https://www.poetris.com/
 
Textos : 

algumas ainda não foram inventadas

 


não tirem o vento às gaivotas - sampaio rego sou eu


sentei-me a ouvir o mar num bocado de terra virgem de crueldade. não que fosse um dia. onde os meus ouvidos fossem capazes de dar grandes ouvidos ao silêncio que o mar docemente soletra com o movimento das marés – nunca percebi este vai e vem da água. nunca sei o que vem para ficar. nunca sei o que a água traz ou o que vem buscar. sei apenas que este movimento é igual ao que sinto com as ideias. estas. também vêm e vão. umas vezes frias. outras a ferver. algumas carregam lágrimas. outras esperança. outras ainda conseguem trazer palavras inchadas por se saberem adoptadas – mas o que é do mar sempre será reclamado pelo mar. fico sempre sem saber o que fica para o amanhã – no dia seguinte. quando já não há marés a baloiçar no meu olhar. tenho um punhado de ideias idiotas – da última vez que a água me tocou nos pés. deixou-me ficar uma medusa venenosa – eram palavras que não entendia e nos seus tentáculos uma estrela apagada – tinha caído do céu numa noite de luar – cravado no seu coração. o eixo imaginário que segura a terra a uma rotação que não regula coisa nenhuma – pobre estrela – deitei-me. deixei a maré subir. cobriu-me de palavras. quase todas loucas. algumas ainda não foram inventadas – só eu as compreendo – como eu quero que tu me compreendas.

-sampaio sou eu-
 
Autor
sampaiorego
 
Texto
Data
Leituras
1747
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
cromeleque
Publicado: 07/09/2010 15:29  Atualizado: 07/09/2010 15:29
Da casa!
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 269
 Re: algumas ainda não foram inventadas
uma maré cheia.

cumprimentos


Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 07/09/2010 15:40  Atualizado: 07/09/2010 15:40
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: algumas ainda não foram inventadas para sampaio
fui na maré do teu texto.nesse grande silêncio que fica entre o barulho das ondas.e "o que é do mar sempre será reclamado pelo mar".fui,mas a mim voltarei.espero eu sempre que com mais desse entendimento profundo do que é puro,simples e vital.

como é bom pousar "num bocado de terra virgem de crueldade"...

tanta paz que daqui me veio.tanta vontade de realmente comunicar/compreender/fazer-me compreender,nesse silêncio por detrás de todas as ondas,de todas as palavras,de todos os olhares.

um abraço,sampaio


Enviado por Tópico
babel
Publicado: 08/09/2010 20:22  Atualizado: 08/09/2010 20:22
Muito Participativo
Usuário desde: 26/11/2009
Localidade:
Mensagens: 77
 Re: algumas ainda não foram inventadas
Gosto de palavras não inventadas; mas melhor ainda é usar palavras de forma inventada.


Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 09/09/2010 00:06  Atualizado: 09/09/2010 00:06
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: algumas ainda não foram inventadas
Muito rico o seu texto, oferecendo a quem lê nuances íntimas e próprias, como as que você deu às palavras, parabéns.
Um abraço, Sampaio.