https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Aos desígnios que inventei só porque sim ...

 
 Aos desígnios que inventei só porque sim ...
 




Cheiro de jasmim e cana cortada ou
Os desígnios que inventei só porque sim...

Num tempo em que as paisagens eram florestas
E virgens as videiras, o dom do sonho era comum
Com os demais, tal como os cheiro a jasmim e
Cana cortada, todavia era minha alma incompleta

Sem os desígnios que inventei só porque sim,
Marquês dos sonhos e de tudo o que não tem fim
Em mim próprio, estar perto de ter estrelas no colo,
Em vez de estilhaços e pedaços de cana bamboo,

Não me concedem o direito aos saberes todos
Da Terra, a mim tanto se-me-dá, esqueço e ponho
Os desígnios acima de tudo e da copa das florestas
Pra que o mundo me deixe a sorte certa de ser eu,

Crível quanto as plantas cortadas em viés e delta,
Marquês dos sonhos, catedrais que erigi, só em solo
Do que poderiam ter sido ruínas que ninguém conhece,
Impossível dormir sem a veleidade de ser feito de céu,

Deusas princesas brincando com minha alma
E eu dono dos jardins de “quanto-se-pensa-existe”,
Num tempo em que as paisagens eram florestas,
Deus deixou um espaço entre os ramos pra que o luar

Me revelasse o caminho, a vereda que sigo e me levará
Ao que inventei, só porque quis chamar de desígnio
Ao que é natural em mim, sonhar tanto e tudo,
Desde que o mundo me deixe sonhar acordado.




Jorge Santos (03/2017)
http://namastibetpoems.blogspot.com


Jorge Santos, aliás Joel Matos,aliás namastibet

 
Autor
Jorge-Santos
 
Texto
Data
Leituras
1136
Favoritos
5
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
67 pontos
15
6
5
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
rodas
Publicado: 14/03/2017 22:55  Atualizado: 14/03/2017 22:58
Da casa!
Usuário desde: 16/01/2017
Localidade:
Mensagens: 367
 Re: Aos desígnios que inventei só porque sim ...
Bendito espírito que sonha visagens
Com dupla visão na linhagem da direita e esquerda
Dos lados dos sabores e texturas de ambas
Dimensões e assim reconhece e segue intrépido o caminho
Que precisa caminhar o criando.

PS: estrelas no colo são filhos herdeiros
Daquele que canta os sons do infinito.



Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 14/03/2017 23:34  Atualizado: 14/03/2017 23:34
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: Aos desígnios que inventei só porque sim .../ PARA JORGE SANTOS
Somos semi deuses, podemos criar, inventar e muito mais. Temos até o poder de olhar para além daquilo que se vê e muito perto do que a alma sente.

A sensibilidade está presente em seus textos e traduzem o invisível, o que torna possível a leitura. Não dá pra permanecer indiferente após isso...

Parabéns Jorge, você é demais de bom!!



Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/03/2017 21:29  Atualizado: 15/03/2017 21:29
 Re: Aos desígnios que inventei só porque sim ...
Poeta Jorge santos, o calor das suas mãos geram a ternura que divide conosco... Obrigada!
Deixo aqui um abraço de carinho pra ti poeta!

Maria Laís


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 24/06/2017 10:50  Atualizado: 24/06/2017 10:50
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2064
 Aos desígnios
Open in new window




Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 22/05/2018 15:05  Atualizado: 22/05/2018 15:05
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2064
 Aos fios da memória ...

Ricardo Reis


A nada imploram tuas mãos já coisas,
Nem convencem teus lábios já parados,
No abafo subterrâneo
Da húmida imposta terra.
Só talvez o sorriso com que amavas
Te embalsama remota, e nas memórias
Te ergue qual eras, hoje
Cortiço apodrecido.
E o nome inútil que teu corpo morto
Usou, vivo, na terra, como uma alma,
Não lembra. A ode grava,
Anónimo, um sorriso.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 24/01/2019 20:37  Atualizado: 24/01/2019 20:37
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2077
 Re: Aos desígnios que inventei só porque sim ...
No pasaran!....