https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Tudo e isto ...

 
Tudo e isto ...
 
Tudo e isto …


Tenho por costume sentir tanto
Como se nada viesse doutros tinos, o uso
Que tento dar ao sentir como sentisse
Real tectos falsos, estou reduzido

Ao que sinto, sentindo tão pouco
Embora tanto, mas tampouco são
É o pensar que muda fácil, descalço-me
E subo os veios duma figueira-brava,

Não é inteligência nem puro raciocínio
Este jogar de cartas fácil por debaixo
Da mesa, são antes os dados da roleta,
A raiz em números desta ilusão de dizer

Certas coisas que sinto como água benta
Correndo mil vezes mais lenta nas veias
Que chuva de parafina quando cai à vista
Fixa ao pensamento, se é que ele existe

Apenas porque o tento alcançar tanto,
Causa perdida tara breve, mentira,
Embuste, simbiose, ficção que parece
Quase graça mas faz lembrar maldição

Ou a guerra dos sentidos de encontro
Às paredes do enjoo, mais-valia eu ter
Estômago de mar-alto em vez de sentir tudo
E isto …




Joel Matos (02/2017)
http://joel-matos.blogspot.com


Joel Matos , aliás namastibet

 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
1300
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
58 pontos
18
4
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/02/2017 22:15  Atualizado: 24/02/2017 22:15
 Re: Tudo e isto ...
* sei da tua sensibilidade.
senti-a na primeira vez que te li anos atrás.
E admiro sobremaneira tua escrita porq me alcança alma e mente.
Abraço de super fã
K*



Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 03/03/2017 11:34  Atualizado: 21/07/2017 18:55
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
 Duvido de tudo que dos olhos vem

Não sei escrever poemas de amor
Duvido da matéria que compõe
O universo, das flores o cheiro
Mas não da natureza e deliro

Quando escrevo estando muda
Esta mas das flores não duvido
Duvido se os poemas de amor
Existem mesmo ou onde moram

Na ciência dos sonhos que descrevo
P'los perfumes que não sinto d'lírios
Em flor, não sei mais fazer poemas,
Seja de amor ou sobre-o-que-for,

Duvido de tudo que dos olhos vem
Ou nos braços repouse, da existência
E das romãs, apesar da cor a sangue,
Apenas num algoritmo acredito

Que é ser viva a natureza e pródiga
A substancia que habita o universo
E em mim mesmo, não sei escrever
Poemas de amor, duvido...


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 15/05/2017 17:21  Atualizado: 21/07/2017 18:55
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
 Areais de Portugal
Areais de Portugal

São de areia e sal
feitas as praias,os cais
de pedra e cal e as ameias
dos castelos,
as lágrimas deste Portugal,
apenas água e pouco mais,,,

Jorge Santos

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 21/07/2017 18:46  Atualizado: 22/07/2017 12:22
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1937
 Arroz de Beiças


Não queRo cá meças ...


Pois pinto o que me apetece
O que quero é ter eterna
A natureza depois de mim
E um bocado de céu que lembre

Uma qualquer minha canção
Não quero cá "meças" métricas
Vivo das beiças da ortografia
E sou ágil quanto do sapo o salto

Ou régio veneno da Mamba




Open in new window


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 02/08/2017 18:15  Atualizado: 02/08/2017 18:15
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
 Re: Tudo isto é verde ...
Open in new window