https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

regressam novamente marulhares perdidos

 
........
.
...............
......
......................
...
..
.
.
.
....................................
..............................
************
******
*****************
***
.
......................

… um braço do sol ceifou águas resistentes
à insensatez

quando a transparência do malmequer
ensimesmo dominado
esgotava
os imperceptíveis movimentos aleatórios

de tantas vozes
sempre por perto. Razão absurda
concêntrica
forma interdita

neste lugar transitório. Silêncios.

Abriga-se a nudez do teu corpo
pelo estilhaçar da noite

sempre que pouso os dedos
nas palavras esquecidas
desfeitas
[contra muros e muralhas]

mistérios únicos
guardados por frágeis margens. As nossas.

Nos cantos dos corpos suados
regressam novamente marulhares perdidos

incapazes de resistir
ao imaginário cordão umbilical
presente. Nem sei se são necessários tantos dilúvios

indecifrável horizonte
com as portas escancaradas. Confesso-te

ainda não sei entender
a superfície das águas. Algures.

(Ricardo Pocinho - O Transversal)



"Floriram por engano as rosas bravas
No inverno:veio o vento desfolha las..."
(Camilo Pessanha)

http://ricardopocinho.blogspot.com/

 
Autor
Transversal
 
Texto
Data
Leituras
270
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
44 pontos
14
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 18/06/2017 08:33  Atualizado: 18/06/2017 08:33
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11102
 Re: regressam novamente marulhares perdidos
Ricardo,

Soberbo esse teu marulhar que se perdido...ainda bem que o encontrei por aqui.

BJ
Nanda


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 18/06/2017 09:34  Atualizado: 19/06/2017 05:00
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1335
 Re: regressam novamente marulhares perdidos
"...abriga-se a nudez do teu corpo/pelo estilhaçar da noite..."

Explicar a superfície da água é coisa para toda a vida.
Caso o rio, cuja superfície parece parada, sob uma corrente forte e perigosa.
A superfície do mar ondula, pica, sem contar com as correntes, está sujeita a várias "geografias".
Dos lagos parados, espelhos em que nos revemos, mas profundos e lodosos.
Tudo para que as palavras, esquecidas, sejam relembradas. Atiradas ao ar, ou ao mar...

Abraço marulhante


Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 18/06/2017 17:24  Atualizado: 18/06/2017 17:24
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8653
 Re: regressam novamente marulhares perdidos/ PARA TRANSVERSAL
Quando se resiste a uma força que surge ceifando superficies teimosas de nós mesmos, impedindo de ermergir o que está dentro, fica-se sem saber mesmo se são necessários tantos dilúvios...
Aos poetas cabe falar do estilhaçar da noite, dos marulhares perdidos...
E aqui, o poeta falou de forma intensa e densa, desses regressos...

Gostei.

Bjoss


Enviado por Tópico
Ro_
Publicado: 19/06/2017 12:27  Atualizado: 19/06/2017 12:27
Colaborador
Usuário desde: 25/09/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 3892
 Re: regressam novamente marulhares perdidos

Que lindo e intenso!
Um beijinho, Ricardo!

*-*


Enviado por Tópico
AlmaMater
Publicado: 19/06/2017 18:13  Atualizado: 19/06/2017 18:13
Da casa!
Usuário desde: 13/04/2017
Localidade:
Mensagens: 356
 Re: regressam novamente marulhares perdidos
destaco:

sempre que pouso os dedos
nas palavras esquecidas
desfeitas
[contra muros e muralhas]

mistérios únicos
guardados por frágeis margens. As nossas.




------**------_
_
_


tudo dá tudo chega às margens
não sei se perdido
não sei se moribundo
ou talvez antes cansado.

-de não ser-
-talvez do mundo-

as margens acolhem-nos
e o caminho é a superfície das águas.
de braços estendidos procuramos
alcançamo-las
e percebemos que de nada vale tentar compreender

pois,

apenas o abrigo à margem interessa.
o descanso.
a paz.
e uma certa forma de silêncio.
cúmplice.

Obrigada.

Assim como um Sorriso.
como um até breve às palavras

AM


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 20/06/2017 12:43  Atualizado: 20/06/2017 12:43
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 28180
 Re: regressam novamente marulhares perdidos
Um poema fantástico

Afloram os sentidos do tempo atentiado pelo destino onde a flores nascem das belas da manhã, sentilado pelos atavés dos anseios numa implificamção que não se retorce aos fados, candeado pelos pluvais do infinito que se molham com as manhã do entardecer, a anoitece com os murmurios indolaveis receados pelo leitos onde os rios grita a vida tocado pelos ventos desatualizados que vem de uma direção sem sentidos, atrofiando os calcuos dos aseios que grita que se arrastam os desfechos da vida.

poeta martisns


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 25/06/2017 22:30  Atualizado: 25/06/2017 22:30
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 8715
 Re: regressam novamente marulhares perdidos
Boa noite Ricardo, teus versos enredam uma cena em que os destemperos da vida dão o sabor especial aos momentos de conquistas logrados por um desbravador desta teimosia que é o nosso existir, parabéns pelo vosso incisivo poema, um abraço, MJ.