https://www.poetris.com/
 
Textos -> Outros : 

ouço

 
noites onde o escuro é feito unicamente de sons – ouço o coração. ouço o corpo a mingar. ouço vozes com saudade e outras que não consigo esquecer – ouço o medo. ouço os pés no caduco e gargalhadas de pânico também – ouço – ouço o terror. ouço as pernas presas ao destino e os pulmões a suplicarem um último cigarro – ouço as mãos a pedir papel. ouço o negrume do tinteiro e ouço os dedos a bater palavras sem sentido – ouço – ouço a brisa. ouço o tempo que faz na rua e também ouço o tempo que faz dentro de mim – ouço aflição. ouço as montanhas a parir um rato e ouço o sino a bater quartos como se fossem horas de partir – ouço – ouço os cantos à casa. ouço o corpo a virar de lado para lado e ouço o que não mereço ouvir – ouço o outono. ouço os sorrisos das corujas e ouço pássaros que não sabem que existo – ouço – ouço as marés. ouço as gaivotas no mar e também ouço gaivotas que não sabem voar – ouço saudade. ouço fantasmas que não conheço e ouço fantasmas que ajudei a nascer – ouço – ouço a viagem. ouço um futuro que não pisarei e ouço sapatos que não são meus – ouço o mundo com estes ouvidos que me nasceram no peito e que se abrem como cravos pregados a uma cruz que não profetiza remissão – foi condenado a ouvir os meus próprios ouvidos – aqui estou. com o que me resta da audição implorando aos deuses que me façam humano e me tapem os ouvidos com a cera de ícaro – prometo que não voltarei a voar para o sol


não tirem o vento às gaivotas - sampaio rego sou eu


 
Autor
sampaiorego
 
Texto
Data
Leituras
316
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 04/10/2017 17:44  Atualizado: 04/10/2017 17:45
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 15994
 Re: ouço
Poeta
Instigante!

aqui estou. com o que me resta da audição implorando ao deuses que me façam humano e me tapem os ouvidos com a cera de ícaro – prometo que não voltarei a voar para o sol


Misofonia? Zumbido? Os sons são lembranças que nos fazem viajar no tempo? Voar na direção da luz? Isso não é bom?
Beijos!
Janna