https://www.poetris.com/
Sonetos : 

DO POETA (soneto)

 
 
Do poeta o encanto aproxima manso
Cochicha suspiros na ádvena ilusão
Mergulha no ventre frágil do coração
Lastrando a inventiva num balanço

Do senso transbordam pulsátil rojão
Rematando a inspiração num lanço
Dando à alma asas e um remanso
Para com as mãos tocar a emoção

Torna à alma, e volta a navegar
Adentra com as formas de amar
Solitário, nos portais da criação

No silêncio, põe a vida a balançar
Balança com a vida a silenciar
E tem vida, na vida com paixão...

© Luciano Spagnol
Poeta do cerrado
Abril de 2017
Cerrado goiano


"Sou alma do cerrado, pé no chão, do Triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha,das vilas ricas, arraiais, sou filho de Araguari, das Gerais".
Luciano Spagnol




 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
41
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.