Têm veia de poetas e escritores
Às vezes estão-se nas tintas
Para aqueles que são doutores


camelodasquintas.
 
Minha Aldeia

Alegria e Tristeza

 
Sinto a necessidade de escrever

E a todos a minha poesia contar

Alegria por um filho nascer

E a tristeza de o ver chorar

Sinto a pobreza de um povo

Que pela guerra torturado

Sonha com um mundo novo

E a vontade de ser amado

Sinto a falta da minha Mãe

Que tantas saudades me deixou

Alegria por aquele que a tem

E do carinho com que me amou

Sinto tristeza pela dor

E de quem não tem abrigo

Dos que vivem sem amor

E daqueles que riem do que digo
 
Alegria e Tristeza

Confissão

 
Não sou um poeta nobre
Escrevo para quem quiser ler
O meu vocabulário è pobre
Dou alguns erros a escrever

Fiquei sem hipótese de estudar
Não foi por falta de vocação
Muito jovem comecei a trabalhar
Para em minha casa se comer pão

Para a cidade tive que partir
Era ainda uma criança
Dos abutres tive que fugir
Durante a minha infacia
 
Confissão

Terrorismo um mal sem cura

 
De sul a norte eu o condeno à Morte
Matar pessoas inocentes
Ao sofrimento das crianças
Ficarem indiferentes
Terrorismo um mal da actual Sociedade
Em que vivemos
Ao serviço dos abutres do poder
Mesmo se não o queremos
Com ele temos que viver
Em cada esquina o terror nos espreita
Sejam os governantes
Da esquerda ou da direita
A ganancia do poder
Leva à destruição do planeta
Que não para de sofrer
As consequencias do terrorismo
Seja em nome de um qualquer Profeta
Ou governante ávido de vingança
Para quem o sofrimento de vidas inocentes
Não tem qualquer importancia
Mas sim as promessas feitas de uma aliança.
Não podemos deixar de acreditar
Que o bom senso dos Homens prevalecerá
Entao sim haverá paz no Mundo
E os povos inocentes viverao felizes e deixarao de sofrer
Por culpa daqueles que vivem obsecados pela ganancia do Poder.
 
Terrorismo um mal sem cura

O teu corpo é como um Rio

 
Os teus olhos são uma

Fonte

Tuas lágrimas elexir do

Amor

Teu rosto a minha

Ponte

Tua boca uma

Flor

Teu corpo é um

Rio

Que corre na minha

Mente

Onde nos dias de

Frio

Mergulho na sua água

Quente

Somos o barco do

Amor

Que deriva ao sabor dos

Ventos

A nossa felicidade uma

Flor

Sobrevivendo ao longo dos

Tempos...
 
O teu corpo é como um Rio

O Homem da Bengala

 
De samarra sobre os ombros

Na cabeça um chapéu ou boné caminhando pelos

Caminhos de terra sempre a pé

Filho de gente muito pobre

Mas de coração rico e nobre

Com um olhar terno e bélo

Moleiro por herança era conhecido por o Camélo

Na aldeia que o viu nascer onde muitos anos antes

Seu pai e seu avô nasceram também

Em noites de lua cheia

Á luz do luar o centeio e trigo tinha que cribar

Para ao romper da aurora se pôr a caminho

Com a sua burra carregada em direcção ao seu moinho

Esta era a sua vida

Por vezes cansado de tanto a pé andar

Estafado parava para descansar e pensar

Que melhor vida aos seus filhos poderia dar

De sorriso bonito e aberto

Viveu e sofreu até Deus consigo o levar

Sem nunca o seu sofrimento demonstrar

Sempre de sorriso aberto e bélo

olhar vago e terno era o Camélo

Filho de gente pobre

Mas com o coração rico e nobre

Que nunca gemeu um ai

Camélo o meu Pai.

camelodasquintas.
 
O Homem da Bengala

A chuva cai...

 
Lá fora a chuva cai eu estou só
pensando que de mim este mundo não tem dó
só dentro destas quatro paredes
lá fora a chuva cai as minhas janelas têm redes
entre estas quatro paredes sozinho e moribundo
penso que não pertenço a este mundo
que me pôs dentro destas quatro paredes
onde as janelas têm redes
lá fora a chuva cai o dia chega ao fim
mais uma noite aqui fechado
o mundo não tem dó de mim
onde eu durmo acordado
estou só la fora a chuva cai...
 
A chuva cai...

Ternura e Amor

 
Com ternura vivo amo e sinto
Todos aqueles que vejo sofrer
Não posso não quero e não minto
Quando digo que sem ternura não sei viver
Quem não sabe o que é a falta de ternura
É feliz mas um pouco dela pode dar
Para isso basta um lar de idosos visitar
Há velhinhos que o seu olhar nos diz tudo
Têm ternura nos olhos cansados de tanto chorar
Alguns já só vêm o vulto e dão-nos um lindo sorriso mudo
A ternura nasce e vive dentro de nós mas precisa de sustento
Compreensão carinho e amor são o seu melhor alimento
Com o desprezo inveja e ciúme não tem entendimento
 
Ternura e Amor

Silencio de amor

 
Quando me olhas
Em silêncio tempo infinito
E os meus olhos percorrem
O teu corpo
Que as minhas mãos
Acariciam procurando
O conforto
Neste silêncio absoluto
Do nosso quarto
Quero-te amar
Adormecer contigo
E não mais acordar...
 
Silencio de amor

amor proíbido

 
Paixão antiga
Romance oculto
Amor escondido
Desejo proibído
Um ser frustrado
Vivendo com a dor
De um amor ocultado
Sofrendo pelo desejo
Da sua paixão revelar
O sonho proibído realizar
Despindo os preconceitos
Ao rio os atirar
E nos braços do seu amor
Se deixar flutuar.
 
amor proíbido

Amor e Caipirinha

 
Carnaval com erotismo e samba

Para um Homem nunca é de mais

Dança do ventre lambada e mamba

Tem que as saber dançar nos carnavais

Carnaval para o Homem tímido e com medo

A dança do mamba é a mais indicada

Se começa no samba de enredo

Vai acabar aos beijos dançando a lambada

O desinibido dança todo o samba

Bebe muita cerveja e caipirinha

Passa pelo enredo lambada e mamba

Acaba na dança do ventre com a rainha

Carnaval amor e caipirinha

É o que o Homem mais ama

Dançar o samba com a Rainha

E sonhar com ela na cama
 
Amor e Caipirinha

pecado de amor

 
Tu és o meu fruto proibido
A maçã mais brilhante
Um pecado muito apetecido
De um passado distante
Se o paraíso existe
Tu és Eva eu Adão
Que não resiste
Á tua sedução
Se amar-te é pecado
Eu sou um pobre pecador
Que deve ser perdoado
Os meus pecados são de amor.
 
pecado de amor

Farol do Amor

 
no cais de bruma eu estou
sentado num banco de
Nevoeiro
no alto do meu farol eu vejo-te
chegar como um manto branco de
Janeiro
estou só neste castelo de nuvens
brancas e negras faz-se silêncioAbsoluto
com todas as minhas forças contra
esta solidão queimando incenso eu
Luto
sinto-me como um guerreiro cansado
após a ultima batalha para defender sua
Dama
regressa ao seu castelo ferido e faminto
olha à sua volta cai exausto e grita por quem
Ama
ninguém me ouve estou só neste castelo de
nuvens brancas que vejo do alto do meu
Farol
esperando ver-te chegar com o teu manto branco
numa manhã qualquer chamando por mim ao nasccer
do Sol...

rak.nico!
 
Farol do Amor

O fenómeno Mulher

 
Mulher segredo.
é aquela em quem todos confiam e pedem
Para não contar nada a ninguém
Sai de casa imaginando-se um cofre forte
Encontra as amigas e não se contém
Mulher mistério.
é misteriosa em tudo aquilo que faz e diz
Pede segredo a todas as amigas
Daquilo que ouve e conta em seguida
Quando a descobrem
Faz-se inocente e ofendida
Mulher fenómeno.
é a menina
Que cresce em segredo
Faz do seu corpo um misterio
Não lhe tocam nem com um dedo
Só sai à rua depois de se maquilhar
Concorre a concursos de beleza
Fica em primeiro lugar
Põe os homens com a cabeça ás voltas
Quando a vêem desfilar
A sua vida não tem segredos
É capa de todas as revistas
As suas mãos já não têm dedos
Para contar as suas conquistas
Torna-se num objecto que vale milhões
Esquecendo-se de viver um amor
Os seus olhos só vêem cifrões
Posa nua com frio ou calor
Tem medo de envelhecer
Que mais ninguém se lembre dela
Acabamdo por a esquecer
Ficando só a sonhar
De quando era jovem e bela
Fazia os homens dançar
Ao som dos seus beijos
Para assim realizar
Os seus mais pequenos desejos...
 
 O fenómeno  Mulher

Cama sem Amor

 
Fama sem cama

Amor sen calor

Dormir sem pijama

À procura do amor

Sonhar sem dormir

Passar a noite acordado

De ti não quero fugir

Sem ser amado

O tempo vôa entre os dedos

Sem o conseguir parar

Confessa-me os teus segredos

Para depois te amar
 
Cama sem Amor

tu és o meu sol

 
Tu és a minha sede
Na tua mão vou beber
Os teus braços a minha rede
Que não me deixa sofrer
Tu és a minha fome
Na tua boca vou comer
Junto de ti me sinto homem
Que vive a vida com prazer
Tu és como um cais
Onde gosto de me amarrar
Se não sei para onde vais
sou um barco de papel perdido no mar
Tu és o meu sol de verão
O meu gelado à beira mar
Estendemos a toalha no chão
Deita-mo-nos e começamos a sonhar
 
tu és o meu sol

beijos doces

 
Com ternura me das o teu carinho
E o amor que vive dentro de ti
Comigo adormeces no nosso ninho
Como uma gatinha enrolas-te a mim
Demanhã acordas-me com doçura
Beijos doces quentes e silenciosos
A tua voz meiga aos meus ouvidos mormura
Sonhei de nós os dois sonhos amorosos...
 
beijos doces

Rimas de irmãos

 
Olá mano hoje para variar não vou rimar
estou com alma de poeta Vou deixar de ser pateta
rimar tem que se lhe diga mas não é grande fadiga
fadiga é ser poeta mas tem que se estar inspirado na hora certa
eu de poeta não tenho nada Estou sempre inspirado na hora errada
mas hoje levantei-me cedo e vou-te escrever um poema a meter-te medo
mas tu és fouto e já de pequenino subias ao choupo
que havia ao pé do nosso moinho quando eu e tu procurava-mos o ninho
para apanhar o passarinho
enquanto o pai moìa o centeio para nos fazer bem
mas hás vezes para nós tambem era duro quando deixava-mos fugir o burro
os anos passaram e hoje naquela terra já nem o nosso burro berra
tenho saudades daquela nossa alegria e até me vem a lágrima ao olho
quando a vejo em fotografia e quase me atrevo a dizer
que nela me apetece morrer
eu sei que tu me entendes e não me repreendes
já eras o meu irmão zé
ainda não te tinhas em pé...
 
Rimas de irmãos

o camelo

 
O camelo
diz para o lagarto
deste meu pêlo
estou farto
gostava de ter pele como tu
para aguentar este calor
qualquer dia saio todo nu
fico camaliao e mudo de côr
uso a lingua como chicote
apanho loiras e morenas
rásgo-lhe a roupa deixo-as em pelote
como faziam os romanos nas arenas.
 
o camelo

a beleza é supérfola!
a verdadeira os olhos não a vêm...