https://www.poetris.com/
Poemas : 

saga em fim próximo.

 




-Pedro Abrunhosa interpretado pela Senhora da música brasileira-


recurso último ou primeiro que fosse não interessa.

recurso de felicidade de ilusão de pode ser que sim mas o mais provável é ser não.
recursos... recurso mas não único. que outros havia. por aí. por aqui. recurso apenas. nunca amor.

recurso cruel afinal.
de promessas ocas. falsas.

[e fecha-se esta saga]



o que eu ainda possa ser, não significa nada com a força renovada do que desejo dar.

edição curta e limitada.

 
Autor
AlmaMater
Autor
 
Texto
Data
Leituras
115
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
2
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 13/08/2017 18:52  Atualizado: 13/08/2017 18:52
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8029
 Re: saga em fim próximo./ Para Alma Mater
Essa incerteza nos recursos duvidosos , é que nos faz ficar mais atentos aos passos do caminho. Único recurso que temos, por ora.
Contudo, a poesia é o que guia o sentir.
Parabéns Alma querida!
Beijo poético...

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 13/08/2017 22:51  Atualizado: 13/08/2017 22:53
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1279
 Re: saga em fim próximo.
Edição curta e limitada.
O limite é o que nos salva. Que para infinitos não há paciência.
Surgem os recursos.
Os naturais. Os artificiais.
O último recurso em que brincas, depois com a antítese último-primeiro. Por vezes os últimos, os primeiros são.
O prefixo "re" dá-me sempre a ideia de re-petição. Voltar a fazer.
Já o curso, agora em voga devido ao ensino, faz-me lembrar rios.
Por um lado penso em matéria, por outro em metafísica.

O último recurso, é aquela acção deixada para o fim, quando não há mais nada a fazer, jogou-se limpo e falhou-se. Por momentos o último parece-me sujo, dorido, um acto de desespero.

Já o primeiro recurso, é o que está mais à mão, pertence às nossas ferramentas básicas e sabemos usá-las de olhos semicerrados.

Já, segundo o sujeito poético, o amor nunca é um recurso. Apesar de único e essencial.

As promessas ocas não se fazem. É falta de qualquer coisa. De interior.

[e venha a próxima saga]

bj

Ps. Adoro ouvir essa Senhora cantar.