https://www.poetris.com/



« 1 2 3 (4)


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS - "Os vermes da dieta"
sem nome
"O inferno está deserto e os diabos estão todos aqui."

(A tempestade) Willian Shakespeare


















em servente amostra da casa de costas
em púlpito velado e sob ele, apodrecer
qual vil empatia por deserto do 'não ser'
a império dos todos-mancos, pés e poças

olhem a sujeira que fazem em pisotear!
olhem o espelho de seus dentes inflados..
à cúria de uma velhice ressurgida a trapos
ato da imundície de não poderem se lavar!

e sempre à queda da casa de suas corcundas
salientes congregações de apoio dado e dito
seus manjares em bolor de um par de bundas

elegem-se! em exercício às calças de cena curta
lucram, com suas peles falsas, seu nicho restrito
e lutam, esses imundos! a sua luta prostituta!!





e depois, vendem-se. amanhã.







https://ibb.co/s3t639b



Criado em: 7/10/2019 19:02
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
sem nome
cale a boca que estou passando, animal!

Criado em: 7/10/2019 19:03
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
sem nome


"Não onde ele come, mas onde é comido. Certa assembléia de vermes políticos se ocupa justamente dele.(...) "
"HAMLET: Pode-se pescar com um verme que haja comido de um rei, e comer o peixe que se alimentou desse verme.

O REI: Que queres dizer com isso?

HAMLET: Nada; apenas mostrar-vos como um rei pode fazer um passeio pelos intestinos de um mendigo."

(Hamlet) Ato IV, cena III













o ar é denso e a curva, cada vez mais. e seca..
da situação dos que andam a percutir o sujo ar
a que respiram, estes adestrados! à sua posição
quais cócoras ditadas! querendo subir à mesa

e servem-se de fatias lambidas à loucura servil
inatos! impróprios e aos seu trejeitos violados
macacos enfileirados às caudas de tais retratos
a seus mesmos índices de fartura avulsa e senil

e. o ar é denso e a curva.. cada vez mais ao fim
e mesmo assim, esses ratos, vís e descalços, vêm
inundam-se de atenção mendigada! servem a quem?

tais hienas pendentes.. viradas, dormentes, enfim!
por nada sentirem quando em chibata às suas fuças
e. ainda que me faltem cenas, lá vêm, os filhos da puta






https://ibb.co/s3t639b

Criado em: 7/10/2019 19:08
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
sem nome


"Não onde ele come, mas onde é comido. Certa assembléia de vermes políticos se ocupa justamente dele.(...) "
"HAMLET: Pode-se pescar com um verme que haja comido de um rei, e comer o peixe que se alimentou desse verme.

O REI: Que queres dizer com isso?

HAMLET: Nada; apenas mostrar-vos como um rei pode fazer um passeio pelos intestinos de um mendigo."

(Hamlet) Ato IV, cena III













o ar é denso e a curva, cada vez mais. e seca..
da situação dos que andam a percutir o sujo ar
a que respiram, estes adestrados! à sua posição
quais cócoras ditadas! querendo subir à mesa

e servem-se de fatias lambidas à loucura servil
inatos! impróprios e aos seu trejeitos violados
macacos enfileirados às caudas de tais retratos
a seus mesmos índices de fartura avulsa e senil

e. o ar é denso e a curva.. cada vez mais ao fim
e mesmo assim, esses ratos, vís e descalços, vêm
inundam-se de atenção mendigada! servem a quem?

tais hienas pendentes.. viradas, dormentes, enfim!
por nada sentirem quando em chibata às suas fuças
e. ainda que me faltem cenas, lá vêm, os filhos da puta






https://ibb.co/s3t639b





ps: aprende, lixo..

Criado em: 7/10/2019 19:09
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
sem nome
azke ou salapismo. estropício. bichómetra, sostra, badalhoca, vaca cachena espumando ódio tal uma baleia morta, enfiado num sarcófago tão escuro quanto as trevas que o fizeram. foi o produto da sua deformação. convém lembrar que foi acusado de plágio apagou todos os textos e fugiu como um rato directamente para o colo da sua madrinha que se viria a manifestar a favor da verdade e ele voltou a fugir, completamente perdido e endiabrado, pendurado numa vida obscura ouvindo sons de macacos convencido que era música quando as suas expressividades nada tinham de humano, e então, tornou-se no mais desumano das criaturas por medo, por medo de enfrentar a realidade, e continuou fugitivo implicado nos mais cruéis e horrorosos casos de cyberbullying alguma vez praticados até à sua morte numa das valetas repletas de lodo da rua mais movimentada pelos traficantes do morro. dono de um narcisismo animalesco, dominado pelo alter ego do grande monstro cócó facada e ranheta, exibidor do mais largo e rombudo orifício do rio de janeiro, por onde eram expelidas as mais frias e insensíveis pedras que costumava fumar cobardemente às escondidas, acometido por graves crises de esquizofrenia simplesmente por não conseguir segurar a cabeça e fazer um coração humano. foi um mal feitor, um perigo para a humanidade, talvez ainda pior que adolf bolsonaro.

"a vaca cachena e a furacoa katrina eram afinal a mesma mina", bitcoin

Criado em: 7/10/2019 19:25
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
sem nome
olha trabis dementia, se queres acabar com o luso mais vale carregares logo no botão. na verdade a tua atitude é a de quem não tem a mínima consideração por nenhum dos autores que foram passando nesta casa desde a sua inauguração.
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=346311

Criado em: 23/10/2019 5:11
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: À GERÊNCIA DO LUSO POEMAS
Da casa!
Membro desde:
28/6/2019 22:49
Mensagens: 419
Nelson Rodrigues dizia que o mundo estaria a salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas.

Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=347053 © Luso-Poemas

Código penal
CÓDIGO PENAL
Disposições relevantes em matéria de comunicação social

PARTE ESPECIAL
TÍTULO I
DOS CRIMES CONTRA AS PESSOAS

CAPÍTULO VI
Dos crimes contra a honra

ARTIGO 180.º
(Difamação)

1- Quem, dirigindo-se a terceiro, imputar a outra pessoa, mesmo sob a forma de suspeita, um facto, ou formular sobre ela um juízo, ofensivos da sua honra ou consideração, ou reproduzir uma tal imputação ou juízo, é punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 240 dias.

2- A conduta não é punível quando:
a) A imputação for feita para realizar interesses legítimos; e
b) O agente provar a verdade da mesma imputação ou tiver tido fundamento sério para, em boa fé, a reputar verdadeira.

http://bocc.ubi.pt/pag/estado-portugues-codigo-penal.html


Em mais um caso semelhante, em Junho passado um cidadão foi condenado por difamação agravada, no Tribunal de Beja, a uma multa de 1.200 euros por ofensas à presidente da União de Freguesias de Albernoa e Trindade, depois de um comentário na página daquela autarquia.

Em 2017, em Santarém, uma técnica de turismo foi condenada por difamação por ter comentado na página do Facebook da antiga empresa que o gerente não pagava a funcionários e a fornecedores. Ambos os casos em primeira instância.

Ainda no mesmo ano, o tribunal da Relação do Porto deu razão a dois irmãos sócios de uma empresa em Angola que fizeram uma parceria com um homem que, após ter terminado a relação, foi condenado por ter publicado no Facebook várias declarações e comentários sobre os empresários.

Advogados consultados pela SÁBADO sugerem que parece haver uma inclinação dos juízes portugueses para a defesa da honra em prejuízo da liberdade de expressão, o que de resto tem merecido a condenação de Portugal em inúmeros casos por parte do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

https://www.sabado.pt/portugal/detalhe ... o-facebook-vao-a-tribunal


Como denunciar uma ofensa postada na internet
Antes de tomar alguma atitude, é preciso ter o entendimento de qual tipo de ofensa corresponde ao conteúdo compartilhado. Comentários grosseiros, posts contrários a determinadas opiniões, embora possam causar indignação, podem não ser entendidos pelas autoridades como passíveis de alguma ação prevista na lei.

Segundo informação da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos (DRCI), é considerada ofensa quando o autor atribui à vítima:

– A autoria de um crime sabendo que a vítima é inocente;
– Um fato que ofenda a reputação ou a boa fama da vítima no meio social em que ela vive. Não importa se o fato é verdadeiro;
– Qualificações negativas ou defeitos à vítima.

Os tipos de ofensas mais comuns postados na internet e que possuem amparo no Código Penal são os seguintes:

- Ameaça (art. 147);
- Calúnia (art. 138);
- Difamação (art. 139);
- Injúria (art. 140);
- Falsa Identidade (art.307);

Para saber mais sobre os tipos de ofensas, nessa página estão descritos em detalhes os principais tipos de ofensas e possíveis penas aplicáveis a cada caso. Se houver dúvidas, o ideal é recorrer a um advogado para buscar orientações para o embasamento legal da denúncia.

Passos que devem ser seguidos por quem pretende fazer uma denúncia:

1 - Reúna todo o tipo de provas que for possível. Assim que o conteúdo for identificado, é recomendável salvar os links das páginas, imprimir as postagens e, se possível, salvar uma cópia da tela (print screen), pois é possível que o conteúdo seja removido pelo autor. O material utilizado como prova não pode receber qualquer tipo de modificação – caberá aos peritos envolvidos na investigação apurarem a veracidade do material.

O material impresso precisa ter reconhecida "fé pública", isso significa que todas as páginas impressas terão que receber uma declaração de fé pública, expedida em cartório, para que possam ter validade legal.

http://g1.globo.com/tecnologia/blog/t ... e-ofensa-na-internet.html

Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=347053 © Luso-Poemas


Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=346621 © Luso-Poemas

Criado em: 12/12 10:59
Transferir o post para outras aplicações Transferir







Links patrocinados