Sonetos : 

SOLIDÃO BORRALHEIRA (soneto)

 
Tags:  poesia    poemas    luciano    Spagnol    cerrado    araguarino    pauta  
 
Erma solitária solidão borralheira
Que atulha o cerrado de melancolia
No entardecer encarnado em romaria
Alongando o minuto em hora inteira

Assim só, os sonhos vão pra periferia
A espiar a sofrença além da fronteira
D'alma, caraminholando oca asneira
A crepitar agonia em atroada sombria

O vazio do imenso céu sem cabeira
Nos engole com chilreio e zombaria
Galopando apertura numa carreira

Tétrico encanto da solidão crua e fria
Que do silêncio é a sua mensageira
E que ao coração saudades anuncia!

Luciano Spagnol
Poeta do cerrado
Janeiro de 2017
Cerrado goiano


"Sou alma do cerrado, pé no chão, do Triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha,das vilas ricas, arraiais, sou filho de Araguari, das Gerais".
Luciano Spagnol




 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
65
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
4
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 11/01/2017 06:51  Atualizado: 11/01/2017 06:51
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 1157
 Re: SOLIDÃO BORRALHEIRA (soneto)
Magnífico soneto, estimado Luciano.
Meus parabéns!!!


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 11/01/2017 11:56  Atualizado: 11/01/2017 11:56
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 10005
 Re: SOLIDÃO BORRALHEIRA (soneto) P/ LucianoSpagnol
Um encantador título para um lindíssimo poema, adorei e guardei, um grande abraço Vólena