https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

De veneno está meu corpo imune ...

 
De veneno está meu corpo imune ...
 






De veneno está meu corpo imune,
De bagaço quero aquele que arde,
De poesia quero a que me incomoda,
Dos loucos os que me enfrentam

E empurram pro poço sem fundo
Com a corda à garganta, a mesma
Que uso pra me sentir livre o resto
Do tempo e dizer o que me dá-na

-Gana, como que parindo da alma uma coruja,
Como quem rasga e dana o pescoço,
Na suja e maldita corda que não afrouxa,
Nem dá sinal de partir a alta figueira.

De veneno está o meu corpo imune,
O pecado é perder o céu, suponho,
Não o procuro, do veneno quero o mais puro,
Pra beber entre os bruxos de olhos negros,

Com a corda na garganta e nas mãos,
O rosto curvo, cego ...

Da peçonha será meu corpo impune,
De bagaço quero aquele que arde,
De poesia quero a que me incomoda,
Dos loucos os que me enfrentam

E empurram pro poço sem fundo
Com a corda à garganta, a mesma
Que uso pra me sentir livre o resto
Do tempo e dizer o que me dá-na

-Gana, como que parindo da alma cuja
Como quem rasga e dana o pescoço
Na suja e maldita corda que não afrouxa
Nem dá sinal de partir a figueira alta.

De veneno está meu corpo imune
Pensamento e acção são ânsia e dor,
Para mim quando fico gelado do sentir
Para baixo sem conciliação ou paz,

De peçonha será meu corpo imune,
Mas jamais do castigo que carrego
E me faz cantar com ruído e sem
Sossego e corrói tal o ácido clórico

Ou o hálito do medo ...













Joel Matos (07/2017)
http://joel-matos.blogspot.com






 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
983
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
59 pontos
13
7
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 25/07/2017 16:47  Atualizado: 25/07/2017 16:47
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1739
 Imune
Open in new window

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 25/07/2017 16:54  Atualizado: 25/07/2017 16:54
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1739
 Ritual
Open in new window

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 25/07/2017 16:58  Atualizado: 25/07/2017 17:12
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1739
 Maybe human ...
Open in new window


Enviado por Tópico
Ana_She
Publicado: 26/07/2017 07:02  Atualizado: 26/07/2017 07:02
Da casa!
Usuário desde: 15/04/2017
Localidade:
Mensagens: 287
 Re: De veneno está meu corpo imune
Um corpo bem resistente. Bonita poesia. Parabéns!

Brindemos então com veneno ;)

Abraço fraterno

Ana


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/07/2017 00:44  Atualizado: 27/07/2017 00:44
 Re: De veneno está meu corpo imune
* da Poesia quero a que me incomoda!
Só esse verso já me enlaçou.
Tua poética ferve Vida nas artérias!
Ler-te é um prazer para o intelecto e muitas vezes te releio e releio e releio.
Beijoka* de super fã


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 01/08/2017 17:38  Atualizado: 01/08/2017 17:38
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1739
 Re: De veneno está meu corpo imune,
“os poetas são animais duma exótica espécie
antediluviana, onde todos os seres vindouros e passados coexistem, misturando e
confundindo as suas formas” (Pascoaes, 1987)

Ou o seu nome de guerra, Teixeira de Pascoaes. Jorge
Coutinho cita Montezuma de Carvalho, que o descreveu assim inteiro: “o sítio chama-se de
Pascoaes. O Poeta plantou aí a raiz do seu nome literário e a sua poesia está presa
ao mundo e com o próprio mundo se confundindo…”

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 02/08/2017 11:51  Atualizado: 02/08/2017 11:51
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1769
 O rei nu ...




A palavra é curva
Nunca atinge
o alvo
Só o silêncio
é recto
Mas a chama de um e de outro
limpa a lepra do tempo
e descobre a fonte branca
como o desenho latente que na página respira

António Ramos Rosa



José Gomes Ferreira

Foi numa manhã de flores lúcidas
(com o sol a nascer oculto)
que vi de repente
romper das pedras e das árvores
uma luz de terra
a iluminar a discórdia de tudo
da harmonia de haver alma
a sangrar da realidade.

E desde então
fiquei preso ao suor do sol do mundo
pelas algemas da liberdade





Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 05/08/2017 15:50  Atualizado: 05/08/2017 15:50
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9199
 Re: De veneno está meu corpo imune,
Bom dia Joel, todos carregamos nossos medos,e arrotamos nossas bravuras, parabéns pelos vossos incisivos versos, um abraço, MJ.


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 15/04/2019 11:22  Atualizado: 15/04/2019 11:22
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1769
 Re: De veneno está meu corpo imune ...
Open in new window