https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A carta

 
E eu corria por dentro de nós,
menina-flor,
lembras-te, minha mãe,
os olhos
barcos de espanto, a fugirem com o vento.

Pronunciava palavras interrompidas,

[ em que o céu era todo meu ]

quando entre os teus olhos
e a minha voz,
caía a linguagem impenetrável do silêncio.

Sei que te doía no corpo o exílio dos ramos,
extinguia-se a teus pés
o tardio clamor das árvores.

Por isso, decompus palavras em silêncios
e água
quando nas minhas mãos plantei um punhado de terra
e me ensinei a respiração das flores.

E no céu que era só meu,
menina-flor,
crescia uma subtil primavera de luz,
albergue de eternidades
e dos voos inocentes dos olhos
preparados para nascer.
E havia as tardes
de pássaros
e as sílabas abertas e errantes
a ousar no delírio dos lábios.

Mas só eu,
menina-flor,
colhia flores no meu céu.

Era denso o mundo,
e foi estreito o tempo,
minha mãe.

E eu perdi-me de ti
e de mim me perdi,
menina-flor,

tanto, tanto,

minha mãe.



maria

 
Autor
outonal_idade(s)
 
Texto
Data
Leituras
224
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/07/2016 15:38  Atualizado: 10/07/2016 15:38
 Re: A carta
Nossa, que poesia linda onde a linguagem conotativa saiu muito bem!