https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Entretanto, florescem os girassóis

 
A instabilidade dos espaços a desdobrarem
falhas e desabamentos.

[ Versos inabitáveis corporizam
luz-memória a desvendar madrugadas. ]

Mãos cansadas aguardam um tempo de permeio
oculto num ponto de partida
onde o céu me sabia de cor e sonhava as flores da utopia
que tempestades secaram.

Nada sei do mundo
e aprendo com o sol as estações
que se renovam ou o movimento
das sombras que ascendem no horizonte.

Dentro do coração da palavra todas as
chaves serão minhas. O mundo
nasce lá fora alinhado no vento
das manhãs pintadas de fresco. O recomeço das cinzas
ou da viagem da alma
primeira guardiã do tempo.



maria

 
Autor
outonal_idade(s)
 
Texto
Data
Leituras
212
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
8
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 25/07/2017 23:32  Atualizado: 25/07/2017 23:32
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: Entretanto, florescem os girassóis/ PARA OUTONAL_IDADE
Da mesma forma que os girassóis possuem um relogio interno que os fazem mudar sua direção ao sol, tipo uma rota, o poeta tem um sol interior que faz a poesia surgir e lapidar palavras.
Lindo poema lapidado o teu Outonal_
Gostei.

Bjos


Enviado por Tópico
Nininha
Publicado: 25/07/2017 23:47  Atualizado: 25/07/2017 23:47
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2016
Localidade:
Mensagens: 1717
 Re: Entretanto, florescem os girassóis
Olá Maria;

O renascer das cinzas faz-se constantemente (ou deveria fazer-se) porque o tempo não para!

Gosto imenso de passar por aqui e levar "chaves" para abrir a minha imaginação! Obrigada pela partilha!


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 26/07/2017 07:44  Atualizado: 26/07/2017 07:45
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1579
 Re: Entretanto, florescem os girassóis
"Ashes to ashes..." dizem-nos em cinzas, dizemos em pó.
"Pó foste, pó serás", seguindo a metamorfose do tempo, segundos Pitágoras e, mais tarde, Lavoisier.
Encarnas um flor que, apesar de cansada, observa as passagens das sombras e das estações.
Sem deslumbramentos, mas fico com a ideia de uma réstia de esperança, ténue, invisível a olho nú.
Não sendo um poema que fale do esplendor da luz, também não o é da obscuridão da sombra.

Gosto muito da tua escrita.
Mas isso, acho que já sabes...

Bj


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 01/08/2017 14:23  Atualizado: 01/08/2017 14:23
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29152
 Re: Entretanto, florescem os girassóis
Um belo poema aflorado de sentimentos, buscando os mais belos sentido de um amor plenos