https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Às vezes ...

 
Às vezes ...
 



Às vezes, o que resta na mão nos foge,
Tal e qual como num livro a palavra fim,
Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz
Que me foge sem razão, sinto que flui ao
Escrever mas não é certo, é uma imposição

Não o destino, porque pra isso não fui criado,
Escrever e ter as mãos caídas é disparate
De louco, ter tanta coisa à mão e não ter na
Mão nada, nem amor próprio, tanto quanto
Glória, fama ou sorte, quem dera não ser

Quem sou, mãos caídas solicitando ilícito
Parecer a prazo ou o aval de quem passa
Sem sentir passar pla alma dele o meu ser,
O estranho é não me sentir culpado da inércia,
Mesmo quando foge desta mão tudo

E eu sofro por isso, mas apenas um instante,
Assim como não ter uma coisa qualquer
Quando se quer tanto ter sem saber qual querer,
A sombra ou o seu suporte, a branca parede.
Às vezes, o que resta na mão nos foge

E eu sonho que sou o fio de água que flui e une
As sucessivas sensações que minha'alma consente,
Pois que verdadeiramente nada me foge,
Nada me dói, nada me prende,
Pertenço ao caminho e se me ergo é por

Imposição do mesmo ou por castigo
Aos deuses que renego.



Joel Matos (05/2017)
http://joel-matos.blogspot.com


 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
1193
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
54 pontos
16
7
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 10/05/2017 16:37  Atualizado: 10/05/2017 16:41
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1822
 Hubert Robert
Open in new window


Hubert Robert
Title: La Bièvre Date: 1768

Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 11/05/2017 20:07  Atualizado: 11/05/2017 20:07
Colaborador
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4176
 Re: Às vezes P/ Joel Matos
Olá Joel,

Já tive oportunidade de te dizer, que a tua habilidade e sensibilidade te proporcionam faceis escritos de imenso valor, de excelente português e uso inteligente dos vocábulos.

Tardei ultimamente em vir ler-te, falta de tempo e dor de alma... não interessa....

Mas hoje eu vim aqui, ler-te e levo a mente mais lotada de referências e excelentes assuntos para repensar.

Adorei o final: "E eu sonho que sou o fio de água que flui e une
As sucessivas sensações que minha'alma
consente,
Pois que verdadeiramente nada me foge,
Nada me dói, nada me prende,
Pertenço ao caminho e se me ergo é por

Imposição do mesmo ou por castigo
Aos deuses que renego."

Sonhar e verdadeiramente pensar sobre qualquer coisa que nos assalte o espiríto será sempre um ganho, e uma aprendizagem.
Obrigada e parabéns pela tua maravilhosa partilha.

Beijos
Eureka/Maria




Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 12/05/2017 20:11  Atualizado: 12/05/2017 20:11
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29152
 Re: Às vezes
Aqueles tantos que se desprendem doa vais levando até os instintos, sonhos plantados nos senso da vida, onde um algo grita vindo dos nuances


Enviado por Tópico
JoeWeirdo
Publicado: 02/06/2017 12:34  Atualizado: 02/06/2017 12:34
Da casa!
Usuário desde: 11/03/2010
Localidade:
Mensagens: 433
 Re: Às vezes
Como posso entrar no Luso e não ler algo teu? Impossível.



Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 10/06/2017 14:56  Atualizado: 10/06/2017 14:56
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11165
 Re: Às vezes
Matos,

Também ando refém dessa astenia...
Um abraço, conterrâneo.

Nanda




Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 12/05/2018 09:13  Atualizado: 12/05/2018 09:16
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1794
 Re: Às vezes

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 21/09/2018 16:01  Atualizado: 21/09/2018 16:02
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1822
 Re: Às vezes ...
Às vezes, o que resta na mão nos foge,