https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Nenhum lugar

 
O apelo da terra à lassidão do corpo
a cair centrífugo
em direção ao estalido do nervo.

A inabilidade das metáforas
no desvio do eixo
ou no pendor dos braços.

Chamas-me e soltam-se
pedaços do tempo
como janelas soluçadas onde encostei a voz.

Dás-me a tarde toda
como um ombro_
_âncora entranhada na solidão.

Os lábios presos
ainda ao deserto imenso dos medos desencontrados.


maria

 
Autor
outonal_idade(s)
 
Texto
Data
Leituras
286
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
erro
Publicado: 03/07/2016 19:34  Atualizado: 03/07/2016 19:34
Colaborador
Usuário desde: 04/03/2016
Localidade:
Mensagens: 845
 Re: Nenhum lugar
E alguém nesse lugar ouviu-te a voz...


Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 06/07/2016 20:12  Atualizado: 06/07/2016 20:12
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1362
 Re: Nenhum lugar
Gostei imenso de ler.

"como janelas soluçadas onde encostei a voz.", destaco por ser de grande força imagética.

Parabéns.