https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Saudade : 

Quando eu morrer serei flor 🌺

 
Quando eu morrer serei flor 🌺
 
Quando eu morrer os meus amigos
E familiares vão dizer que eu
Era boa pessoa que tinha um bom coração
Alguns acredito que choraram
A minha perda, a minha ausência
E vão querer fazer-me uma homenagem
Mas com o passar do tempo
Sei que deixaram de lembrarem-se
Que eu parti, serei apenas uma lembrança
Doce ou amarga, triste ou feliz
Apenas uma saudade do passado
Por isso se amas, trata-me com amor
Dá-me flores em vida, não quando eu morrer
Dá-me carinho agora, dá-me a tua mão
Chora comigo, sente a chuva, a brisa
O vento, o canto dos pássaros, a tempestade
As ondas do mar, areia nos pés, a agua
Doce orvalho da manhã, a lua, o sol, as estrelas
O riso das crianças, a terra molhada, o cheiro da erva
O perfume das flores, o aroma do café,
Eu só quero ser feliz, viver, sorrir, amar
Hoje e agora, porque amanhã só Deus sabe.
Open in new window


╭✿ ♥
Não me considero poeta
Descobri escrevendo por acaso

Você pode copiar, distribuir, exibir, executar
desde que seja dado crédito ao autor original.


Quando eu morrer colhe-me
em flor no teu jardim

🌂
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Autor
IsabelRFonseca
 
Texto
Data
Leituras
2584
Favoritos
7
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
86 pontos
12
9
7
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 22/08/2013 18:20  Atualizado: 22/08/2013 18:20
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Quando eu morrer, Os meus amigos e familiares vão dizer,
Amiga, achei lindo seu poema!
Os outros são o nosso espelho.
Por tudo o que ali predisse
foi um inteligente conselho.
É bom receber O Sol, a Luz
carinho, flores, calor...
E tudo o que nos traz vida
vem de Deus que é só Amor.

Um beijinho. Vólena


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 22/08/2013 18:21  Atualizado: 22/08/2013 18:25
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Quando eu morrer, Os meus amigos e familiares vão dizer,
Amiga, achei lindo seu poema!
Os outros são o nosso espelho.
Por tudo o que ali predisse
foi um inteligente conselho.
É bom receber O Sol, a Luz
carinho, flores, calor...
E tudo o que nos traz vida
vem de Deus que é só Amor.

Um beijinho. Vólena

DESCULPE A REPETIÇÃO, QUE ACONTECEU NAO SEI COMO, VÓLENA


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 23/08/2013 13:50  Atualizado: 23/08/2013 13:50
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9762
 Re: Quando eu morrer, Os meus amigos e familiares vão dizer,
Bom dia Isabel eu sou signatário irrestrito deste seu pensar, quem tiver honrarias a me fazer que me faça em vida, parabéns pelo seu contagiante poema, um grande abraço, MJ.


Enviado por Tópico
nereida
Publicado: 27/03/2018 16:58  Atualizado: 27/03/2018 16:58
Colaborador
Usuário desde: 27/08/2017
Localidade: São Paulo
Mensagens: 2023
 Re: "QUANDO EU MORRER"
Isso minha amiga Isabel. O querer bem demonstra- se em vida, depois de morto não precisamos de choro ou vela.
Bem colocado seu texto. Bjs


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 15/03/2020 10:51  Atualizado: 04/03/2021 21:12
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1371
 Re: "QUANDO EU MORRER"
Que poema tão emocionante, tocando no coração
e na firmeza do coração e da alma.
Devemos fazer o bem em vida, com amor e paixão e dedicação, mesmo que por vezes não nos dêem o devido reconhecimento.
Faz parte da vida.

🌺
Open in new window


Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 04/03/2021 09:16  Atualizado: 04/03/2021 09:16
Da casa!
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 297
 Re: Quando eu morrer serei flor 🌺
QUANDO EU MORRER

Eu morro, eu morro. A matutina brisa
Já não me arranca um riso. A rósea tarde
Já não me doura as descoradas faces
Que Gélidas se encovam.
Junqueira Freire

Quando eu morrer... não lancem meu cadáver
No fosso de um sombrio cemitério...
Odeio o mausoléu que espera o morto
Como o viajante desse hotel funéreo.

Corre nas veias negras desse mármore
Não sei que sangue vil de messalina,
A cova, num bocejo indiferente,
Abre ao primeiro o boca libertina.

Ei-la a nau do sepulcro — o cemitério...
Que povo estranho no porão profundo!
Emigrantes sombrios que se embarcam
Para as pragas sem fim do outro mundo.

Tem os fogos — errantes — por santelmo.
Tem por velame — os panos do sudário...
Por mastro — o vulto esguio do cipreste,
Por gaivotas — o mocho funerário ...

Ali ninguém se firma a um braço amigo
Do inverno pelas lúgubres noitadas...
No tombadilho indiferentes chocam-se
E nas trevas esbarram-se as ossadas ...

Como deve custar ao pobre morto
Ver as plagas da vida além perdidas,
Sem ver o branco fumo de seus lares
Levantar-se por entre as avenidas! ...

Oh! perguntai aos frios esqueletos
Por que não têm o coração no peito...
E um deles vos dirá "Deixei-o há pouco
De minha amante no lascivo leito."

Outro: "Dei-o a meu pai". Outro: "Esqueci-o
Nas inocentes mãos de meu filhinho"...
... Meus amigos! Notai... bem como um pássaro
O coração do morto volta ao ninho!...

CASTRO ALVES

Enviado por Tópico
MicaelaFerreira
Publicado: 04/03/2021 09:54  Atualizado: 04/03/2021 09:54
Da casa!
Usuário desde: 22/10/2020
Localidade:
Mensagens: 226
 Re: Quando eu morrer serei flor 🌺
Que rica inspiração. Saudações poéticas!

Carpe diem