https://www.poetris.com/
 
Homenagens : 

Três folhas de couve

 
Tags:  simples    horta    qualidade    produto  
 
 Três folhas de couve
 
Seu Tião era uma pessoa muito simples que vivia da horta que tinha em seu quintal. Ele plantava alface, couve, almeirão, espinafre, cebolinha e coentro, que colocava bem cedinho em um carrinho de mão e vendia para uma clientela já formada, sempre aos domingos. O diferencial dele além da ótima qualidade das verduras era que ele não colocava um preço em seu produto, o freguês escolhia o que queria e pagava o que julgava justo. Não adiantava argumentar com ele, o mesmo não cobrava um preço fixo, ele dizia: Eu não cobro pelo que faço aceito doação, seu Tião vivia na base de troca. De um modo geral ele passava na minha casa aos domingos por volta das sete da manhã, onde já o esperava com o portão aberto. Certa ocasião, poucos dias antes da sua passagem para outro plano da existência, ele chegou dizendo: Desculpa-me, hoje as verduras não deram para todos. Quando olhei para o interior do carrinho três grandes folhas de couve, então me prontifiquei a ficar com elas, mas quando fui remunerá-lo, o mesmo não quis receber de jeito nenhum, vendo minha insistência o mesmo disse: É uma doação ao amigo. Assim foi meu último contato “no plano físico” com ele, isto há dezessete anos. Esta manhã quando fazia minha caminhada matinal, o vi ajudando almas em seus “translados”, com a mesma simplicidade que é uma característica de sua alma.


Neste mundo os guerreiros e Arcanjos andam sempre de espada em punho. Contudo, espada significa Transformação.

 
Autor
sendoluzmaior
 
Texto
Data
Leituras
2975
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
-1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
sendoluzmaior
Publicado: 05/08/2014 12:47  Atualizado: 05/08/2014 12:57
Subscritor
Usuário desde: 01/05/2012
Localidade: Belo Horizonte
Mensagens: 1059
 Re: Três folhas de couve
A esse dedinho sem vergonha que me persegue. Oh infeliz diz logo o que lhe desagrada! Que culpa tenho de teres "olhos e não enxergares"? Este infeliz dedinho, verdinho ou vermelhinho não substitui a palavra. Oh infeliz desapega de teus conceitos! Speech.

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=275171