https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

FALÁCIAS DE AÇAFRÃO🍁

 
FALÁCIAS DE AÇAFRÃO🍁
 
A poesia caminha avança sobre
O calvário desfeita em nó
Maldito este círculo tão apertado
Perfumado de mortos

Oh morte que estiveste só
Por horas, dias, meses e anos
Cama de pés gelados
Braços esticados com mil demónios

Falácias brotam no sangue
Coração de renúncia e inquietação
Asas decepadas num sonho
Para impedir o voo no falatório

Excesso de vozes repetidas na alma
Na mente, no corpo doente
Vagam pelo espaço
Desfeito no tempo sugam o mel do feitiço

Sonhos de fogo coberto de sangue
Afrontando os nossos anjos
Na calada da noite, no próprio abandono
Sente-se as garras de dor o rufar dos tambores

Clamor de uma poesia feita de esquecimento
Oh ânsia que despertas o açafrão acorrentado
Geleia do nosso ouro.



╭✿ ♥
Não me considero poeta
Descobri escrevendo por acaso

Você pode copiar, distribuir, exibir, executar
desde que seja dado crédito ao autor original.


Há sonhos
Que são impossíveis
De se lembrar

⏰🌺🍁

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Autor
IsabelRFonseca
 
Texto
Data
Leituras
1115
Favoritos
7
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
81 pontos
9
8
7
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 31/03/2018 00:24  Atualizado: 31/03/2018 00:24
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6763
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO
Boa noite,

Quanta maestria
num texto forte!

Parabéns,feliz páscoa.

Mary Jun


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 27/09/2018 22:29  Atualizado: 27/09/2018 22:29
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1206
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO
Poema com uma força e uma carga extrema.
Não se deve deixar levar pelas falácias dos medíocres
Mesmo que nos achem tolos.
Numa poesia feita de esquecimento, com o açafrão acorrentado.


Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 28/09/2018 10:34  Atualizado: 28/09/2018 10:34
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1936
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO
Querida poetisa... uma imagem forte criada nos teus versos quando não conseguimos alcançar a nossa voz interior.. por tantos medos que por vezes nos cercam. Gostei muito! Levo comigo. Beijos!

Enviado por Tópico
RicardoC
Publicado: 28/09/2018 15:03  Atualizado: 28/09/2018 15:04
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2015
Localidade: Betim - Minas Gerais - Brasil
Mensagens: 4326
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO
Penso que a grande falácia do Açafrão -- ou do que dizem d'ele ser -- é essa ideia disseminada de que alguns gramas de especiaria são o bastante para promover epifanias no paladar. Falácia, porque há dias em que nada nos tira o amargor da boca e d'alma. A descrição de sua intimidade como "maldito círculo de mortos" me fez imaginar um moribundo acamado por anos cujos pés gelados lhe atormentam. Tudo o mais no poema sugere dor, doença, resignação ao que não se controla e nos controla, sobretudo a morte eminente. Enquanto isso, falam ao redor do moribundo acamado: lamentos, acusações, fofocas, piadas?... Não importa. O importante é que esse falatório lhe rouba a paz e espanta anjos consoladores. O facto que a poesia, n'esse estado de coisas, seja feita de esquecimento me parece bem coerente. O mesmo não digo do açafrão acorrentado (que nada me disse enquanto imagem) ou da "geleia do nosso ouro" que parece qualificar a imagem que me fugiu como alimento precioso. Não sei, realmente não sei...

De qualquer forma, cara Isabel, felicito-me por topar com esse teu poema já antigo graças ao comentário de Carii.

Abraços, RicardoC.

Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 22/05/2020 10:45  Atualizado: 22/05/2020 10:45
Super Participativo
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 130
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO🍁
REPOUSO NA ALEGRIA, COMEDIDO

Leda serenidade deleitosa,
Que representa em terra um paraíso;
Entre rubis e perlas, doce riso,
Debaixo de ouro e neve, cor-de-rosa;

Presença moderada e graciosa,
Onde ensinando estão despejo e siso
Que se pode por arte e por aviso,
Como por natureza, ser formosa;

Fala de que ou já vida, ou morte pende,
Rara e suave, enfim, Senhora, vossa,
Repouso na alegria comedido:

Estas as armas são com que me rende
E me cativa Amor; mas não que possa
Despojar-me da glória de rendido.

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"

Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 22/05/2020 16:31  Atualizado: 22/05/2020 16:31
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1206
 Re: FALÁCIAS DE AÇAFRÃO🍁