Poemas, frases e mensagens de milenesarkis

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de milenesarkis

FOME DE CÉU

 
FOME DE CÉU
 
FOME DE CÉU
Milene Sarquissiano

Sedento de mim,
bebeu a noite na taça do meu corpo.
E embriagado de amor
viu estrelas no meu umbigo de lua cheia.

Não era sede...
era vontade de ficar nas nuvens...

Era fome de céu!
 
FOME DE CÉU

PROMESSA

 
PROMESSA

Vamos dormir bem juntinhos
No chão de uma praia qualquer
Fazer da areia cobertor e ninho
Que nos aqueça quando o frio vier

Ver estrelas durante os beijos
Mesmo que não estejam no céu
Corar a lua com nossos desejos
E adoçar o mar, com nosso mel

E antes do espreguiçar da aurora
Bocejar sonhos em conchinhas
Até que chegue o dia e a hora

De contarmos pelo mundo afora
Que no teu castelo, eu sou a rainha
E na tua vida, sou tua senhora

Milene Sarquissiano
 
PROMESSA

TSUNAMI

 
TSUNAMI
Milene Sarquissiano

Olha, seu moço
já virou rotina
esse papo de chacina.
Isso é coisa que eu ouço
desde os tempos de menina
quando eu era direita,
bonita, e moça feita.
Quando as vozes do morro
imploravam socorro
nos ouvidos surdos
dos homens mudos,
os chamados "doutores"
que faziam horrores
inclusive vistas grossas
pra certos assassinos.
E nas raras vezes
que entravam na favela
nos passavam em revista,
nos chamavam de cadelas
mandavam fechar a boca
e só abrir pra comer
o senhor sabe, o quê...

Olha, seu moço
nunca tive diamante
mas era ajeitada e limpa,
limpa por dentro e por fora,
era bonita e elegante
tinha mais dentes que agora
tinha motivos pra sorrir
e até uma cama pra cair.
Hoje só caio na real
sem direito a aviso prévio
sem direito a tropeçar
primeiro nos meus sonhos.

Tá difícil, seu moço...
Sem trabalho, dou trabalho.
É barra segurar a onda
quanto mais toda a maré.
Então vou morrendo em vida
afogada em tristezas,
afinal...
nadar contra a Tsunami, quem quer?
 
TSUNAMI

TÃO LUA...

 
TÃO LUA...
 
 
TÃO LUA...

NÓS

 
NÓS
 
 
NÓS

BLEFE

 
BLEFE
 
 
BLEFE

MUSA

 
MUSA
 
MUSA

Lua,
Me deixa ser teu céu
Pra que imensa
Eu te pertença
E tu me habites
Infinitamente...
Tua,
Me deixa ser teu universo
Posto que tu já és o meu
Eternizada musa
Nos meus miúdos versos

Milene Sarquissiano
 
MUSA

PRESENTE

 
PRESENTE
 
PRESENTE

Não passaste, tão pouco ficaste
Posto que és agora e presente
Doces lábios que nos meus tocaste
Açucaram mesmo quando ausente

Não há neblina, nem frio que faça
Nem os cristais dos pingos do sereno
Não há nada que esse amor desfaça
Nem a gota de qualquer veneno

Pois o calor da brasa da lareira
Arde intenso e sobremaneira
E queima até no forte do verão

E tua prenda espera faceira
A hora de se entregar inteira
Seja no inverno, ou noutra estação

Milene Sarquissiano
 
PRESENTE

EU,RIO

 
EU,RIO
 
EU, RIO
Milene Sarquissiano

Pelo sim e pelo não
Pelo certo e pelo errado

Pelo que havia pra ser vivido
E covardemente não se viveu

Pelo alimento em abundância
E pela falta constante do pão

Pela palavra mal proferida
E pela boca que emudeceu

Pelo amor descabido de alguns
E por não caber amor em muitos

Pela água que mata a sede
E pela sede incessante de matar

Pela inteligência que há no mundo
E pela burrice de não bem usá-la

Pela riqueza que veste a carne
E pela pobreza que despe o espírito

Pelo dito e pelo não dito
Dos meus olhos nascem rios...

E, enquanto rio
Eu não sorrio.
 
EU,RIO

ARES DE PRIMAVERA

 
ARES DE PRIMAVERA
Milene Sarquissiano

Manhã de setembro que sou,
venho com meu corpo primaveril
repleto de bem-me-queres
e impregnado de suavidades,
à procura do amor-perfeito.

Trago no hálito de alfazemas
o frescor virgem do beijo prometido,
e chovo na aridez da tua boca
pétalas molhadas de desejos.

Tua língua vira um canteiro
onde borboleteiam gemidos,
zonzos de tanta paixão.

Não se engane comigo:
- tenho ares de primavera
mas sou mais quente que o verão.
 
ARES DE PRIMAVERA

G.G.

 
G.G.
 
 
G.G.

À ESPERA

 
À ESPERA...

Guardo-te!
No hálito das manhãs
Impregnadas pelo teu cheiro
De cio, café e hortelã...
Guardo-te!
Nas dobras dos lençóis
Amarrotados pelos sonhos
Que escorregaram no cetim...
Guardo-te!
No teto da praia
Como a estrela mais brilhante
Que tinge o mar de purpurina...
Guardo-te!
Na lua de seresta
Que se debruça sobre o jardim
Inebriada pelo som da viola...
Guardo-te!
No caminho que faço chão
Como rota de felicidade
Mão única para o amor...
Guardo-te!
Na maciez de cada palavra
Que afaga o sal da lágrima
Ao ler-me musa da tua poesia...
Guardo-te!
Enquanto te aguardo...

Milene Sarquissiano
 
À ESPERA

MEDO!

 
MEDO!
 
MEDO!

Ouça!

O silêncio
Esparramado...
Transeunte absoluto
no vácuo...

Perdido!

Na dobra
... dos detalhes.
Habitando sombras!
Vestindo...
...silhuetas.
Escondido...
...nas gavetas!

Sinta!

O perfume de neon
Cintilando...
...no nada!

Fragrância desbotada.

Cheiro
De melancolia...
...Camuflada
Em frascos vencidos!

Olhe!

A morbidez...
...rondando
Sustentando o eixo
Mantendo...
...vivo
O que já está...

Morto!!

Milene Sarquissiano
 
MEDO!

SOLO

 
SOLO
 
 
SOLO

SOBREVIVÊNCIA

 
SOBREVIVÊNCIA
 
SOBREVIVÊNCIA

Ainda que cortem minhas asas
Minha imaginação seguirá voando...
Ainda que me tirem as pernas
Seguirei andando de cabeça erguida...
Ainda que me arranquem os braços
Eles estarão sempre abertos e abraçando...
Ainda que me ceguem os olhos
Continuarei enxergando amor em tudo...
Ainda que me tapem os ouvidos
Escutarei sempre o meu coração...
Ainda que me calem a boca
Levarei a minha palavra adiante...
Ainda que me tirem todo o ar
Eu respirarei poesia...e sobreviverei!

Milene Sarquissiano
 
SOBREVIVÊNCIA

PRESENTE

 
PRESENTE
 
Presente

Não passaste, tão pouco ficaste
Posto que és agora e presente
Doces lábios que nos meus tocaste
Açucaram mesmo quando ausente

Não há neblina, nem frio que faça
Nem os cristais dos pingos do sereno
Não há nada que esse amor desfaça
Nem a gota de qualquer veneno

Pois o calor da brasa da lareira
Arde intenso e sobremaneira
E queima até no forte do verão

E tua prenda espera faceira
A hora de se entregar inteira
Seja no inverno, ou noutra estação

Milene Sarquissiano
 
PRESENTE

AMOR SEPULTADO

 
AMOR SEPULTADO
 
AMOR SEPULTADO

Tenho o olhar perdido
Num céu de coisa nenhuma
Nada mais me importa
A lua é imagem morta

A rede que embalou sonhos
Balança ao sabor do vento
Sacudindo velhas ilusões
Ofuscando a luz dos lampiões

Até o riacho calou-se
Inundado por tanta tristeza
Engoliu em seco a dor
E murchou, cúmplice à flor...

Vagalumes revelam o breu
Tingindo a noite de dia
São flashes de nostalgia
Fotografando a agonia

Uma lágrima desliza
No leito triste da face
Pra lembrar que és passado
Amor morto...sepultado!

Milene Sarquissiano
 
AMOR SEPULTADO

JARDINEIRO

 
JARDINEIRO
 
JARDINEIRO

Olha menino, que lindo!
Ganhei um jardim
Não um jardim qualquer
Um jardim de versos
Coloridos e perfumados
Ornado com delicadas rimas
E regado de gentis sutilezas...

Olha menino, que lindo!
Estrelas faceiras e arteiras
Fazendo cócegas nos sonhos
Enchendo olhos de sorrisos
Cegando infelicidades...

Olha menino, que lindo!
Beijos colhidos agora
Metricamente embrulhados
Em lágrimas de saudades
À espera dos lábios de mel
Onde docemente morrerão...

Olha menino, que lindo!
Nuvens vestidas de asas
Debruçadas sobre o arco-íris
Voando esperanças coloridas
Tingindo o cinza de poesia...

Olha menino, que lindo!
A lua caindo feito pingente
No colo da dama-da-noite
Seduzindo a madrugada
Molhada de tanto sereno

Viste menino, que lindo?
Esse jardim mora em mim
Queres ser meu jardineiro?

Milene Sarquissiano
 
JARDINEIRO

LÁGRIMA DE UVA

 
LÁGRIMA DE UVA
 
LÁGRIMA DE UVA
Milene Sarquissiano

É a vontade de te beber
que faz escorrer essa lágrima de uva
dos meus lábios rubros.

É o choro incontido de uma boca
saudosa dos teus beijos tintos.

É o amor...
envelhecendo
como todo bom vinho.
 
LÁGRIMA DE UVA

HEMORRÁGICO AMOR

 
HEMORRÁGICO AMOR
 
 
HEMORRÁGICO AMOR

Milene Sarquissiano