https://www.poetris.com/



(1) 2 »


“Dá-me-uma-tusa”
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1915












O sonhar não precisa de trela,
Deixai-o e ele voltará célere …


“Dá-me-uma-tusa”

Por vezes me dá tédio o que vejo e leio, talvez o meu córtex cerebral seja deveras e reconhecidamente pertino e excepcional e as sinapses neuronais funcionem atípicamente e sem paralelo com a maioria dos seres inteligentes,muitos embora elementares e limitados, com os quais constantemente lido, salvo alguns, é claro.
Dirimidos numa web parda, tábua rasa, constrangedora de ideais e castradora de intelectos. Parece-me absurdo uma certa e fraca, quiçá febril e pouco firme argumentação, orientada a uma população maioritariamente inculta e adaptada a redes de capturar esquilha miúda e com genérico valor alimentar,embora outrora mais fabril e obreira, agora dependente e sobrevivendo a custo zero de boatos intencionalmente disseminados no tecido social, que alguns erroneamente confundem como predicado e prestigiam impropriamente, como na web, as redes sociais, estrategas de manipulação de mentes que têm funcionado financiadas por propósito, deixando o mundo à mercê de ogres maquiavélicos e perniciosos, para não dizer malignos. O mais triste é ter de lidar constantemente com a tacanhez e o desmérito, quer intelectual quer cível e ao mais baixo nível, quer social quer modestamente humano, mas digo sentindo em mim uma determinação tão desmedida de desmontar ignorância e opróbrio que chega a rasar até o gozo sexual e genético, sendoque os homens preferem as gordas e badochas que as intelectualmente sãs, asim sendo,“Dá-me-uma-tusa” confrontar imbecis e não me arrependo nunca, jamais, apesar de compreender o desnível intelectual civilizacional inerente a cada espécime humano e cada vez mais manifesto numa sociedade marchando para o feudalismo pseudo- especialista intelectual e para o fim de singulares ilusões filosóficas e do notável talento individual e especial, para estarmos caindo inexoravelmente, numa sociedade generalista em que cada um autentica opiniões e genericamente opina sobre todo e qualquer assunto não fazendo a mínima ideia dos conteúdos que manuseia nem da matéria-prima de que é composto o seu raquítico córtex cerebral de primata repolho ou coelho, sem desprimor para esse espécime animal.
Claro que não quero, me dá tédio e nem vou discutir Schopenhauer ou Kant na paragem do autocarro amarelo e verde, nem na consulta do dietista depois das folhas de couve e da banana às rodelas, mas não me hospedem na boca absurdas palavras ou ideais misóginos, no coco da cabeça, que eu não quero e refuto veementemente e com toda a gana, entretanto dá-me uma excepcional tusa, discutir com quem nem merece a minha peçonha, quanto menos o meu mero e circunstancial entediamento sexual, assim sendo, “Dá-me-uma-tusa no tentacular proboscide ” discutir a cor do ranho, na retrete (...)










(JS/JM)










Criado em: 1/3 18:15
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Convivência entre espécimes da mesma espécie !
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:42
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1911









Convivência entre espécimes da mesma espécie !

Bem sei que poeta é um ser genericamente alterado e sujeito a súbitas mudanças de opinião e humor, podemos ser controversos e libertários libertinos brilhantes mas jamais um poeta é ou pode ser sinónimo de tacanhez e desmérito intelectual, jamais poeta algum poderá ser sinónimo de conservadorismo maléfico, moléstia e maldade.
Somos, sejamos arautos graduados da sã convivência entre espécies, pois mesmo os menos dotados possuem alguma elevada clarividência e uma luminosidade activa que nos enriquece e subsidia pondo de parte pensamentos e expressões de obscuridade ridícula que tanto imiscuem a nossa criatividade e clarividência humana representativa levando À esterilidade inata e inadaptalizável de pensamento…


Jorge Santos/Joel matos









Criado em: 1/3 18:23
_________________
Jorge Santos, aliás Joel Matos,aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


No soar da "meia noite-à-janta" ( Em geral )
Colaborador
Membro desde:
17/7/2018 9:17
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 870


















Em geral

Sinto nojo da dualidade dos que oram e usam do vazio das igrejas como as baratas no escuro dos móveis para se esconderem da luz do dia, dizem-se beatos puros, possuem a arte da falsa erudição, hipócritas e pestilentos, agentes da "anti-poesia", pois que que não conhecem a musicalidade das esferas celestes, o misticismo que é necessário para ser poeta/profeta e transformar homens em anjos, anjos em inflamados cometas, o hálito de sabor amargo das bestas, na bonança e no pó da esperança.
Nós pertencemos a outra raça, bravia, com o sabor análogo ao do solo, a limbo, a terra nova e descoberta, somos de resignação violenta, os nossos dedos acariciam a erva e os musgos dos regatos.
Os meus passos têm a leveza das aves dos céus, salmão dos mares, quando me perco, como sendo "Plometeu" ou seus pares do Atlas ao Taurus.
Sou imenso, sinto e penso um cosmos em mim, não consagro o meu tempo à banalidade,à mediocridade sinto nojo de dualidades e de almas sôfregas de ruído.
O imbecil é e será sempre um ser colectivo e coletivizante ...
Aguardo apenas o soar da meio-dia "à janta", a alternância de quem gira em torno de si mesmo, como uma esfera, comum Terra, o sino, o címbalo, o Olifante, a trombeta para o qual a minha atenção se dirige, ao longe, muito longe, no único andar do mundo que não muda, aguarda apenas, aguarda suspenso e fixo num ponto mudo, o nó do mundo, o futuro de tudo-e-todos ...a contenda dos moribundos na cidade berço de "Ananda"...o nó mudo em Mandala-papel.
Conquanto penso e vejo-me sentado, solene onde decorre o meu juízo e penso ser um pouco de tudo que é impassível e resulta certamente em mim, não me posso perceber, contudo conheço-me mais que tudo, giro em torno de mim mesmo, assim como um pêndulo em torno de Foucault e apenas aguardo ...aguardo apenas, de cima o som que é mudo, do nó do mundo o soar da "janta" !
"E orgulho-me todavia de minha humilhação, e por estar condenado a tal privi-
legio, quase desfruto uma salvação odiosa: acredito ser na memória humana o único
exemplar de nossa espécie a ter naufragado num navio deserto."




Jorge Santos (Namastibet) (JS/JM)


















Criado em: 1/3 18:29
_________________
namastibet, aliás Joel matos
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”
Colaborador
Membro desde:
31/3/2008 18:45
De Braga
Mensagens: 8213
Infelizmente os imbecis estão confinados na sua imbecilidade; se lerem não percebem um chavo, nada os mudará e a história tem-se encarregado de mostrar para a posteridade apenas alguns: os que conseguiram colar-se a grandes homens como seus carrascos e assim sendo odiados, e olhados com imenso desprezo. Os de aqui nem isso, são ratos que passam, parasitas que incomodam, mas não marcam.

Criado em: 2/3 20:40
_________________
RoqueSilveira
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”
sem nome
RoqueSilveira
Namas-tibet
lixo
Não reciclável.

Criado em: 5/3 22:48
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”
Colaborador
Membro desde:
17/7/2018 9:17
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 870
ratos que passam

Criado em: 5/3 23:18
_________________
namastibet, aliás Joel matos
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”/Roque silveira
sem nome
Zumbis, mais conhecidos como mortos vivos, na verdade são humanos sem almas. Não é a carne pobre que fede que é terrível, mas sim a total ausência da real chama de vida, a luz. Tais estão muito, muito abaixo do nível de um imbecil, rato e parasita. Um amontoado de carnes e ossos sem almas são instrumentos de forças num nível de trevas inimaginável. E sabe o que é pior, o monte de carne podre nem sabe que já não existe mais. Se você tivesse uma alma, eu até lhe diria: Que Deus tenha piedade de sua alma.

Criado em: 5/3 23:25
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”/p o Asno da luz
Colaborador
Membro desde:
31/3/2008 18:45
De Braga
Mensagens: 8213
Você não passa de um anormal, psicótico com fixação em mim. Vá comer uma laranja oferecida lá pelos seus fiéis. Vá lamber sabão, língua porca, onde está sua alma, seu lixo enterrado no lixo. PORCO!

Criado em: 6/3 11:53
_________________
RoqueSilveira
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: “Dá-me-uma-tusa”/para excelentíssima senhora roquesilveirinha
sem nome
Nunca criei nenhum fake em sua homenagem, já o mesmo não pode ser dito de vossa excelência. Da última vez que duelou comigo bateu-se em retirada inundando o fórum com suas imundices.

Criado em: 6/3 17:30
Transferir o post para outras aplicações Transferir


"Te loquor absentem"
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1915


Open in new window



"Te loquor absentem"

Invoco e maldigo aqui a tua nefasta presença ...





Seu Ogre genérico, prático e incapaz, penso e sinto, acredito que deves estar grunhindo o nome do teu apocalíptico maioral e capataz, Askerozo-manko, in-género "tuo" e germinado na porca gamela do Apocalipse e para mais, "duelo" se faz entre cavalheiros da mesma estripe, de ambos os géneros, mas de uma mesma genealogia (não é apenas semântica oral nem canto gutural de símio) e não, jamais com um Suíno de Chiqueiro, cretino que quiçá nem a somar 4x4 aprendeu, nem dar pelo erro consegue, no ábaco do Tamerlão Árabe na cidade de Samardã, que nem sabes onde, fica num mapa.
Não se toca a quatro mãos nem em dueto o "Excelsus suber" de Brahms , embora seja um "Ensamble", jamais será a quatro patas e "piano magníssimi" é o meu mote excelso, de modo que te excomungo da minha privacidade silente, monogenética e monogâmica, não privo com seres da tua parca espécie, do teu género e o BramaPutra é na Índia, Brama não é apenas cerveja mas uma estripe de galináceo puro e a ilha do teu desconhecimento é "Phuket", porque é "Phuket"(?).
"Te loquor absentem" invoco a tua ausência e te maldigo, abstém-te, volta para a pocilga no Bósforo, onde procrias invalidez e peçonha, ainda peço por obséquio embora esteja ordenando, como faz um general à grotesca soldadesca menor, rastejando em trincheiras de lama e nas latrinas infectas, junta-te imediatamente ao teu guardador Lex...ah e lembra-te de tudo isto porque bem pior ainda irá acontecer-te não só física e moralmente, de cada vez que me convocares à inutilidade e futilidade bufa balofa inorgânica/patética de que fazes parte, naufragarás na peste uma e outra e outra vez quando pensares em mim, por isso não penses nem pretendas - seu incapaz, de invocar o meu nome em vão nem agora nem jamais...me deixa "emquella pace cui" , camaleão de batina, barata de sacristia , me deixa ou....Te loquor absentem,


Te loquor absentem
Te loquor absentem, te vox mea nominat unam;
nulla venit sine te nox mihi, nulla dies.
Quin etiam sic me dicunt aliena locutum,
ut foret amenti nomen in ore tuum.

Ovidi Nasonis, in Tristium Liber Tertius

"Werde der du bist."
Goethe




















Criado em: 6/3 18:09
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir







Links patrocinados