https://www.poetris.com/
Poemas : 

este não querer

 



pois não, não quero.
receio a possibilidade.

sabes, devíamos ter-nos mantido pelo início impedi-lo de progredir impedir-nos de querer.
nada é tão simples como desistir.
dói mas cura-se.
grita mas cala-se.
pela culpa da cobardia.
mas não se tem de dizer não.

[e dizer não
é espetar um espinho que renasce cada dia]


o que eu ainda possa ser, não significa nada com a força renovada do que desejo dar.

 
Autor
AlmaMater
Autor
 
Texto
Data
Leituras
99
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
4
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 13/09/2017 13:09  Atualizado: 13/09/2017 13:09
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 14052
 Re: este não querer
Alma

sabes, devíamos ter-nos mantido pelo início impedi-lo de progredir impedir-nos de querer.
nada é tão simples como desistir.


Difícil definir o que dói mais, o querer ou o fingir não querer! Desculpe se divaguei! Adorei a leitura!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 14/09/2017 08:07  Atualizado: 14/09/2017 08:08
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1321
 Re: este não querer
"Este não querer".
Esse espinho que reencarna em não dizer.
Estabelece o sujeito poético um diálogo curioso.
Como não querer, se sem destino estar destinado.
O receio inibe, proteje, ambos, nenhum...
"...dói mas cura-se
grita mas cala-se..."
Arde cura...
Queima, cicatriza.
Mas sabe-se que há histórias mortas à nascença, mas querem-se, desejam-se.
Espinhos que renascem criam verrugas e calos na pele e doem apesar da sua absorção.

Bj