https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Sem Saudade! Sem Dor!

 
Sem Saudade! Sem Dor!

Nos silêncios ruidosos da noite,
Prostro-me na inquietude vivaz
Da insónia que me castra o sono.
Desfilam castros de recordações
Que teimam ser a maldição crua
De lágrimas estéreis já vertidas.

Tento adormecer o sono negado,
Afastar os pesadelos que persistem,
Negar os sonhos que me cercam
De emoções, sentimentos e razões.
Tento libertar-me das vis vivências,
Remetê-las à urna do esquecimento,
Cortar pela raiz deleitosos suspiros,
Imolá-los na pira fúnebre da negação.

Se a saudade se prolonga na ausência
De um amor vivenciado pela eternidade,
Que demência me sonegou os tormentos
Da solidão, do desespero, da raiva, da dor?
Não! Nenhuma patologia me entorpece,
Só a certeza que esta saudade não existe.

Adormeço enfim; não são mais que resquícios
De uma década atribulada de ilusões fugazes,
Tentando afirmar-se com direitos concúbitos,
Ou a posse voraz do meu ser em desordem.
Rogo à alvorada que não me acorde mais,
Ao dia que decorra pejado de mil tarefas;
Para a noite não ter nem saudade, nem dor.


Poet@ sem Alm@
João Loureiro


Open in new window

 
Autor
Poeta.sem.Alma
 
Texto
Data
Leituras
381
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.