https://www.poetris.com/
 
Textos -> Surrealistas : 

SAPATO AMARELO

 
Tags:  namorada    amarelo    sapato    FURIOSA  
 
SAPATO AMARELO


Dorinha, saindo do banho, deu com o sapato amarelo no escritório.
- Estevão, Estevão e ele, nada, no maior sono.
- Acorda, Estevão, o que significa isso? Ela balançava o sapato amarelo na cara do namorado, furiosa.
- Que foi?
- O que significa isso?
- Um sapato amarelo, não é?
- Você é muito cachorro! Quem é a dona desse sapato? Como é que ele veio parar no seu escritório? - ela se esgüelava.
- Não tenho a menor idéia - retrucou ele com cara de espanto.
- Ah, não. Essa não. Vai me dizer que ele veio parar aqui sozinho?
A discussão durou horas. Ela acusando Estevão de mulherengo, sem vergonha e ele sem saber o que dizer, o que fazer. Se defender de quê, se não tinha aprontado nada?
Foi com esse clima que ela se foi definitivamente, batendo a porta. Sozinho, ele se pergunta: quem é a dona desse sapato amarelo? A Cristina, nunca a trouxe para sua casa, a Laurinha não ia lá há semanas. A quem então pertencia aquele sapato?
Como já estava meio cheio da Dorinha, era eu caso há anos, Estevão resolveu assumir. Sim, este sapato é da... da moça com quem tenho saído. Mas assumir o quê, diabos? Este sapato é da... da... precisava arranjar um nome para a dona do sapato, qualquer um, desde que de mulher bonita.
- Dorinha, vou te confessar, aquele sapato é da Karina - narrou uma história detalhada. Um dia, num restaurante lá na cidade... depois fomos... - inventou uma Karina, uma moça de gosto exótico, pelo sapato amarelo..., um romance com ela e ponto final no caso Dorinha.
Como estava inventando uma Karina, resolveu que ela seria especial, ia caprichar na produção. Rosto da Farah Fawcett, tudo - cabelos, olhos, boca -, ar sexy da Bety Faria, corpo escultural - melhor do que o da Monique Evans e foi por aí.
Fez uma planilha de atributos e critérios. Quando à-toa, ficava concebendo a sua Karina, aprimorando, a nível de detalhes, seu modelo de mulher ideal. Ficou obcecado pela idéia - diga-se de passagem, Estevão tinha uns envolvimentos meio especiais. Já se apaixonara por dois manequins de vitrines ao mesmo tempo, o que só passou quando cismou que estava sentindo um chamamento de uma sereia...
Uma noite, dona Alzira, sua faxineira, falou:
- Dr. Estevão, ligaram há pouco para o senhor.
- Deixaram recado?
- Sim, era uma tal Karina. Disse que ligaria mais tarde.
- Quem? Cristina?
- Não, senhor, Karina!
- Karina?
- É. Por que a cara de espanto?
Estevão não respondeu. Correu para o sapato amarelo - a sua única ligação com aquela espécie de fada. Só podia estar sonhando. Deitou-se na cama, fechou os olhos e pensou: "Bem, agora vou acordar e as coisas vão voltar ao normal."
Abriu os olhos e tudo continuava igual. Não era sonho - Karina ligou, que coincidência mais estranha.
Ele estava perdendo o juízo. Passou a ser visto falando sozinho na rua, rindo do nada e gesticulando para ninguém.
Mal chegava em casa, a primeira coisa que fazia era olhar e acariciar o sapato amarelo da Karina.
A situação se estendia por cerca de um mês, quando um dia, ao procurar seu objeto de adoração, não encontrou.
- Dona Alzira, onde está o sapato amarelo?
- Hoje a tarde veio aqui aquela moça que ligou um dia para o senhor, Karina, e levou o sapato. É dela. Muito bonita, parecidíssima com uma artista americana que aparece em filmes na televisão - uma daquelas que trabalhava nas "Panteras". Tem o jeitão todo da Bety Faria, muito sexy. Não entendi bem o que ela falou para avisar ao senhor. Foi alguma coisa de desaparecimento, nunca mais, partida para... sei lá onde... outro mundo? eu hein!
À noite batem à porta. Estevão corre para atender, ansioso.
- Oi, resolvi perdoar você - era Dorinha se insinuando para voltarem, estava com medo da AIDS.
Meio desajeitados, beijaram-se sem ênfase, sem sensação, mas com um certo afeto - ele com o pensamento longe, pensando na Karina...
E os dias voltaram a ser iguais. Igual a anteontem, a ontem, igual a hoje, igual a amanhã e a depois de amanhã, isto até o seu próximo envolvimento de características fantásticas.


[b]Escritor, músico, pensador, futurista e visionário. Atualmente é Beatles researcher e vive a maior parte do tempo na Urca (Rj).
[/b]

(ABRIL/1990 - do livro Sexo, Mulheres e Ecologia DE LUIZ OTÁVIO)
 
Autor
Studio41
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2250
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.