https://www.poetris.com/
Poemas : 

calendas

 
..........
.
...............
.........
..............
.............
.
.
.
*************
*********
**
*********************
*
........
.............
...................
.

… repito a palavra
como a força do trovão

sem rever imagens que ela transporta
mais de duas miríades de vezes

nascem tal cogumelos selvagens
quando a noite se põe a sul
pelo raiar incompleto de longínquas luas

outras
as nuvens escondem-nas
sem piedade
apenas aguardando o momento
da nossa distração

oh l’amour!

I

ouço-te repetir ansiedades
olhas o infinito
mas aproximas-te sempre

demasiadamente perto. À beira do precipício

deste silêncio que se faz.

II

Tudo gira
até todos aqueles momentos

de um para o outro. Sem fim.





([primeiro texto da trilogia “oh l’amour”]

(Ricardo Pocinho – O Transversal)




"Floriram por engano as rosas bravas
No inverno:veio o vento desfolha las..."
(Camilo Pessanha)

http://ricardopocinho.blogspot.com/

 
Autor
Transversal
 
Texto
Data
Leituras
190
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
40 pontos
16
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RaipoetaLonato2010
Publicado: 06/08/2017 05:15  Atualizado: 06/08/2017 05:15
Colaborador
Usuário desde: 13/03/2010
Localidade: Paulínia-SP
Mensagens: 2388
 Re: calendas
'Tudo gira
até todos aqueles momentos

de um para o outro. Sem fim'.

Quando os olhos entregam-se,
são estrelas...
Giram dentro da alma, no mar
de amor infinito.


Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 06/08/2017 12:44  Atualizado: 06/08/2017 12:44
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8518
 Re: calendas/ PARA TRANSVERSAL
Aqui a poesia apresenta as melhores palavras em sua melhor ordem. Como todos as que nascem de ti, querido poeta!

Quando dois olhares se encontram, se faz beira o precipício. Tudo gira e não pode haver hesitação, é preciso que saltem para buscarem o amor, no voo!

Trilogia “oh l’amour”? ...que bom, espero a continuidade!

Beijos pra ti, poeta!


Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 06/08/2017 13:16  Atualizado: 06/08/2017 13:16
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 12557
 Re: calendas
Gosto muito do Simbolismo e do lirismo contido na sua poesia. Se, por vezes, não a entendo, sempre a sinto. Abraços, poeta!


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 06/08/2017 22:26  Atualizado: 06/08/2017 22:26
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 8652
 Re: calendas
Boa noite Tranversal, tens o dom da poesia, e um zelo extraordinário com a literatura, e sendo assim nos trás sempre as complexidades da vida humana não obstante as suas banalidades, e nesta mescla de sensatez, e desdenho vamos caminhando rumo ao nosso suspiro final, parabéns pelo vosso redundante poema, um abraço, MJ.


Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 10/08/2017 10:06  Atualizado: 10/08/2017 10:06
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 971
 Re: calendas


Enviado por Tópico
AlmaMater
Publicado: 10/08/2017 15:18  Atualizado: 10/08/2017 15:18
Da casa!
Usuário desde: 13/04/2017
Localidade:
Mensagens: 336
 Re: calendas
são as palavras toques ou beijos
vontades ou silêncios

ou coisa nenhuma

tudo parece vazio e inerte
sem o cheiro da vaga
o gosto da alga
do sal que impregna a pele

tudo isto e a diferença das palavras tuas.

Obrigada

Sorrisos

AM


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 12/08/2017 22:34  Atualizado: 12/08/2017 22:34
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 14213
 Re: calendas
Transversal
A primeira Lua Nova e as emoções à flor da pele...

ouço-te repetir ansiedades
olhas o infinito
mas aproximas-te sempre

demasiadamente perto. À beira do precipício

deste silêncio que se faz.


Belo e sentido! Perfeito! Levei!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 16/08/2017 19:58  Atualizado: 16/08/2017 19:58
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 27424
 Re: calendas
Aquele silêncio que se trifila dos alçais indo pelos cantos, encontrando na inercia o seu verdadeiro ir entrando pelos tempos faciais.

poema lindo