Poemas, frases e mensagens de AFreire

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de AFreire

Nasci em Lisboa e tenho 23 anos. Por volta do ano de 2005 nasceu dentro de mim uma faceta poética. Na altura, talvez por vergonha ou timidez, dei um nome a essa faceta: António Freire.

Sem Rumo...

 
Sem rumo,
Completamente perdido.
É assim que me encontro.
Não tenho para onde ir,
Não tenho com quem estar,
Não tenho o que fazer,
Não tenho nada que realmente queira.

Tudo parece em vão,
Estudo, correndo o risco de falhar,
Vou, correndo o risco de não chegar,
Luto, correndo o risco de perder,
Amo-te, correndo o risco de chorar,
Mas faço-o,
Ou pelo menos tento...
Todos os esforços são constantes fracassos,
Desmotivações,
Mas continuo...
Até quando?

Já nada tem sentido
Não tenho o que gosto...
Vejo o meu futuro profissional por um cano
A minha vida perdeu a toda a sua cor,
E não sei o que fazer.

Mas cá continuo
Uma luz há-de acender-se
No meio deste apagão
Um dia terei aquilo que agora desejo
E esperemos não ser tarde demais

Eu cá continuo
Aguento com tudo,
Desprezo,
Desgostos,
Tudo e mais alguma coisa.
Porque,
Lá no fundo,
Acredito que pode mudar!
 
Sem Rumo...

As Lágrimas escorriam...

 
As lágrimas escorriam
E nada do que diziam
O poderia mudar
Até que um dia, quando não podia esperar
Tudo isto mudou
O meu mundo simplesmente parou.
Nunca pensei
que desta maneira fiquei
Mas olho para trás e vejo
O teu sorriso é o meu desejo!

Os teus olhos trazem a alegria
Que há muito pedia
Dás-me motivos para sorrir
E seguir sem desistir

Chegamos onde jamais pensaríamos chegar
E lutamos pelo que jamais pensaríamos lutar
Dissemos o que jamais pensaríamos dizer
E fizemos o que jamais pensaríamos fazer
Desejamos o que jamais pensaríamos desejar
E estivemos como jamais pensaríamos estar

Podemos à Lua não chegar
Podemos ir e não voltar
Os pés do chão já tirámos
Com isto, nunca sonhámos

Tudo isto para dizer
Que nada disto irei esquecer
Tudo isto para dizer
Que mais bons momentos iremos ter
Tudo isto para dizer
Que cada momento irei viver!
 
As Lágrimas escorriam...

Maldade

 
Continuas a achar que apenas o sinto por pura maldade
não chegas sequer a questionar porque o sinto
É mais facil achar que é crueldade,
Do que ser apenas o destino que tanto finto.

Pois bem, aqui tens o que me esta a passar
Não imaginas o quanto me custa não te ter a meu lado
Nem o quanto isso me faz chorar
Parece que vivo num mundo desabado

Mas eu continuo a aguentar
apesar de saber o que me vai acontecer
Serão dias passados a chorar
No meu quarto sem te ver

Mas é mais fácil ignorar
Do que tentar ver
É mais facil os olhos fechar
do que ver o outro, por nós, a sofrer

Mais te posso dizer,
A verdade é que sem ti não posso estar.
Neste quarto parece chover,
Com tanta lágrima que estou a chorar.
 
Maldade

Carta a uma amiga de longa data

 
Olá Claire,

Faz um tempo que não te escrevo, faz um tempo que não te vejo.
Hoje lembrei-me de ti de uma maneira diferente. Lembrei-me do que me dizias quando eu lutava pela perfeição que tanto busco. Sempre foste a minha eterna confidente e sabes, melhor do que ningúem, como eu gosto de ter tudo perfeito (ou perto disso).
Sabes, sinto-me bastante longe da perfeição que almejo. Tudo parece incompleto e eu não sei como as melhorar. A cada imperfeição, um pedaço de mim desaparece. A cada imperfeição, prego mais um prego no meu caixão. A cada imperfeição, questiono o sentido daquilo que busco e até que ponto estou no caminho certo.
Estarei eu destinado a encontrar esta perfeição? Será que o meu mundo continuará a perfeita imperfeição?
Sempre disseste que a minha vida seria feita de quedas e que eu teria de ter força para erguer a cabeça e continuar. Nunca me disseste que seria tão pouco recompensador.
Sei que também achas que sonho demasiado. Não é mentira. Todos os dias, antes de adormecer, imagino como gostaria que fosse o futuro. Imagino a casa, os vizinhos, a esposa, os carros e até o cão! Não lhes dou um rosto concreto mas, de facto, até aqui tudo tem de ser perfeito. Mais uma vez, sempre me disseste que isto seria possível e que teria, apenas, que não desistir. O que não me disseste é que não veria resultados imediatos.
Até que ponto esta eterna busca será apenas uma estrada sem fim? Até que ponto vale a pena lutar por algo impossível?

Claire, preciso da tua força, da tua garra, do teu optimismo. Preciso de chorar no teu colo e das tuas festas de reconforto.

Espero ver-te em breve.
Deste que nunca te esquecerá,
António
 
Carta a uma amiga de longa data

Até mais...

 
Não sei o que está a acontecer
Mas cada vez aumenta mais a dor
Tenho medo de te perder
Tenho receio de não conseguir
Alcançar aquilo por que mais lutei.
Sinto-me um falhado
Desisti de lutar.
Sabia que me ia magoar
Mas pensei,
Repensei
E aceitei
Que poderia ao menos tentar
Mesmo que me fosse queimar.
Mas para quê?
O resultado foi o que mais temia
A dor a voltar, e eu neste corredor
Com a falta do teu calor,
Com a saudade de um beijo teu
De sentir a tua pele macia
E de te segredar ao ouvido “adoro-te”.

Recordações…
Recordações e nada mais…
Boas, más, alegres, tristes…
Que fazem rir, chorar, chorar a rir…
Não sei…
Mas eu irei recordar
Todos aqueles momentos em que sorri
Todos aqueles em que chorei
Pois tudo deixou marca…
Ficou a cicatriz que não irá desaparecer
Mesmo que tudo tente
É tarde…
Muito tarde…

Já esperava este final
Lutei, lutei e lutei
“Fiz das tripas coração”
Quando já nada tinha solução
Nunca te deixei
Sempre te perdoei
Por mais magoado que pudesse estar
E para quê?
Não ligaste a nada do que disse
E agora?
Depois de tudo só nos resta uma amizade
Quando podíamos ter-nos.

Mas sem ressentimentos
Assim era...
Assim foi…
Assim será…
E se não tivesse sido?
Não sei responder….

Resta apenas isto: Foi bom!

Até mais, minha amada…
 
Até mais...

A hora está a chegar

 
Qualquer dia vou-me embora.
Faço as malas e desapareço
deixo tudo para trás
E parto.

Já o devia ter feito
há muitos anos devia ter ido
Partir em busca de algo melhor
Lutar pelo meu futuro

Abdiquei disso,
Por motivos que não são desconhecidos
Arrependo-me,
Quando vejo que já nada vale a pena.

Qualquer dia arrumo as malas,
Arrumo e vou-me embora
Sem regresso definido
Em busca de uma vida melhor.

Do outro lado haverá sofrimento
Encontrarei dificuldades
Mas hei de supera-las
Sem precisar de ninguém.
 
A hora está a chegar

Não sei lidar

 
Não sei lidar
Com tal atitude
Com o teu constante mudar.
Não consigo perceber a tua inquietude

Posso não ser lindo
Nem com quem tu sonhas
Posso não ser o teu escolhido
Mas num canto sentido quero que me ponhas

Gostava de saber
O que na tua cabeça se está a passar
Queria poder dizer
Que contigo gosto mesmo de estar,
Que contigo quero viver,
Que contigo iria viver
Sem muito pensar,
Que sem ti, estou a sofrer
Que contigo muita coisa poderá mudar

Por ti, este mundo correria
Só para te ver
Os quatro cantos visitaria
Só para te dizer
Que jamais te deixaria
Porque sem ti está dificil viver

És um borracho lindo
És a minha desejada
É de ti que tenho precisado
Na minha vida desencontrada

Dá-me a mão
E veremos
O que os Deuses nos farão
Por ai andaremos
E venha uma desilusão
Que se quiseres aguentaremos
Leva o meu coração
E felizes seremos
Durante esta paixão

Escrevi`há pouco tempo e não pensei muito, é aquilo que me vai na cabeça e "traduz" o que quero neste momento. Acho que a ideia está mais ou menos explicita mas contudo um pouco confusa.
 
Não sei lidar

Dá-me a tua mão!

 
Dá-me a tua mão!
 
Quero fugir...
Quero pegar na tua mão e correr
Partir rumo ao desconhecido,
Sem destino,
Só com partida...

Chega de pensar nos outros,
Pensar no que poderia ser,
No que foi ou no que será.
Pensemos em nós,
Está na altura da felicidade
Ser a nossa companheira de quarto.

Dá-me a tua mão
Vamos ver este país
Tejo, Douro, Guadiana,
Os mais belos rios que houverem
Porto, Guimarães, Braga,
As mais belas cidades que existam.

Tudo será belo,
Porque tu estáras comigo,
Juntos,
Só nós,
Um mundo a nossos pés...

"Let me take you far away..." (Scorpions - Holiday)
 
Dá-me a tua mão!

Recordações

 
Recordações,
Temos as boas e as más,
As que nos deixam a sorrir,
As que nos deixam a chorar.

Recordações,
Um monte de memórias,
Marcos do passado,
Alegrias dos tempos de então.

Recordações,
De amor ou de ódio,
de união ou de separação,
de nascimentos ou de mortes.

Recordações,
Apenas uma fotografia por revelar
Uma emoção impossível de descrever,
Um sentimento de uma vida.
 
Recordações

Mente vs Coração

 
Mente vs Coração
 
Minha mente, porque tanto me bloqueias?
Meu coração, porque tanto me trais?
Minha mente,
Meu coração,
Porque tanto se contrariam?

A minha mente diz-me para não pensar
Mas pensar é o que devo fazer
digo-lhe eu.
Ela não quer que pense em ti
e, isso, é legitimo.

O meu coração ordena-me que sinta falta
Mas eu não quero sentir a tua ausência.
Ele conseguiu levar a melhor...
desta vez, fez-me pensar sobre ti.

Os anos passam,
as contradições são mais que muitas.
Mas numa coisa eles concordam...
Fiz mal em ter escolhido este caminho.

Na minha mente serás uma má decisão,
No meu coração serás a tal.
 
Mente vs Coração

A dúvida

 
Não sei
O que se passa nessa cabeça.
Se por vezes sou tudo para ti,
Como tu és para mim,
Noutras sou apenas mais um.

Dou por mim preso
Numa constante inconsistencia
Provocada pela tua inconstante mudança.

Sou um preso diferente.
Choro por estar preso
Quando é isso que quero
Sou, talvez, tanto ou mais inconstante do que tu...
Mas esta minha variação
Não é por dúvida do que sinto,
É por dúvida do que tu sentes.

Não poderia isto tudo ser mais fácil?!
Partir rumo a uma nova vida,
Sem hesitar,
Sem olhar para trás...
Só nós,
Longe,
Uma nova vida...

Vens?
 
A dúvida

Coração

 
Coração
 
Tu,
Amor dos meus sonhos,
Calor da minha noite,
Dor do meu dia...

Apareceste por acaso
No meu sonho curioso
Nele, beijava-te
E mais um negava-te
Ao mesmo tempo que mais te beijava
Rejeitava
Mas não te largava.

Afastei o nosso amor
Para evitar sua dor
Não percebera a tristeza
Que de nós se apoderara
Desta que, de certeza
Seria uma bela história de amor.

Ontem caí na cama e pensei
Nunca com alguém assim sonhei
Nunca alguém assim desejei
E nunca, mas nunca, por isto passei.
E de ti, pouco sei.
Nem tão pouco sei o que sei.

Resta-me guardar-te
No mesmo sitio deixar-te
Já que é lá o teu lugar
Demasiadas pessoas poderemos magoar
Para o nosso amor não há lugar.

Resta-nos viver esta realidade
E tentar ter alguma felicidade
Mas deixa-me que te diga
Nos meus sonhos, serás sempre a tal rapariga....
 
Coração

Fracasso

 
O meu medo de fracassar supera o meu medo de morrer. Não consigo encarar a possibilidade de errar nem de "sofrer".
Sei que tens razão quando dizes que preciso de perder este medo e, podes não acreditar, mas eu também o quero. Gostava de acreditar que todas as possíveis lágrimas valeriam a pena, que todos os momentos mais sensíveis e tristes, seriam em prol de algo melhor no futuro. Infelizmente, sei que tens razão quando queres que pense assim.
Confesso que ando a esforçar-me para ser como queres, ando a tentar aceitar que tenho de errar e chorar um bocado para que consiga passar este vale da minha vida e, um dia destes, ver-me-ás a sorrir de novo, prometo. Não te esqueças que serás a grande responsável por esse sorriso.
Agradeço-te, profundamente, tudo o que fazes por mim, todo o teu esforço para que esta cabeça dura funcione, toda a paciência que tens tido ao longo dos anos. E espero, sinceramente, que um dia te consiga retribuir o bem que me fazes, a alegria e sorrisos que me dás.

:)

Obrigado S.
 
Fracasso

Cansei

 
Cansei,
Tudo pelo que lutei
Está a cair
Tudo o que pude construir
Está agora a derrocar
E não há muito que possa fazer para o evitar

Já esperava que isto fosse acontecer
Mas nunca pensei ter de o dizer
Está na hora de seguir
Para mais ninguém ferir
Está na hora da partida
E talvez um dia consiga
Os bons momentos recordar
E contigo voltar a estar

Sigo o meu caminho
Tal como havia chegado ao meu destino
Sozinho
Mas com mais carinho
Do que a ultima chegada
E com mais momentos para a longa caminhada

Para sempre ficará este local
Onde muito correu bem mas também mal
O sitio que não da para não recordar
Sem um sorriso expressar
E com uma lágrima a escorrer
Portanto te querer ter

Faço-me, então, ao mar
Mas em nós vou a pensar
Custa tudo deixar
Mas isto tem de mudar!
E quanto a ti…
Tudo senti
Mas parto com o sentimento de te amar
E que de ti sempre irei gostar.

21.5.2009
 
Cansei

Largaria o mundo

 
Largaria o mundo
 
Por ti,
Mudaria de vida
Praticamente sem hesitar
Bastava dizeres que sim.

Confesso, sou um sonhador
Tenho planos e sonhos,
Mesmo muitos,
Todos eles têm espaço para ti.

Quero mais do que tenho,
Mas menos do que me podes dar
Quero que me vás dando
Ao longo da vida saboreando.

Conta-me os teus sonhos,
Farei por os realizar
Diz-me os teus planos,
Deixas-me participar?

Diz que sim,
Basta dizeres "sim".
E eu dar-me-ei,
Sonhos concretizarei.
 
Largaria o mundo

Um dia de Poesia

 
I

Espero-te na esquina
Como se espera uma namorada
Espero uma amada
Um rosto que me fascina

II

Sou apenas um apaixonado
Que vive esperançado
De ser beijado
Por esses lábios há muito desejados

III

Porque quero-te
Como jamais quis alguém
Porque desejo-te
Como jamais desejei alguém
Porque me fascinas
Como jamais me fascinou alguem
E mais 1001 razões venham para justificar o porquê de te querer a meu lado, mas nenhuma tão forte como esta: PORQUE TE AMO COMO JAMAIS AMEI ALGUÉM

IV

Escrevo o que sinto
Porque não tenho coragem para to dizer
Que por dentro isto esta-me a moer
Este sentimento tão profundo
E só te minto
Quando digo que não o sinto.

Amo-te como jamais amarei alguém

V

O teu sorriso ilumina o meu mundo
As tuas lágrimas despedaçam-me o coração
Não consigo resistir à tentação
Deste desejo tão profundo

Feito a pensar em alguem especial. Foi uma "partida" que durou um dia, foi enviado em 5 partes por mensagem em varias alturas do dia. Tem algumas partes de texto, numa tentativa de ser ligeiramente diferente.
O poema num todo nao faz muito sentido é certo, mas cada quadra funciona como um "mini-poema" ou pelo menos era essa a ideia. Decidi junta-lo todo pois foi enviado num dia sempre apra a mesma pessoa.

Espero que gostem.
 
Um dia de Poesia

Adeus...

 
Adeus,
Chegou a hora de o dizer sem hesitar.
Adeus,
Não o quero fazer mas tem de ser.
Adeus,
Nunca irei esquecer os nossos momentos.
Adeus,
Algo como uma simples palavra, que tudo irá mudar.
Adeus,
Tem de ser dito.
Adeus,
Adeus,
Adeus.

Não sei porque,
Mas não consigo desistir
Quero ficar, mas tu obrigas-me a partir.
Sabes as minha intenções de ficar
Mas posso relembrar,
Quero te fazer feliz,
Fazer de nós o casal mais feliz que possas imaginar.
Mas ainda assim queres que vá...
Adeus.

Tudo parece tão precipitado,
Que nem acredito que o pondero fazer
Eu não quero!
Não posso desistir de algo porque tanto lutei,
Não quero desistir de algo porque tanto lutei,
Não vou desistir de algo porque tanto lutei!
Só tu importas, tu és o que mais desejo.
És tu que me deixas assim,
És tu que me deixa a sorrir,
És tu que me fazes chorar,
Mas acima de tudo, és tu que me fazes feliz!
Não o digas,
É algo que te pertence também...
Não digas, não digas sem antes tentares,
Não digas
Adeus...

E, com tudo isto,
As minhas ideias mudam
Eu quero ficar e aquilo dizer
Não hesitarei mais...
Não o digo,
Eu vou ficar, não te vou deixar
Eu vou-te amar, como nunca de amei
Eu vou lutar ainda mais do que lutei
E por agora...
Em vez de Adeus
Digo apenas,
Até Já!

Este é capaz de tar confuso mas foi uma descarga de ideias. Espero que gostem.
 
Adeus...

Acordar

 
Acordar
 
Sonho,
É isso que tu és,
Uma fonte do meu subconsciente
definido da cabeça aos pés.

Quero-te trazer
Para a minha realidade
Fazer-te transpirar de felicidade
E todo o dia te poder ver

Acompanhas-me todas as noites
E em todas me fazes correr montes
É só a ti que procuro
Não interessa o quanto durmo

Quando te encontro sou levado
Para a nossa casa, com a familia...
Juntos vivemos cada dia
Ate ao toque daquele alarme malvado

O dia nasceu
E o meu sonho acabou
Uma nova realidade começou
Todo o nosso sonho de perdeu

Quero dormir e não mais acordar
Quero que o meu sonho seja a minha realidade
Nem que dormir seja para a eternidade
Não te quero voltar a deixar!
 
Acordar

Regresso

 
 
Assim voltaste,
Agarraste-me e o teu amor demonstraste,
Havia algum tempo que não te via,
Há muito pensava que te perdia.

Foi numa noite quente,
Daquelas em que nem uma brisa se sente.
Eu ia andando pela estrada
Quando tu apareceste vinda daquela entrada.
E assim me cortaste o fôlego
Que dentro de mim reatou o fogo.

Beijaste-me,
E eu dei-te a mão
Segredaste-me,
E eu abri-te o meu coração.
Perguntaste-me,
E assim recuperamos a união.

O despertador tocou
Eram 10 da manhã
Este sonho acabou.
Espero rever-te amanhã...
 
Regresso

Teste de fé, pt.II

 
Claire,

Escrevo-te de um estado onde nunca pensei voltar a estar. De um desespero que não consigo mensurar, de um "sítio" que não sei onde fica.
Minha querida, como me arrependo de não te ter dado ouvidos. Estavas certa. Outra vez.
Avisaste-me que chegaria a uma altura que iria precisar deles e que não estariam cá. Avisaste-me que nessa altura iria entrar numa espiral com sentido descendente e que eles iriam apenas ficar a olhar enquanto eu me espatifava no chão... e que nem se importariam em suavizar-me a queda. Tinhas razão.
Voltei a precisar do apoio deles e não o recebi. Sinto-me perdido e eles nem se preocupam em tentar ajudar! Mas eu sempre os defendi, eu sempre tive lá para eles. Só precisavam de estalar os dedos e eu estava lá para ajudar. Custasse o que custasse. Implicasse o que implicasse. E, olha agora... o para-quedas não quer abrir e vou em direcção ao chão. E eles nem perdem o sono com isso...
Mais uma vez tinhas razão, Claire. Tinhas razão.

Mas tu conheces-me e sabes como isto vai acabar. A queda vai doer, mas em breve volto a escrever-te.

Adeus Claire.

Do sempre teu,
António
 
Teste de fé, pt.II

«O amor é forte como a morte e duro como o Inferno.»