https://www.poetris.com/
 
Textos : 

torre do tombo

 


não tirem o vento às gaivotas - sampaio rego sou eu


não consigo ver o teu branco por mais que o tente imaginar. nem o meu! – um que tinha nas palavras que te oferecia para seres meu amigo. mesmo aqueles malmequeres de pétalas brancas. que tantas vezes comprei para embelezar os sírios que acendia para alumiar a memória dos que sempre me quiseram bem. perderam a cor. as pétalas caíram para nunca mais formarem uma flor – bem tento deitar-te a mão sempre que escreves – ainda sou daqueles que acredito que a cor dos cabelos não coincide com os teus olhos. mas das tuas mãos esperava muito mais – mesmo que fosses um cometa. daqueles que apenas passam nas noites de luar a largar vapor a alta velocidade – podias sempre dizer: que chatice! afinal. este sou eu. assim com esta mistura de tons que muitas vezes não são cor nenhuma. são tonalidades mate. sem brilho. sem luz . sem racionalidade – mas há dias que sou tanta coisa. melhor. sou tudo. sou as palavras justas. aquelas que se vestem de arte para partilhar o tempo que todos os dias consumo – cada vez temos menos tempo para ser aquilo que queríamos ser – fiquemos com aquele que já alcançamos
 
Autor
sampaiorego
 
Texto
Data
Leituras
731
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ÔNIX
Publicado: 28/09/2010 13:29  Atualizado: 28/09/2010 13:30
Colaborador
Usuário desde: 08/09/2009
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2695
 Re: torre do tombo
Há "tombos" que deixam marcas bem visíveis no chão. Mas recomposto o corpo, e apaziguada a alma levantemo-nos como uma torre que procura todos os faróis no meio do mar através o seu verdadeiro foco de energia. Atingindo o objectivo, há um novo caminho a percorrer navegando até que se faça dia, e aí a sol estará lá para nos mostrar que as marcas do nosso tombo,se perderam nas sombras da noite .

Virão novos sonhos já prontos para nos mostrar um novo corpo e uma nova alma, sempre em movimento

Gostei muito destas palavras


beijo


Dolores Marques