https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Finjo compreender os outros.

 
Finjo compreender os outros.
 










Finjo compreender os outros
Sobretudo os mortos, minha memória
Tanto faz lembrarem quando me for,
Se nada fiz de bom a ninguém,

Nem a mim tampouco, indiferente
Ao circo, a indiferença é um cinzel
Que me iguala aos outros nos cantos,
Reduz arestas, sobretudo aos mortos

Das campas rasas como estas daqui,
chuva é detergente, erva não cresce,
Finjo entender dos outros sobretudo
A poesia, não faço parte do publico

Fraudulento estragado, não me apraz
Ser enterrado no vão de um buraco
Feito no chão, igual aos outros mortos,
Aos quais o inútil não destrói, a mim

Me dói tanto que me transforma em
Lívido, eu que era do tom das alvoradas,
De total silencio, de quando tudo é mudo,
Finjo compreender os outros qb,

Sobretudo os mortos da praça Camões,
Do numero dez em diante, incenso branco
Sentimento de culto, Pascoaes,
Finjo compreender nos outros,

O comum comigo no exterior,
Olhos e ouvidos, o resto são males de sono,
Tão brancos, breves quanto alucinações
De louco, fujo de compreender isso

Quase tudo, sobretudo nos poetas mortos
Despidos da matéria, sonho o absoluto
Em quadrantes de sombra e lua,
Imortal a poeira antes de ser ouro puro,

Tudo o resto males e marés de esforço,
Olhos e ouvidos comuns a um umbigo
Dos outros comigo...
Finjo compreender outros, esses.














Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com




Joel Matos , aliás namastibet

 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
1178
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
66 pontos
22
6
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 29/10/2017 00:22  Atualizado: 29/10/2017 00:22
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2030
 Re: Finjo compreender os outros
Open in new window

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 29/10/2017 09:32  Atualizado: 29/10/2017 09:32
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2734
 Re: Finjo compreender os outros
Finjo compreender os outros
Quando é difícil compreender-nos
Neste mundo cruel
Cada vez mais difícil de compreender
Um abraço Joel Matos
Maria


Enviado por Tópico
RaipoetaLonato2010
Publicado: 05/11/2017 00:59  Atualizado: 05/11/2017 00:59
Colaborador
Usuário desde: 13/03/2010
Localidade: Paulínia-SP
Mensagens: 2674
 Re: Finjo compreender os outros
'Quase tudo, sobretudo nos poetas mortos
Despidos da matéria, sonho o absoluto
Em quadrantes de sombra e lua,
Imortal a poeira antes de ser ouro puro'

Sempre estou a celebrar a alma dos poetas mortos. Alguns acompanham-me. Outros de longe, piscam com olhos desconfiados.



Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/11/2017 20:52  Atualizado: 06/11/2017 20:52
 Re: Finjo compreender os outros
...tenho ficado triste com o Luso Poemas, e nessa instância compreendo seu texto, também finjo compreender os outros. Parabéns pelo texto bem elaborado. Um grande abraço.

Enviado por Tópico
SoniaNogueira
Publicado: 12/11/2017 12:57  Atualizado: 12/11/2017 12:57
Colaborador
Usuário desde: 31/10/2007
Localidade: Fortaleza
Mensagens: 665
 Re: Finjo compreender os outros
Compreender os outros não é fácil, tanto quanto nos compreendermos. Abs.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 11/12/2017 17:43  Atualizado: 11/12/2017 17:44
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2007
 Procurando sua opinião ...
Open in new window

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 11/12/2017 18:25  Atualizado: 11/12/2017 18:25
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2030
 Re: Finjo compreender os outros
Open in new window

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 21/12/2017 16:41  Atualizado: 26/12/2017 17:21
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2030
 Re: Finjo compreender os outros















O que nos guia não é a consciência mas a incerteza do destino e o que por fim o caminho nos destina e não sabemos, chamamos-lhe consciência ...

JS














Enviado por Tópico
Jdcc1
Publicado: 22/12/2017 16:45  Atualizado: 22/12/2017 16:51
Colaborador
Usuário desde: 17/10/2017
Localidade:
Mensagens: 705
 Re: Finjo (des)compreender...
Bocage, finjo compreender Bocage. (E Camões).

Camões, Grande Camões, quão Semelhante
Camões, grande Camões, quão semelhante
Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!
Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,
Arrostar co'o sacrílego gigante;

Como tu, junto ao Ganges sussurrante,
Da penúria cruel no horror me vejo;
Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,
Também carpindo estou, saudoso amante.

Ludíbrio, como tu, da Sorte dura
Meu fim demando ao Céu, pela certeza
De que só terei paz na sepultura.

Modelo meu tu és, mas... oh, tristeza!...
Se te imito nos transes da Ventura,
Não te imito nos dons da Natureza.

Bocage.





Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 11/12/2018 21:19  Atualizado: 11/12/2018 21:19
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 227
 Re: Finjo compreender os outros.
há momentos na poesia que trespassamos o tempo no tempo como um ser sobrevivente do apocalipse.
preservas tu o estilo de poetar. geralmente incisivo. congratulações.

um abraço caRIOca