Poemas, frases e mensagens de EUCLIDES CAVACO

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de EUCLIDES CAVACO

FILHO DA NOITE - Fado

 
FILHO DA NOITE

Clique aqui para ouvir este fado:
http://www.euclidescavaco.com/Fados_E ... /Filho_da_Noite/index.htm

Dizem que o fado é filho
Da noite escura sem brilho
E mora num bairro antigo
Mas ninguém sabe a razão
Se foi destino ou condão
De ali procurar abrigo.

Só quando a noite acontece
E à média luz aparece
P’la guitarra acompanhado
Companheira que também
Imprime o valor que tem
Quando se exibe a seu lado.

E a quem na noite o procura
Encontra nele ternura
No seu silêncio e magia
Sem vaidade e recatado
É esta a estirpe do fado
Puro e cheio de nostalgia.

Teve berço português
Muito nosso mas talvez
Tem fulgente afinidade
É da noite filho errante
A guitarra é sua amante
E é irmão da saudade !…

Euclides Cavaco
 
FILHO DA NOITE   -   Fado

A VIDA

 
A V I D A

Procura viver a vida
Nesta passagem terrena
Com conta, peso e medida
P’ra que viver valha a pena...

A vida é um curto espaço
Deste infinito roteiro.
Uma proposta te faço
Vive a vida a tempo inteiro.

É tão breve a existência
Tenta fazê-la brilhar
Vive-a com inteligência
Sem nada desperdiçar ...

Faz da vida uma canção
E entoa-a com alegria
P’ra que o mundo em coesão
Cante a tua melodia !...

Vive em paz e sê afável
Preserva-a como um jardim
O que não é saudável
Apressa da vida o fim ...

Com toda a fragilidade
Mesmo assim a vida é bela
Preciso é que a humanidade
Saiba em perfeição vivê-la !...

Euclides Cavaco
 
A VIDA

ALMA DO FADO Poema declamado

 
ALMA DO FADO

Poema declamado
Sugiro que o ouça e veja aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Alma_do_Fado/index.htm

Fado...
Meu fado amigo
Fado triste e magoado
P’las tristes penas da vida.
Ai..quantos silêncios
Comungas comigo
Por às mágoas dares guarida
Na tua alma de fado...

Fado
Meu fado confidente
Dos momentos de solidão
Meu fado feito gente
Que sentes no peito
A dor e a agonia...
E com emoção
A transformas com teu jeito
Em suave melodia
Que mitigas docemente
Nos versos duma poeisa...

Fado
Meu refúgio e acolhimento
Que a alma sabes abrir
Para à angústia dares alento.
Fado que quero tanto
Por amenizares as penas
E as aceitares a sorrir
Tornando-as mais amenas
Na voz dum calado pranto...

Fado
Meu fado de alma pura
Tens comigo afinidade
Porque ao mais leve queixume
Entendes minha amargura
Moderas o seu negrume
E dás-lhe suavidade...
Com a tua singeleza
Penetras na minha essência
E juntos em voz coesa
Entoamos em cadência
O teu hino da amizade...

Fado...Fado meu
Peço que fiques aqui
Na vida sempre a meu lado
E dela sejas meu lema...
Ilumina meu caminho
E entende no meu poema
O meu canto magoado
Que sussura para ti
As minhas penas
Em fado !...

Euclides Cavaco
 
ALMA DO FADO    Poema declamado

ALFAMA VELHINHA Poema para FADO

 
ALFAMA VELHINHA
poema para fado

Aqui na velha Alfama antigamente
Reunia na noite a fadistada
À luz dum candeeiro já dormente
Cantavam até alta madrugada .

Vinham dos outros bairros fazer farra
Cantar em qualquer largo recatado
Trazendo alguns deles a guitarra
P’ra acompanhar na noite o velho fado.

O eco da voz rouca dum rufia
Ali em qualquer largo o povo chama
Apenas p’ra ouvir a melodia
Do fado que se cantava em Alfama.

O fado tal presença aqui marcou
Sem jamais esquecer o seu passado
E o fado para sempre aqui ficou
Porque inda hoje Alfama cheira a fado!...

Euclides Cavaco
 
ALFAMA VELHINHA  Poema para FADO

BRASIL E PORTUGAL

 
BRASIL E PORTUGAL

A vinte e dois de abril
Do ano mil e quinhentos
Foi descoberto o Brasil
Graças aos descobrimentos.

Pedro Álvares Cabral
Que a grande armada conduz
Descobre-o por Portugal
Chamando-lhe “Vera Cruz”.

Na história relatada
Por Pêro Vaz de Caminha
Há beleza retratada
Que o Brasil então já tinha.

E três séculos marcaram
A presença portuguesa
Onde muitos consumaram
Grande prestígio e riqueza.

Mas D. Pedro seu regente
Em gesto heróico se zanga
E o decreta independente
No Grito do Ipiranga !...

Desde então os dois países
Pela paz deram as mãos
Mantendo as fortes raízes
Entre dois Povos irmãos !...

Euclides Cavaco
 
BRASIL E PORTUGAL

FADO E SAUDADE - Poema declamado

 
FADO E SAUDADE
Poema declamado

Ouça aqui o poema declamado:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Fado_e_Saudade/index.htm
 
FADO E SAUDADE - Poema declamado

ALA DOS NAMORADOS

 
ALA DOS NAMORADOS

Veja aqui o poema formatado:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_ ... a_dos_Namorados/index.htm

Os campos de Aljubarrota,
Ficaram eternizados,
Pelo jovem heroísmo,
Da Ala dos Namorados.

Na vanguarda da batalha,
Levando à frente a bandeira,
Formam a ala direita,
De D. Nuno Álvares Pereira.

E a legião juvenil,
Veio unir-se ao Condestável,
Combatendo heróicamente,
Duma forma admirável.

E assim com toda a bravura,
Ganharam Aljubarrota,
Tendo as hostes castelhanas,
Sofrido grande derrota.

Esta vitória sem par,
Transbordou alta virtude,
Pela ajuda incontestável,
Da ala da juventude.

Pelo seu amor à Pátria,
Ficou gravada na história,
A Ala dos Namorados,
Com muita honra e glória.

Euclides Cavaco
 
ALA DOS NAMORADOS

ASAS DA POESIA

 
Asas da Poesia

Dedicado à Associação poética
Mensageiro da Poesia – Amora Portugal

Tu és da palavra o dono
Grafas poemas diversos
Tu és dos poetas trono
Onde se expõem seus versos.

Tu és campo, tu és prado
Onde a rima se extasia
Nesse solo onde o arado
Abre sulcos de poesia !...

Tu és rio onde navega
A vontade de dizer
Onde o poeta se entrega
À arte do seu saber !...

Tu és o caminho certo
Que à poesia dá sentido
Tal como é um livro aberto
À espera de ser lido !...

Tu és a voz que ressoa
Dos clarins da Alquimia
Que nas tuas asas voa
Mensageiro da Poesia!...

Euclides Cavaco
 
ASAS DA POESIA

APOCALIPSE Poema ilustrado

 
A P O C A L I P S E

Veja aqui o poema ilustrado:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_ ... ados/Apocalipse/index.htm

Terminou o século vinte
Com o Mundo em confusão
E entrámos no seguinte
Com a mesma apreensão.

Há na terra assaz mudança
Como jamais fora assim
Parece que o mundo avança
P’ro seu profético fim !...

Há crimes por toda a Terra
Há violência e terror
Nunca houve tanta guerra
E nem tanto malfeitor...

Mesmo a própria Natureza
Parece estar revoltada
Actuando com estranheza
E mal sincronizada !...

Há maremotos e sismos
E chuvas torrenciais
Furacões e cataclismos
São do fim, crentes sinais !...

O Apocalipse está
A cumprir as profecias
Avisos com que nos dá
Um sinal do fim dos dias !...

Euclides Cavaco
 
APOCALIPSE  Poema ilustrado

BERÇO DO FADO Poema declamado

 
BERÇO DO FADO

Poema declamado
para ouvir clique aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Berco_do_Fado/index.htm

Aqui
Pátria onde o fado nasceu
Este chão que é tambem meu
Por ser meu torrão natal.
Aqui
É a Terra desejada
Com amor p´lo mar beijada
É meu país...Portugal.

Aqui
É a minha Terra Mãe
Masjestosa, a que também
Tenho casta afinidade.
Aqui
Foi a Nação escolhida,
Onde o sentimento e vida
Doaram berço à saudade.

Aqui
Terra do engenho e arte
Que levou a toda a parte
A fé e os conhecimentos.
Aqui
Nasceram os marinheiros
Heróicos e pioneiros
Dos nossos descobrimentos.

Aqui
Solo de reis e senhores
Poetas e trovadores
E dum ditoso passsado.
Aqui
É enfim a Pátria Lusa
Onde a guitarra é a musa
Que dá vida e alma ao fado !...

Euclides Cavaco
 
BERÇO DO FADO  Poema declamado

AZINHAGA DA SAUDADE - Fado

 
AZINHAGA DA SAUDADE

Fado: pode ser ouvido em:
www.ecosdapoesia.com

Terna azinhaga velhinha
Mundo humilde mas rainha
Dos meus tempos de infância
Era estreitinha e dos lados
Os mais campestres silvados
Davam-lhe cor e fragrância.

O tempo tudo levou
E só memórias deixou
A marcar afinidade
Hoje dela nada existe
Minha alma amarga e triste
Chora-a com muita saudade.

Quando recordo a azinhaga
Meu ser todo se embriaga
Ao tanger tal lembrança
Num leve e doce sonhar
É quase como voltar
Aos meus tempos de criança !...

O fulgor que ficou dela
Visto da minha janela
É hoje simples imagem
Como um pedaço de vida
Em relíquia convertida
Do tempo apenas miragem !…

Euclides Cavaco
 
AZINHAGA DA SAUDADE - Fado

AMOR FEITO POESIA Poema declamado

 
AMOR FEITO POESIA

Poema declamado
ouça-o aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Amor_Feito_Poesia/index.htm

AMOR
É um conceito divino
É dimensão sem medida
É viagem sem destino
É melodia da vida...

AMOR
É um caminho sem fim
É não ter que perdoar
É não querer e dizer sim
É dar tudo o que há p'ra dar !…

AMOR
É voz da razão que cala
É ter dôr e não sentir
É o silêncio que fala
É ver o mundo sorrir...

AMOR
É sopro de nostalgia
É canção leve e suave
É das trevas fazer dia
É saber de quem não sabe.

AMOR
É bem mais que sentimento
É sussurro de magia
É da alma o alimento...
AMOR
É hoje aqui...Feito poesia !…

Euclides Cavaco
 
AMOR  FEITO  POESIA    Poema declamado

POR TI ... poema da semana declamado

 
POR TI

Poema declamado
para ouvir clique aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Por_Ti/index.htm

Por ti…
Rasguei do mundo os horizontes
E lavrei
Agras searas de paixão.
Por ti…
Corri vales, subi montes…
E sofri
De mil tormentos solidão.

Por ti…
Deixei de ser tudo o que era,
Para poder
Alcançar o amor teu.
Por ti…
Fiz do Inverno… Primavera
E consumava até
A tragédia de Romeu.

Por ti…
Deixei de ser rei do meu trono
E fui escravo submisso
Do teu querer.
Por ti…
Deixei meu ser ao abandono,
Pelo medo
De algum dia te perder.

Por ti…
Voltei de novo a ser menino,
Seguindo cegamente
Os teus anseios.
Por ti…
Fui constante peregrino,
Cruzando o teu caminho
Sem receios.

Por ti…
Espalhei círios para atear
As chamas do amor
Dos nossos beijos.
Por ti…
Foi sempre sim,
Sem hesitar…
À mais pequena voz
Dos teus desejos.

Euclides Cavaco
 
POR TI ...  poema da semana declamado

ARDINA DE LISBOA

 
ARDINA DE LISBOA

Pé descalço e calção roto
Imagem desse garoto
A quem chamamos ardina
Qu’em voz cantante apregoa
Pelas ruas de Lisboa
A imprensa matutina...

Ao romper da madrugada
De jornais cheia e pesada
Ao ombro põe a sacola
Num lesto desembaraço
Sem ter tempo nem espaço
Para os livros da escola.

E num desafio à vida
Trava esta luta atrevida
Por mercê do seu destino
Sem ter direito a brincar
Vê verdes anos passar
Sem chegar a ser menino.

Da pequena personagem
Ficou do tempo esta imagem
Que inda vejo em cada esquina
Hoje ao cantar este fado
Embargo a voz magoado
Porque eu também fui ardina !...

Euclides Cavaco
 
ARDINA DE LISBOA

BAIRROS DO FADO

 
BAIRROS DO FADO

Os restaurantes de Alfama
D’ambiente requintado
São atracção que nos chama
A grandes noites de fado.

O fado hoje é senhor
Com muito orgulho o exalto
É cantado com primor
Nas casas do Bairro Alto.

Tabernas da Mouraria
Já não há quem fale delas
Como eterna nostalgia
São do fado hoje aguarelas.

Nasceu Maria Severa
No Bairro da Madragoa
Do nosso fado fizera
Então canção de Lisboa !...

Euclides Cavaco
 
BAIRROS DO FADO

ABOMINÁVEL EXISTÊNCIA Poema declamado

 
ABOMINÁVEL EXISTÊNCIA
à memória dum amigo que partiu para sempre

Poema declamado
para ouvir clique aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas ... avel_Existencia/index.htm

Ó morte iníqua nada há que te resista
Quanto mistério há no teu vazio profundo
Perante ti se rende o rei e o cientista
E os poderosos deixam seu poder no mundo!

Funéria morte nunca avisas a chegada
E furtas sem perdão vidas à vida...
Véu de negrume desfazes sonhos em nada
Com insolência e perfídia desmedida!...

Lesta arrebatas sem idades escolher
Tua amargura nada há que a conforte
Nas curtas vidas que tu mal deixas viver.

Todo o que nasce já traz consigo tal sorte...
E nunca mesmo a alegria de nascer
É compensada com a tristeza da morte !...

Euclides Cavaco
 
ABOMINÁVEL       EXISTÊNCIA    Poema declamado

APARÊNCIAS Poema formatado

 
APARÊNCIAS

Veja aqui o poema formatado:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_ ... ados/Aparencias/index.htm

Há quem viva de aparências
Decerto para esconder
As malogradas tendências
Do que pretendiam ser !...

Alguns vestem de cordeiro
A pele, mas sendo lobo
Usam ardil matreiro
Só para enganar o povo!...

Outros são uns fingidores
Vestidos de fantasia
Como eternos impostores
Vivendo em hipocrisia !...

Vão mantendo em ilusão
O seu mundo de vaidade
Com a falsa pretensão
Logrando a sociedade...

As grandezas aparentes
Que não passam de fachadas
São o produto das mentes
Vazias e mal formadas !...

Nesse teatro de enganos
Sempre mal representados
As palmas, palcos e panos
São sonhos desmoronados !...

Euclides Cavaco
 
APARÊNCIAS  Poema formatado

ACRÓSTICO

 
ACRÓSTICO

Este meu leve soneto
Um cravo do meu jardim
Com ele aqui vos prometo
Legar-lhe algo sobre mim.

Invulgar mas tente lá
Decifrar sem que se perda
E diga , pois tudo está
Saliente na esquerda.

Cartorze versos somente
Ao sabor da pena eu digo
Vibrando suavemente ...

Assim vou se consigo
Com eles lhe apresente
O nome dum seu amigo !...

Suel Cid
 
ACRÓSTICO

BALADA DO TEMPO Poema formatado

 
BALADA DO TEMPO

Veja o poema formatado com um clique aqui:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_ ... Balada_do_Tempo/index.htm

O tempo passa tão breve,
Quase como um sonho leve,
Fugindo sempre veloz.
Sem nunca ter sintonia,
Sua profunda ironia,
Faz calar a nossa voz.

E marca de solidão,
A quem viveu e que não,
Da vida tomou partido…
Que o tempo deixou passar,
Sem sequer realizar,
Que viveu sem ter vivido !...

Sempre a correr apressado,
Nunca quis ter desvendado,
O lugar onde se esconde !…
Não revela os seus segredos
E escorrega-nos dos dedos,
Fugindo não sei p'ra onde…

Tempo ingrato e sem idade,
De eterna fugacidade,
Agitado e pertinaz,
Tudo em nada desvanece
E lesto desaparece,
Sem sequer olhar p'ra trás !…

Euclides Cavaco
 
BALADA DO TEMPO  Poema formatado

CATARINA

 
CATARINA

A nossa grande heroína
Que tocou a Pátria inteira
Era uma simples ceifeira
Que se chamou Catarina.

Triste foi a sua sina
Só por qu’rer trabalho e pão
Mataram sem ter razão
A infeliz Catarina.

Três tiros de carabina
No Monte do Olival
Marcam o lugar fatal
Onde tombou Catarina.

Maldita mão assassina
Crime hediondo de horror
A fúria dum ditador
Assassinou Catarina...

O Sol jamais ilumina
Esse pedaço de solo
Onde com um filho ao colo
Mataram a Catarina.

Seu nome entre outros culmina
Nas terras de Baleizão
P’ra toda a nossa Nação
Serás sempre a Catarina !...

Euclides Cavaco
 
CATARINA