https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Brechas

 



Depois…
o tempo foi passando
vazio rápido lento
enchendo-me de carne
e roendo-me os ossos

martelando-me os ouvidos
enterrando-me farpas na cabeça

abrindo brechas
cada vez mais fundas e perplexas
entre mim
e o mundo que me rodeia

quando dou por mim
já cá não estou

estou nas copas das árvores
não
minto
estou no avião que as sobrevoa

e quando regresso
a noite não dorme
vagueia
escorre sem nexo em ponteiros mortos
insana
à toa.


maria

 
Autor
outonal_idade(s)
 
Texto
Data
Leituras
648
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Onde_está_o_@mor?
Publicado: 29/06/2013 21:23  Atualizado: 29/06/2013 21:23
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Funcheira
Mensagens: 690
 Re: Brechas
Pois a gente com a idade vai-se enchendo de carne e a molestia começa a dar-nos cabo dos osos, mas já se sabe a gente vai pra velho e avemos de morrer de uma coisa ou da outra.
abraço