https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Soneto L1

 
Tags:  luciano    cerrado; poesia    Spagnol; poeta    Araguari    Goiás    Minas  
 
Como no cerrado o torto é vestuário
Desenhando no vento árida textura
Rajando o céu em escarlate mistura
O coração na paixão tem imaginário

Eu, na solidão, de imperfeita bravura
Vejo a desdita germinar no itinerário
E o amor em tal solene rito arbitrário
Frustrado pela própria azeda ternura

Fico então no conforto do contrário
Do que no peito me anuncia a tortura
Implorando amor com um destinatário

Mais, que o viver possa ter procura
E a vontade de ter amor seja vário
No afeto o amor no fado é ventura

Luciano Spagnol
25, maio de 2016
Cerrado goiano
Poeta mineiro do cerrado


"Sou alma do cerrado, pé no chão, do Triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha,das vilas ricas, arraiais, sou filho de Araguari, das Gerais".
Luciano Spagnol




 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
310
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 26/05/2016 09:51  Atualizado: 26/05/2016 09:51
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 748
 Re: Soneto L1
Grande técnica, meu caro. Sonetos destes não se veem todos os dias.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 26/05/2016 14:37  Atualizado: 26/05/2016 14:37
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Soneto L1 P/Luciano Spagnol
Pois, contraditório é fadário, quando não deixa ver o que é uniforme e muitas vezes o mais salutar para o bem, a paz, a ventura. Um bom e sagaz poema, gostei muito. Abraço Vólena