https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Mariposa

 


Aquela é a mulher

que tem medo da sombra.

Insinua-se na parede caiada de branco

pelo incêndio da tarde


cinge ao peito o fogo mais aceso da luz.


E voa

casulo e vendaval

ao silêncio prometido

dos pássaros.



maria


 
Autor
outonal_idade(s)
 
Texto
Data
Leituras
434
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
6
2
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/08/2016 14:19  Atualizado: 01/08/2016 14:19
 Re: Mariposa
...poesia mais que perfeita querida. Belíssima. Parabéns. Agradeço a visita.


Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 03/08/2016 15:30  Atualizado: 03/08/2016 15:31
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: Mariposa
Mariposa… “a mulher /que tem medo da sombra”
mas as mariposas são, essencialmente, animais nocturnos, o que torna este poema, desde o início, uma contradição.
Contudo, é certo que as mariposas são atraídas pelas luzes (principalmente por luzes artificiais porque é de noite que mais se mostram) e que se aproximam delas, tendo dificuldade em se afastarem, rodeando-as e rodeando-as, infindavelmente…
Então, juntando os dados, que Mariposa é esta?
Uma mulher que se esgueira da sombra (por, talvez, nela existir com mais intensidade), insinuando-se “na parede caiada de branco/pelo incêndio da tarde” (que maior brancura poderia existir, senão a de uma parede “caiada de branco” em plena tarde?)
Esta Mariposa, que se sente atraída por tamanha alvura, “cinge ao peito o fogo mais aceso da luz” porque, possivelmente, sendo um animal de sombra, precisa desta luz para se poder equilibrar.
Uma vez cheia de luz, a Mariposa “voa”, entre o “casulo” - onde existe como sombra, recolhida - e o “vendaval” a que se expõe para recarregar a força com que as asas batem nos céus…
Por esta altura, perdemos o rasto da Mariposa e ficámos em silêncio, sem perceber o que lhe aconteceu…
mas como o leitor é, também, intérprete: eu cá prefiro pensar que esta mulher, agora tão cheia de luz, se converteu num pássaro – já não tendo medo das sombras – conseguindo, agora, projectar-se pelos dias mesmo sobre paredes com sombra. Encontrando, por fim, um lugar no mundo, com menos contradição.
Um poema enigmático e pleno de imagens.


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 04/08/2016 07:56  Atualizado: 03/01/2019 11:08
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1580
 Re: Mariposa
A mancha gráfica é a dum casulo. Bom começo.
Colocar a mariposa ao nível das aves (à primeira vista superiores) coloca a protagonista num estado excelso.
O medo faz parte da vida mas, neste poema, ele é um principio de uma viagem maravilhosa.
Luz e fogo e voo.

Sei lá. Gostei muito.
Obrigado.

Bj