Poemas, frases e mensagens de neturno

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de neturno

Espero q todos os poetas aki possam desfrutar de minhas obras. Retribuirei as visitas a mim feitas.

" Avesso do égo"

 
" Avesso do égo"
 
Há qualquer coisa de infinito em cada um de nós. Uma projeção de nossas possibilidades para o além de nossos próprios limites. A insatisfação com as barreiras de si mesmo...os limites do ser e da carne...a reverência compulsória...a fraqueza humana...

O projetar-se para fora de si mesmo é uma exigência tão forte, como falar as palavras aos ouvidos e ao coração de uma outra pessoa...

O discurso solitário denuncia a loucura pela incapacidade de comunicar-se. Queremos ir além dos nossos passos, tocar para lá da extensão de nossas mãos, ver o invisível, ouvir as insinuações do inevitável, sentir as palpitações da terra e o sabor do fogo em nossas entranhas...

Somos irremediavelmente exigentes.

A vida dentro da história é curta demais para conter nossa ânsia de amar...

Somos sempre para além de nós mesmos, sentimos a emoção de um olhar a amargura de um adeus, a amizade perdida. O momento eterno de um encontro. Coisas que ficam entre os dentes, por debaixo da língua, salivadas no silêncio, por não existirem palavras que possam traduzí-las...

Existe em cada um de nós, um corte profundo, um buraco no meio da alma. Nessa fenda não há sinais de sangue, apenas uma grande abertura em forma de círculo...

Há dor...mas não uma dor física como aquela provocada pelo vidro que penetra a carne...É uma dor forte, forte como a vergonha e funda como uma amizade recusada...

As vezes por um momento nos julgamos saciados pelo poder, pelo dinheiro ou pela glória...

O vazio se manifesta...

Só a água pode saciar a nossa sêde...só o alimento pode matar a nossa fome...só os outros podem nutrir a nossa indigência. Sozinhos somos a derrota orgulhosa, a vitória mentirosa...

Há esse ímpto de ir além, de ultrapassar as fronteiras, de conquistar o inacessível. Não só o que está por cima, mas sobre tudo, o que está na raíz. Desprogrando a vida de todos os artifícios...

A veracidade de si mesmo traduzida em dom. O reencontrar de si no outro...

Essa vontade mágica de fundir-se em tudo e em todos, operando a síntese de todos os rumos, a equação de todos os cálculos, vencidas as desistências que tornam o nosso próximo tão distante...

Esse pão, essa água e essa paz, tem um nome alegre, familiar e profundo chamado: AMOR...

O círculo aberto é a crença de que os pássaros são capazes de voar para fora dos rumos dos ventos. De que somos capazes de amar uns aos outros por uma simples entrega. Os pássaros são determinados por sua própria natureza...não teem opção, as pessoas porém, estão condenadas a serem livres, e a serem livres numa só direção...

Assim como o vôo se faz de Luz, de Vento, de Espaço...o Amor e a Vida se fazem em meditações concretas.
 
" Avesso do égo"

Estranho Caminho!

 
Estranho Caminho!
 
Longa é a estrada de pedras duras, com meio-fios ainda por construir.
Verdes matas ao redor, insetos, répteis e assombrações ao cair da noite.
A lua ao alto, aponta o meu caminho, o vendo rastejante corta meus lábios e cega minha visão.
A madrugada fria...A coruja empoleirada, com seu assobio afinado e tenebroso.
Gatos noturnos e procura de suas presas...Dentes afiados a espera da primeira mordida para matar sua fome intensa.
Gigantescas árvores que se transformam na escuridão, nos monstros de meus sonhos.
Sonhos coloridos...em preto em branco, nublados em noites tórreas.
Mas à frente, bem ali, o sol começa a se mostrar.
Não sinto mais frio...não sinto mais o vento...não ouço mais o assobio da coruja.Não vejo mais o felino, que já dorme, saciado de sua fome.
Sigo em frente, admirando o por do sol, que começa a iluminar o meu caminho.
 
Estranho Caminho!

Voltei!

 
Voltei!
 
Antes afastado de minha pena, pela secura de seu adeus,
Me senti órfão sem meus pergaminhos,
Que sozinhos choraram minha falta!
Voltei!
Não me permitiria abandonar o que melhor sei fazer!
Voltei!
Voltei por mim..voltei por você.
Minhas linhas invadem sua alma,
Eu sei!
Pois sei que meus pergaminhos me representam diante
Minha ausência e suprem o teu desejo de mim.
Voltei!
Voltei pra mim
Para o meu passado
Para o meu futuro
Pois meu presente se encontra preso em seu coração.
Voltei!
Voltei para nunca mais sair de mim!.
 
Voltei!

Justa injustiça!

 
Segui seus passos na trilha do destino
Me embrenhei no conturbado mundo dos sonhos
E gritei!
Um grito abafado
Silenciado por fim.
O uivar dos lobos famintos
me lembra os momentos hostis dos calabouços do terror.
Da vergonha do não poder ser o que se é.
Das torturas mascaradas pelo silencio e sorrisos falsos.
dos campos de concentração da fumaça branca
Anunciando um novo líder religioso.
Do banquete dos ricos e poderosos (dos Reis).
A fome dos miseráveis.
Das prisões lotadas de inocentes.
das togas dos magistrados
Julgando e condenando mais um.
Culpado?
Não. Um pobre, ou um negro, ou uma prostituta talvez.
Volto dos sonhos a trilha do destino.
Sento-me ao chão e choro.
Lamento pela dor de muitos e percebo que a minha dor
pequena diante de tantas lágrimas derramadas pelo mundo.
A minha dor é de saudade, que não se compara com a dor da injustiça.
 
Justa injustiça!

Sonhando acordado!

 
Quero sentir o sabor do desejo
Do desejo de estar com você
Quero sentir o sabor de seu beijo
Desses lábios rosados e perfeitos
Que Deus presenteou a você...

Quero olhar o horizonte
Sentado a beira do caminho
Esperando o momento certo
Momento eterno de paixão
Olhar dentro de seus olhos
E sentir as batidas de seu coração...

Sonho acordado
Um sonho eterno
Um sonho sonhado de fantasias mil
Na esperança de acordar no caminho
Caminho esse que nunca se viu...

O fim se volta ao meio
O meio transformado em fim
O inicio se misturado nada
Um nada que acaba em mim.
 
Sonhando acordado!

Matemática

 
Tenho você pela metade
Simplesmente pela metade.
Por mais que se faça ser inteiro...
Continuas sendo apenas o meio.
A outra parte se perdeu e nenhum
Esforço seu é feito para resgatá-lo

Não tenho dinheiro
Não posso levá-la a desfrutar
A visão do mar e assim possuí-la
De todas as formas
¼ da metade se vai ai.
Nos falta dinheiro
E com isso nos falta a vontade de dar
Continuidade ao que foi no início.
Sua liberdade me custa a cada dia 1/3
De minha vida,
Mas aceito, pois te amo
 
Matemática

Quem Dera!

 
Quem dera pudesse voltar a ser menino...dos pés sujos e descalços...da bola de gude...do pique - esconde.
Quem dera pudesse voltar a ser menino...da cara suja de doce...da roupa suja de lama...dos cabelos despenteados...do copo de leite ao dormir.
Tantas coisa eu seria se pudesse voltar a ser menino.
Tantas coisas eu faria se pudesse voltar a ser menino.
Uma coisa que com certeza eu não faria: crescer, mostra-me adulto e sentir o gosto amargo de não mais existir
 
Quem Dera!

Marginal

 
Marginal
 
Eu sou chamado aborto da sociedade, o escárnio, o lixo, o podre. Sou tudo aquilo que é desprezível e imundo. Sou um marginal, ladrão e assassino...Eu roubo, eu mato...Mas não pense que é porque eu quis assim. Não! Foram os homens que me fizeram assim, porque e nunca me aceitaram, nunca me compreenderam, sempre me acusaram mesmo antes de fazer o que faço agora...Os homens me fizeram alvo e me atiraram todas as coisas ruins existentes no mundo, sem dó, sem piedade... Agora eu sou acusado de fora da lei. Está dentro da lei não dar direito de trabalho a uma pessoa apenas pelo seu aspecto físico, sua cor? Está dentro da lei castrar as possibilidades de alguém, só porque esse alguém é de classe baixa? Isso está dentro da lei? Vou te contar parte de minha história...A primeira vez que roubei, foi porque tive fome. Pedi comida, mas ninguém queria dar comida a alguém que tinha o rosto sujo pela poeira das ruas...Foi isso que me levou a roubar. Roubava para satisfazer as minhas necessidades. Era roubar ou morrer de fome. Roubei a primeira vez, a segunda e a terceira. Ganhei uma arma para garantir a minha segurança. De comida passei a roubar dinheiro... É...Assalto a mão armada!...Invadia ônibus, rendia pessoas em becos escuros, até que um dia me vi encurralado pelos chamados homens da lei...Pelo chamados homens da lei!...Aí, o negócio é matar ou morrer. E eu matei, porra!...Matei a primeira pessoa que cruzou o meu caminho e agora mato todos que cruzarem. Não! Eu não queria matar! Mas eu precisei matar...Agora sou perseguido pelos crimes que cometi. Culpa minha ou dos homens que não me deram a chance de mostrar que poderia ser alguém? Eles não me deixaram mostrar que dentro de mim existia algo de bom.
Você já sabe quem sou, e então o que acha? Vamos diga! Quem é você? O que estou fazendo aqui? Eu não lhe disse que mato todos que cruzarem meu caminho?
 
Marginal

Sem Terra

 
Sem Terra
 
Quem sou eu?
Eu sou mais uma vítima do latifúndio...Sou um Sem terra. Você querendo eu te conto a minha história...Eu tinha minha terrinha, eu plantava, eu colhia. Da minha terrinha eu tirava o pão de cada dia, tirava o leite dos meus filhos e tirava a alegria de estar em contato direto com a natureza. Na minha terra eu plantava os sonhos de um mundo de paz e colhia os frutos com sabor de amor...Da minha terra, eu fecundava o solo com minhas próprias mãos e dele via nascer uma flor...Uma flor tão bonita, que sozinha já fazia primavera...Na minha terra eu vivia e gostava de viver. Mas alguém chegou. Alguém tomado de ambição, alguém que empunhava nas mãos armas de fogo. Enquanto eu empunhava minha flor...Tomou minha terra, queimou minha lavoura, expulsou minha família...Alguém chamado latifundiário, grileiro safado que só sabe roubar. Que mata por ambição e que quer tudo para si... O que eu não entendo, é que ninguém faz nada para acabar com isso. Todo mundo se omite...Será que o mundo é assim ou são os homens que o fazem assim? Será que ninguém vê que Deus deu o ar, o sol, as águas como bem natural a ser aproveitado pelo homem, ele deu também a terra, e que essa deve ser dividida? Será que ninguém vê que duas ou mais mãos unidas formam uma corrente que nada poderá arrebentar? Acho que não... E é isso que acontecerá com muitos outros o que aconteceu comigo. Muitas cabeças rolarão lutando pelo direito de ter aquela que agora lhe é roubada, que futuramente será seu leite...Eu tinha minha vida em paz, mas vieram me roubar o que era meu. Eu não cruzarei os braços nem ficarei vendo ir embora aquilo que eu ergui com o suor de meu rosto, não! Isso não!!...Lutarei até as minhas últimas forças, morrerei se preciso for, mas minha semente de luta ficará fecundada sobre essa terra que um dia foi minha. E essa semente brotará e ela se enraizará e terá fruto e esses frutos continuarão lutando pelo direito de viver e de irradiar vida, continuará lutando contra essas injustiças que são feitas pelos homens e para os homens... E esses frutos continuarão semeando a paz, o amor e a dividir o pão, mesmo com aquele que lhe tira a terra. Esses frutos continuarão fecundando o chão como um dia fecundei... Até que um dia a terra que me foi tomada será dividida e essa terra que foi minha morada, que fora meu leito, será agora também, o meu perdão.
Essa é a minha história, está satisfeito? Agora posso saber o que estou fazendo aqui? Quem é você? Porquê falei tudo isso? Que lugar é esse?
 
Sem Terra

MULHER

 
Mulher...
Quando pensamos em homenagear uma mulher, o primeiro pensamento que nos vem a mente é: MÃE, não que mãe não seja uma palavra bela, não, é muito mais que bela.
Mulher...
Quando olhamos para uma, o primeiro pensamento que nos vem a mente é: SEXO, não que sexo não seja bom, é bom demais.
Mulher...
Quando ouvimos a voz de uma mulher, o primeiro pensamento que nos vem a mente é: DINHEIRO, não que ele não faça parte de nós.
Mulher...
Palavra doce. Palavra que define o desejo de viver, a vontade de continuar vivo.
Mulher...
Sensível, guerreira. Sabe como ninguém levantar uma rocha do chão com apenas um toque.
Mulher...
Seus cabelos longos, curtos, loiros ou pretos, cacheados ou lisos.
Mulher...
Sorriso doce de luz. Choro de ausência na presença de quem se foi. Mãos fortes, seguras, capaz de perdoar o seu maior algoz e ainda continuar de pé.
Mulher...simplesmente mulher, do ontem, do amanhã, pois o hoje se faz presente.
De seu ventre surge a doce semente do amanhã. De seus lábios, palavras de atenção e cuidado, sempre com seu jeito protetora, de seus braços os abraços esperados, de seu coração e de sua alma, a esperança de que nada se fez e nada será feito sem a essência de uma MULHER.
 
MULHER

Podre sociedade!

 
Você nasce...você cresce, você vice! No decorrer de sua vida, você pensa, você fala, você age...sua imagem é consumida pelo fato de ser o que se é. Suas ideias são castradas, seus atos discriminados. Você é rejeitado apenas pelo fato de ser exceção em meio à regras...até que um dia você se encontra em frente a um tribunal...um tribunal do seu próprio ser social, que te julga e te condena por assumir o que é, e te esquece e te ignora por ir contra sua própria hipocrisia...então, em frete a esse tribunal, você é sentenciado a ser mais um tumor que deve ser extirpado.
Você não sai na rua para não dar mal exemplo. Você não bebe, não fuma, não cheira...porque a sociedade te condena. Você acha que todos os pedintes são ralé e não procura saber o por que. Mas você só não é como eles porque a sociedade condena. Você não olha para trás para não ver o que ficou. Não segura a mão da prostituta, porque a sociedade condena. Você nos acha perdidos, mas também não sabe o caminho, também não se importa com isso...só faz o que a sociedade ordena. Você não vai ao julgamento porquê segue a risca o sacramento. Mas nós sabemos nossa pena, pois somos tudo o que a sociedade condena. Mas se só uma vez você olhar para trás, verá como é recalcado...pois fez tudo que lhe ordenaram. Mas ainda lhe sobrou um pecado...você foi o mais prostiuído, o maior viciado, um marginal qualquer...só que foi tudo isso incubado.
 
Podre sociedade!

Amanhecer liberto!

 
Tua ausência é minha tormenta
Perturba meu sono e o meu jeito de ser
Tua ausência é a certeza do fim
Tua ausência...ausência.
Presença constante em mim
Vazio manifestado nas lembranças,
Nos sonhos, no passado.
O dia amanhece e com ele amanhece dentro de mim
A certeza de que já te esqueci.
 
Amanhecer liberto!

Andarilho Solitário!

 
Caminho por passos largos Em direção ao horizonte de mim
Numa busca incansável de meu interior.
Dessonhos sonhos ainda não sonhados
E me deparo com o invisível do ser!
Meu coração acelerado, marca o compasso de ir, pois o vir talvez não aconteça.
A estrada é longa, o tempo está sem tempo de ter...de ser... se tornou abstrato, numa moldura qualquer.
Com efeitos e defeitos, me contorço, e ao mesmo tempo torço para chegar ao fim do caminho.
 
Andarilho Solitário!

Arrependimento solitário!

 
Não me arrependo de tamanhas travessuras,
Do pular de cordas, das bolas de gude...
Das balas de caramelo, do palhaço do circo...
Não me arrependo do primeiro abraço
Do beijo no escuro, do elevador parado...
Das escadas dos edifícios, dos solar dos arranhásseis...
Não me arrependo de ter nascido,
Crescido...nem me arrependo de ser o que sou...
Não me arrependo de ter sido pai, avô, amigo.
O tempo não volta e se voltasse faria tudo de novo.
Mas arrepender de nada adiantará
Cresço dentro de mim e os arrependimentos se transformam em crescimento
E me sentindo assim, me fortaleço para continuar a entender o
Que não precisa ser entendido.
 
Arrependimento solitário!

Lágrimas de um poeta

 
Lágrimas de um poeta
 
Chora poeta
Não segure sua lágrima imortal
Mostre ao mundo que também sofre
Que também és igual.
Feito de carne e osso
Humano como qualquer um outro
Tendo apenas uma diferença
Pois não precisa pedir licença
Para invadir corações
Usa de suas emoções
E também nos fazem chorar.
Chora poeta
Lacrimeja em versos
No seu labirinto de letras
De formosura bela
Chora poeta de alma
Que escreve até no escuro
Ou mesmo a luz de vela.
Seus poemas nos comove e nos faz repensar
Muitas das vezes voltamos ao passado
Apenas lendo versos seus
E tentamos nos acertar
Chora poeta amigo
Nós também choramos contigo.
 
Lágrimas de um poeta

Incertezas!

 
Tanto são as buscas que nos confrontamos, que aumentam nossas incertezas.
Como o leito do rio, me sinto flutuar no córrego do desejo e me despejo no lago frio da escuridão.
O que importa se seus lábios dizem algo, que sua alma não ouve? O que importa se o seu sorriso é claro como a neve, se a fragrância de seu hálito já não é mais o mesmo?
Tanto são as incertezas que me embrulho em meu próprio pergaminho e guardo para mim, minhas escritas, na louca tentativa de descobrir o verdadeiro sentido da vida.
 
Incertezas!

Obrigado Senhor!

 
Quando criança, ainda me lembro
Que antes de deitar-me, ajoelhava aos pés da cama
E orava a Deus...
Pedia saúde, para meus pais...
Pedia para que meus irmãos nunca morressem antes de mim...
Pedia também a Deus, que todos os seres humanos, se respeitassem mais...
Que não houvesse guerras...
Que acabasse a fome no mundo.
Debaixo de minhas cobertas
E com meu rosto ainda sentindo o gosto do beijo de meus pais,
Me lembrava de cada pedido meu ao meu Deus.
Ah! Como me lembro de cada pedido.
Eu cresci...homem feito me tornei
E me dei conta que nesse tempo todo, eu só pedi.
Hoje, não cometo mais esse erro
E a toda hora, eu agradeço...agradeço e agradeço!
Agradeço a Deus por você existir em minha vida!
Obrigado Senhor!
 
Obrigado Senhor!

Em busca do horizonte de mim!

 
Em busca do horizonte de mim!
 
Por momentos, penso estar num outro planeta...numa outra esfera...num outro lugar! Viajo no horizonte da vida em busca de algo que nem mesmo eu sei, ou se sei, não sei.

Meu olhar distante, denuncia o intenso desejo de comunicar com o meu EU...

Ironia...talvez quem sabe?

Não me importo muito com o que está por detrás da porta...apenas me espelho no invisível de mim mesmo e tento apenas concentrar-me na visão que o horizonte me proporciona.
 
Em busca do horizonte de mim!

Sonho Real!

 
Sonho Real!
 
Não quero a complacência da desordem.
E sou líquido como líquido é o uniforme.
Antes fui gotas de mercúrio de termômetro quebrado.
Liquidez sem umidade.
A minha vontade é imortal...
Estou tentando abrir um túnel na rocha bruta pra chegar ao núcleo último da pessoa.
Não tenho enredo, sou fragmatário de lembranças de mim...
Eu me vejo em forma de conhecimento.
Espero viver sempre as vésperas, e, intensamente.
O presente só existe quando já é lembrança...
Não esquecer o hoje...é agora!
Não fazer nada...é uma grande ocupação, é como estar nos cosmos.
O tempo é o sentido das horas e da vida...o tempo é indefinível e a vida é muito rápida...quando se vê, já se chegou ao fim; e ainda por cima, somo obrigados a amar a Deus.
Eu não sei resumir minha filosofia de vida em palavras...Vida é desejo de se continuar vivendo, lembrar você é como criar raízes em plena bruma...bruma esta nascida dentro de mim.
Eu...é o refugio último e é nele que encontro a imagem de mim, só eu que me percebo e mesmo assim ainda insisto em ser irremediável.
Em todos os momentos, existe algo penetrante, cada um vive atordoadamente a própria vida.
A vida seria insuportável sem os sonhos, a realização está no próprio ato de sonhar.
É preciso ter garra para ir ao fundo da vida!
O silêncio é tal, que nem o pensamento pensa...O amor é uma arte, buscando uma realidade sonhada.
Penso e creio no sonho e vou ao encontro no que existe dentro dele.
 
Sonho Real!

Algemas da alma!

 
Algemas da alma!
 
Cai a noite, e com ela o silêncio!
Não um silêncio de vozes, de ruídos
Mas um silêncio de alma
Onde só quem sente percebe.
Não se ouve mais os barulhos do dia
A inquietação me incomoda, pois passo a pensar mais em você!
Corro para a rua e não me deparo com o nada
Apenas com o brilho das estrelas
E uma lua ofuscada por pequenas nuvens ao seu redor...
Tento me manter sóbrio, mas não da bebida ingerida no dia anterior
Mas ainda embriagado de amor e carinho.
Minhas mãos ainda trêmulas, tentam heroicamente segurar a pena
Pena que tantos rabiscos enfeitou meus pergaminhos
Esvaziando de dentro de mim essa angustia de não poder te tocar.
Meus gritos já não são ouvidos
Meu clamor...ah,meu clamor!
Me vejo só emparedado de solidão a tua espera...
Sempre a tua espera!
No rádio aquela música...
Uma simples canção
Letras primárias de um poeta igual
Com frases marcantes que nos causa um furor.
E o que adianta?
Deixo-me levar pelo silêncio
E embarco num só pensamento,
Esperar até o fim dos dias meus
O momento de poder dizer:As algemas de minha alma foram abertas pelo seu amor.
 
Algemas da alma!

Neturno....