https://www.poetris.com/
Sonetos : 

AURORA NO CERRADO (soneto)

 
Tags:  poeta    soneto    cerrado    aurora    Luciano Spagnol  
 
Admirar-te enlevado na tua hora
Parindo no horizonte do cerrado
És tu oh virginal e formosa aurora
Silenciosa no céu titã e encarnado

Entre nuvens forasteiras, senhora
Alavam-me pensamentos tão alado
Na áurea nascente que me aflora
Anuindo devaneio pro encantado

Num arpejo de harpa por ti sonora
Aos olhos, num observar alumiado
Surgis em glórias e sem penhora

E a emoção neste plural batizado
Saúda, pois ufanar-lhe é anáfora
No teu fulgor angelical pavonado

© Luciano Spagnol
Poeta do cerrado
2017, 17/05, 04'35"
Cerrado goiano


"Sou alma do cerrado, pé no chão, do Triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha,das vilas ricas, arraiais, sou filho de Araguari, das Gerais".
Luciano Spagnol




 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
45
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.