https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

"ESCARPAS"

 
"ESCARPAS"
 


Caminho entre as fragas da serra
Escarpas onde anda a minha alma
Rasteja nas giestas cheias de ilusão
Precipício de silvas feridas no corpo

Noite triste solitária de velhos vícios
Condenada à podridão está o crematório
Desnudo os sonhos perdidos e esquecidos
As águas que correm sem dor, sem pranto


Delírios de uma mente sã, louca talvez
Criatura torturada demente fascinante
Amor foi esquecido que tece e maldiz
Maltratado que morre em cada esquina


Discriminado odiado sem explicação.
Morte disfarçada palavras que cortam.
Noite inteira com tanta fúria de luxúria
Intensa chama de solidão, triste quimera



Open in new window


╭✿ ♥
Não me considero poeta
Descobri escrevendo por acaso

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Autor
IsabelRFonseca
 
Texto
Data
Leituras
809
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
39 pontos
5
5
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 21/10/2014 13:29  Atualizado: 21/10/2014 13:30
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6797
 Re: "ESCARPAS"
Noite solitárias que os sentimentos parecem não existir em nos. A essência se transpiram desnudam-se em sonhos, tristeza nos torturam no aceano de nossas vidas onde as ondas choram.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 30/10/2014 15:16  Atualizado: 30/10/2014 15:16
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: "ESCARPAS" P/JsabelRFonseca
As escarpas dilaceram os pés mas o coração que é forte aguenta e continua a bater.
Um poema bonito e muito! Beijinhos da Vólena


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 28/12/2018 00:00  Atualizado: 28/12/2018 00:00
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade: Portugal
Mensagens: 624
 Re: "ESCARPAS"
Sonhos vãos... Palavras proferidas.
Escarpas feridas.
O tempo que não chega, nem nunca chegou!
Um gemido, um lamento.
Promessas vãs.
Só a morte é cruél.
Sonhos vãos, por tanto, por tão pouco
São chamas ardentes que queimam, tão quentes.
Tão vivas, tão presentes!
Quem nunca amou?!
É bom amar, mesmo nas escarpas da vida.