https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Duvido de tudo que dos olhos vem ...

 
Duvido de tudo que dos olhos vem ...
 


Duvido de tudo que dos olhos vem,

Não sei escrever poemas de amor,
Duvido da matéria que compõe
O universo, das flores o cheiro
Mas não da natureza e deliro

Quando escrevo estando muda
Esta, mas das flores não duvido,
Duvido se os poemas de amor
Existem mesmo ou onde moram

Na ciência dos sonhos que descrevo
P'los perfumes que não sinto, d'lírios
Em flor, não sei mais fazer poemas,
Seja de amor ou sobre-o-que-for,

Duvido de tudo que dos olhos vem,
Ou nos braços repouse, da existência
E das romãs, apesar da cor a sangue,
Apenas num algoritmo acredito,

Que é ser viva a natureza e pródiga
A substancia que habita o universo
E em mim mesmo, não sei escrever
Poemas de amor, duvido crendo ...




Joel Matos (03/2017)
http://joel-matos.blogspot.com


Joel Matos , aliás namastibet

 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
1273
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
52 pontos
14
7
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 05/03/2017 11:56  Atualizado: 05/03/2017 11:56
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2118
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Open in new window

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/03/2017 13:30  Atualizado: 05/03/2017 13:30
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Escreves lindamente !
Abraço



Enviado por Tópico
oceanico
Publicado: 05/03/2017 13:43  Atualizado: 05/03/2017 13:43
Da casa!
Usuário desde: 19/11/2014
Localidade:
Mensagens: 293
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Nossos sentidos fazem as capitações, nossas mentes faz a ação, os pensamentos agem também pelo olhar. Duvidar dos olhos ele fica sem seu senso.

martisns


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 05/03/2017 14:30  Atualizado: 05/03/2017 14:30
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16342
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Joel
Se não consegue acreditar no que os olhos veem, então tente confiar no que o coração sente...
Adorei esse final!

Poemas de amor, duvido crendo...

Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 05/03/2017 19:39  Atualizado: 05/03/2017 19:39
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2662
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Igual que as cartas de amor, os poemas de amor devem ser ridículos. Mesmo assim, sem amor a vida tem sentido…?

Meus parabéns pelo poema, gostei muito.
Abraço


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/06/2017 00:23  Atualizado: 12/06/2017 00:23
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
duvidando cremos todos

um belo mote inicial que com a mera introdução de uma preposição altera o sentido do verbo ver para vir. vir e ir da crença a descrença, árbitro do sentir, olhos, vendo



Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 14/01/2020 20:33  Atualizado: 14/01/2020 20:35
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1067
 Re: Duvido de tudo que dos olhos vem ...
Open in new window


A indicação do filme Democracia em Vertigem não surpreende ninguém no meio artístico, muito menos um artista como eu, que vem há anos denunciando a ditadura no meio cultural.

Antes de explicar a estrutura dessa ditadura, reproduzo abaixo uma mensagem que um amigo escritor enviou a mim na semana passada.

“Alguns anos atrás fui finalista num importante prêmio de literatura. Foram alguns meses de assédio no meio cultural, acadêmico e jornalístico. A galera esquerdista queria sondar esse tal escritor que vinha do nada, sem passado, sem luta política, sem Cuba. Um dia recebi uma caixa de Sedex com vários livros da autoria de um fulano influente na burocracia cultural do estado de SP. Nunca tinha ouvido falar dele, o que não chega a ser demérito para o fulano, mas me espantou ver como ele era bem relacionado e badalado nos circuitos internos dos eventos culturais paulistas. Havia um grupo de pessoas em torno de premiações, feiras, turnês, projetos etc. Sempre os mesmos, e sempre gente de quem você nunca ouviu falar. Respondi ao fulano com um e-mail gentil e na semana seguinte recebi revistas editadas por uma organização que ele presidia (já não lembro o nome, mas era alguma coisa ligada ao mundo acadêmico, tipo um núcleo de estudos ou coisa parecida).

A matéria de capa de uma das revistas era sobre o Irã. Na verdade, toda a revista era sobre o Irã. Entrevistas, fotos, artigos escritos lá e cá. A revista era claramente pró-aiatolás e antiamericana. Um de seus artigos denunciava a propaganda ocidental contra o islamismo e em favor do imperialismo americano etc. Joguei tudo fora e decidi não me aproximar dessas pessoas. Tive uma relação educada e protocolar com alguns deles, mas ficou bem claro para todos que eu não partilhava de seus ideais. Fui tolerado no começo e pouco a pouco excluído.



João Cesar de Melo