https://www.poetris.com/
Poemas : 

Invejo aquele que nasce e não morre, o Tejo ...

 
Invejo aquele que nasce e não morre, o Tejo ...
 


Tudo o que sorri me alegra
O rio, sobretudo o céu azul
Um barco, o embarque no
Cacilheiro, Porto Brandão

Cacilhas, ao raiar do dia
O Barreiro, parte de mim,
Ou o que eu mesmo fui.
Tenho no rio a quietude

E a surpresa se se pode
Chamar assim à tristeza
Que me dá quando vejo
Aquele que nasce e corre,

Como nas veias sangue
Verde/azul-cinza...



Jorge Santos (07/2017)
HTTP://namastibetpoems.blogspot.com




Jorge Santos (Namastibet)

 
Autor
Jorge-Santos
 
Texto
Data
Leituras
174
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
27 pontos
3
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 06/07/2017 10:17  Atualizado: 06/07/2017 11:02
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal, Portugal, Azeitão
Mensagens: 340
 Re: o que corre nas minhas veias de mar e me mata lento ?...
Open in new window

Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 16/07/2017 01:11  Atualizado: 16/07/2017 01:13
Da casa!
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 405
 Re: da certeza de que fui triste p/ Jorge
da certeza do que fui, e já não posso ser, alegra-me a sensação de viver, camuflada entre as rotinas das quais não consinto mais o molde...e ontem, era na realidade consentida, apenas medo e visão indefinida, era névoa... hoje, pelos cortes na pele infringidos por esta estranha aparência de ser perante os outros, deixei verter as dores, vazou-se-me o sangue pelas feridas e o que me corre agora nas veias, é só o que deixo e quero que seja o meu novo mundo e gente nova...somente o que para a alma me serve de alimento e felicidade...triste, já não posso ser...abraços