https://www.poetris.com/
 
Textos : 

estar

 


não tirem o vento às gaivotas - sampaio rego sou eu


não consigo estar – sinto-me cansado. triste. desanimado – gosto de estar com tudo. mas não estou. estou com quase nada – deve ser do tempo. seco e sem humidade as palavras fizeram-se cactos – sobreviver no tempo é mestria da arte e dos cactos
 
Autor
sampaiorego
 
Texto
Data
Leituras
546
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 30/06/2011 00:10  Atualizado: 30/06/2011 00:10
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 12081
 Re: estar
dos cactos também nascem belas flores...a nostálgia é o estado da alma de quem se sente gente e gente de alma sente assim...em tudo um nada.

Beijos


Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 30/06/2011 00:31  Atualizado: 30/06/2011 00:31
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: estar para sampaiorego
não tenho lido muito por aqui pelo lusopoemas ultimamente,confesso.só muito esporadicamente, uma coisa ou outra.quero dizer-te que gostei muito deste "estar".exprimiu muito bem um certo mal-estar ou melhor/pior:um quase não sentir-se ser.

beijo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/07/2011 21:23  Atualizado: 01/07/2011 21:23
 Re: estar
Continuo a ler-te sempre em direção ao futuro, inpiradamente.
abraço
nuno