https://www.poetris.com/





O CRISPIM
Novo Membro
Membro desde:
30/10/2011 18:25
Mensagens: 3
Queiramos ou não (decerto nunca queremos), a vaidade intromete-se com todos e cada um de nós, ainda que em medidas diversas. Aí temos a vaidade acidental, a que de certo ninguém escapa por muito que a isso se esquive, e aquela que habita a natureza da pessoa, congénita e que por vezes tem uma relação intima com os atributos nomeadamente físicos.
É o caso do Crispim. Cavalheiro emproado cá da cidade, de barriga proeminente, sempre bem trajado, imponente no caminhar e altivo no porte. Parece que voga acima de todos aqueles com quem se cruza, exalando a imagem não muito autêntica de quem navega em dinheiro. Normalmente anda a pé, não por economia de combustível, mas para ter a oportunidade de ser saudado com frequente subserviência, pelos seus patrícios.
Acontece que há dias, quando atravessava a rua, teve o Crispim que dar uma corrida para se escapulir de um carro que vinha com velocidade, conduzido por um rapaz da terra recém encartado.
Quando desajeitadamente corria, o Crispim tropeça num paralelo saliente já próximo do passeio e estatela-se escangalhadamente no chão. Não fora a atitude prestativa e de ajuda de quem por ali passava - eu que vinha à distância e vi o trambolhão constatei que nada de grave se passou – e Crispim ficaria esparramado no dorso pouco acolhedor da rua, até se recompor do percalço. É evidente que ninguém está imune a uma situação deste teor; mas para a vaidade do Crispim foi um abalo na sua postura de homem cioso dos seus pergaminhos e, não evitou tornar-se episódio hilariante para quem o presenciou.
Parece-me ser de concluir que a espectacularidade de um simples trambolhão está mais perto do empertigado, aquele que julga levar Deus na barriga.

A.Andrade


Criado em: 6/11/2011 16:50
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: O CRISPIM
Novo Membro
Membro desde:
19/3/2010 21:05
Mensagens: 4
Por muito que o não queiramos, os contratempos fazem parte da vida e às vezes colocam-nos mesmo numa situação caricata.

Coitado do Crispim, que nem a petulância lhe valeu.
Texto irónico e bem humorado.
Martiniana

Criado em: 10/11/2011 19:47
Transferir o post para outras aplicações Transferir







Links patrocinados