https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sombrios : 

Inutilidades

 
Tags:  breu  
 
Inutilidades

São inúteis todos meus poemas
que clamam os amores excelsos
quando minha alma sangra de dor
num imenso abismo da solidão.

Que inúteis são minhas lágrimas
vertidas no deserto de meu ser
fustigado por ventos de negação
envolvendo as emoções de morte.

Tão inúteis são meus suspiros
almejando quem os ouça, atenta,
se minha boca emudecida de raiva
não ousa mais dizer: "amo-te!".

Que inúteis são meus olhos cegos
que não enxergam senão o negro
da noite infinita sem estrelas
esperando o toque de finados.

Inutilidades são estrelas novas
desencadeando o caos no caos
dos meus sentimentos traídos
de mentiras, ceifados d' emoções.

De todas estas inutilidades,
Tem este poema prenho de loucura
esvaindo-se no desespero final
de nunca ser lido por quem se ama.

Inutilidades apenas!
Tais como eu...


Poet@ sem Alm@
João Loureiro


Open in new window

Lisboa, 28/06/2015.
 
Autor
Poeta.sem.Alma
 
Texto
Data
Leituras
531
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/06/2015 11:25  Atualizado: 29/06/2015 11:25
 Re: Inutilidades
Nada é inútil poeta!

Muito menos, um poema!

Adorável!

Abraços,

*Anggela*