https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Encruzilhada

 
Tags:  solidão  
 
Encruzilhada

Na noite da eterna solidão,
perscruto os ecos brumosos
do éter rendado de prata.
(Só o silêncio lúgubre me cerca
e mil imagens se formam loucas
no tracejado imaginário do vazio).

Neste silêncio, adenso o olhar
e emudeço o coração inquieto
no limite do desfalecimento fatal.
(Meu espírito se eleva célere
e, na imaginária tela, rabisco
traços aleatórios de teu corpo).

Mas, na encruzilhada destes esboços,
esbato os tons quentes do tremeluzir
e realço os tons negros e os alvos.
(Afugento, assustadas, as sombras
de cinza, quando minha mão se eleva
num toque impossível do imaterial).


Poet@ sem Alm@
João Loureiro


Open in new window

Lisboa, 15/06/2015
 
Autor
Poeta.sem.Alma
 
Texto
Data
Leituras
314
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/06/2015 12:15  Atualizado: 16/06/2015 12:15
 Re: Encruzilhada
"Solidão na noite eterna.
Vazia e oca.
Dor que não é nada pouca.
Alma que hiberna".

Eu gostei! Aliás, sempre gosto do que escreves. Muito intenso.

Abraços,

*Anggela*