https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

TRISTE SONETO🦋

 
TRISTE SONETO🦋
 
 
Triste soneto à morte prematura
Dirás que a vida cansa em amargura
No coração digo antes
Ferida rasgada de uma navalha

Vai a vida, tão mal gasta
Quando eu morrer, eu sei
Tu escreverás
Consciência que nos retalha

Triste soneto de uma morte prematura
O desejar, o querer, o não bastar
Dirás que a vida cansa em amargura
E, enganado procuras a razão

Pálido e frio, tu me cantarás
Que o acaso de sermos,justifique
Nas quadras, reflectido se lerá
De como, vã e breve, a vida expira
E como em terra funda, dura e fria

A vida, má ou boa, acabará
Eis o que dói, talvez no coração
Que a morte é um mistério
Onde tudo é fugaz
Contente por tê-lo escrito bem
Um triste soneto à morte prematura.🦋


🌺



╭✿ ♥
Não me considero poeta
Descobri escrevendo por acaso

Você pode copiar, distribuir, exibir, executar
desde que seja dado crédito ao autor original.


🦋
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Autor
IsabelRFonseca
 
Texto
Data
Leituras
1479
Favoritos
10
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
111 pontos
9
11
10
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 28/02/2014 11:16  Atualizado: 28/02/2014 11:16
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6823
 Re: Triste soneto à morte prematura.
Nessa vida somos prematuros onde somos passaegiros nesse mundo viver, lindo poema


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 14/12/2018 21:56  Atualizado: 14/12/2018 21:56
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1371
 Re: TRISTE SONETO🦋
Poema bem elaborado my love.
Ao suportarmos a vida, teremos que estar preparados para aceitar a morte, portanto não deixemos morrer o que está dentro de nós enquanto vivemos.


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 22/03/2019 19:05  Atualizado: 22/03/2019 19:05
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1371
 Re: TRISTE SONETO🦋


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 23/03/2019 11:30  Atualizado: 23/03/2019 11:30
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: TRISTE SONETO🦋 P/IsabelRFonseca
A tristeza faz parte da vida temporária de todos nós e o seu poema é lindíssimo, gostei muito, beijinhos Vó

Enviado por Tópico
ElisabettM
Publicado: 23/03/2019 11:37  Atualizado: 23/03/2019 11:37
Super Participativo
Usuário desde: 04/01/2019
Localidade:
Mensagens: 144
 Re: TRISTE SONETO🦋

Enviado por Tópico
JosefaVG1
Publicado: 07/03/2020 22:06  Atualizado: 07/03/2020 22:06
Participativo
Usuário desde: 28/02/2020
Localidade:
Mensagens: 37
 Re: TRISTE SONETO🦋


Boa noite
Cara poetisa o seu poema esta ser roubado
neste site

http://www.pontodevistaonline.com.br/ ... air-leiros/#comment-88705

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 08/03/2020 20:50  Atualizado: 08/03/2020 20:50
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17070
 Re: TRISTE SONETO🦋
Poetisa
Espero que tudo que doer no peito tenha morte prematura, que sare rápido e que nosso tempo útil seja para viver os momentos que se tornarão eternos.
Desculpe se divaguei!
Adorei a leitura!
Parabéns!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 01/03/2021 09:14  Atualizado: 01/03/2021 09:14
Da casa!
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 297
 Re: TRISTE SONETO🦋
Hino à Solidão

Diz-se que a solidão torna a vida um deserto;
Mas quem sabe viver com a sua alma nunca
Se encontra só; a Alma é um mundo, um mundo
[aberto
Cujo átrio, a nossos pés, de pétalas se junca.

Mundo vasto que mil existências povoam:
Imagens, concepções, formas do sentimento,
— Sonhos puros que nele em beleza revoam
E ficam a brilhar, sóis do seu firmamento.

Dia a dia, hora a hora, o Pensamento lavra
Esse fecundo chão onde se esconde e medra
A semente que vai germinar na Palavra,
Cantar no Som, flores na Cor, sorrir na Pedra!

Basta que certa luz de seus raios aqueça
A semente que jaz na sua leiva escondida,
Para que ela, a sorrir, desabroche e floresça,
De perfumes enchendo as estradas da Vida.

Sei que embora essa luz nem para todos tenha
O mesmo brilho, o mesmo impulso criador,
Da Glória, sempre vã, todo o asceta desdenha,
Vivendo como um deus no seu mundo interior.

E que mundo sublime, esse em que ele se agita!
Mundo que de si mesmo e em si mesmo criou,
E em cuja criação o seu sangue palpita,
Que não há deus estranho aos orbes que formou.

Nem lutas, nem paixões: ideais serenidades
Em que o Tempo se esvai sob o encanto da Hora...
O passado e o porvir são ânsias e saudades:
Só no instante que passa a plenitude mora.

Sombra crepuscular, que a Noite não atinge,
Nem a Aurora desfaz: rosicler e luar,
Meia tinta em que a Alma abre os lábios de Esfinge,
E o seu mistério ensina a quem sabe escutar.

Mas então, inundando essa penumbra doce,
De não sei que sublime esplendor sideral,
Como se a emanação dum ser divino fosse,
Deixa no nosso olhar um reflexo imortal.

Na vertigem que a vida exalta e desvaria,
Pára alguém para ouvir um coração que bate
No seio mais formoso, o olhar que se extasia
Vê o mundo que nele em ânsias se debate?

É só na solidão que a alma se revela,
Como uma flor nocturna as pétalas abrindo,
A uma luz, que é talvez o clarão duma estrela,
Talvez o olhar de Deus, de astro em astro caindo...

E dessa luz, a flor sem forma, há pouco obscura,
Recebe o seu quinhão de graça e de pureza,
Como das mãos do artista, animando a escultura,
O mármore recebe a sua alma — a Beleza.

Se sofrer é pensar, na paz do isolamento,
Como dum cálix cheio o líquido extravasa,
A Dor, que a Alma empolgou, transborda em
[pensamento,
E a pouco e pouco extingue o fogo em que se
[abrasa.

Como a montanha de oiro, a Alma, em seu
[mistério,
À superfície nunca o seu teor revela;
Só depois de sondado e fundido o minério
Se conhece a riqueza acumulada nela.

Corações que a Existência em tumulto arrebata!
Esse oiro só se extrai do minério candente,
No silêncio, na paz, na quietação abstracta,
Das estrelas do céu sob o olhar indulgente...

António Feijó, in 'Sol de Inverno'