https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

(Meu reino é um prado morto)

 
(Meu reino é um prado morto)
 






A minha mão não cobre o mundo todo,
Mas a sombra assusta os passageiros
Viajantes que no meu albergue entram,
Venho de candeio na mão... bruxuleando,

Apetece-me também eu partir quando chove
Mas dita o destino,-de que não sou dono-
Criar bem dentro uma espécie de abismo
Tutelado por uma outra dimensão de mim próprio,

Sonho de que sou eu mesmo a quem
Obedece a trovoada e o mar oceano
Revolto, acordo com a serenidade de um seixo
Que tem qualquer outra pessoa sem ter rosto,

Igual a eles em tudo e até a morte receio,
Sobretudo eu, de que serve ser do sonho
Autoridade ou rei príncipe se não mando
Sequer nos vencidos, tanto quanto eu sou

Quando acordo, terreno e ilucido, viajando
De noite sou rei dos bruxos, acordado sou
Insignificante baixo, seixo cego, sargo morto
Assim como tu, que não és nada nem ninguém

E nem eu encubro e luz dum todo, esta ou outra,
A ciência ou a metafísica, Venho de candeia na mão
Como se os meus pensamentos fossem
Realmente vitais p'ras dimensões que tem a Terra

No universo, às vezes deixo-me possuír
P'lo logro, outro modo de ser quem sou
E sonho que posso içar palavras em tribuna
Alta, adaptada a mim mesmo e acender a vela,

Como se tivesse atravessado eu um braseiro
Agnóstico e místico, sem rosto pra que me esqueçam,
Apenas sussurro e arvoredo, venho de candeio na mão,
Cedo é e a paisagem o desenho geométrico mais antigo

Do mundo, eu pra o abrir, cego descubro que
(meu reino é um prado morto)






Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com




Joel Matos

 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
380
Favoritos
6
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
71 pontos
9
7
6
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 16/01/2018 17:19  Atualizado: 24/02/2018 19:09
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal-Azeitão, Portugal
Mensagens: 1354
 Re: (Meu reino é um prado morto)


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 16/01/2018 17:26  Atualizado: 16/01/2018 18:15
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal, Portugal, Azeitão
Mensagens: 1389
 Meu reino é errado e torto
Open in new window

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 17/01/2018 09:53  Atualizado: 24/01/2018 10:34
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal, Portugal, Azeitão
Mensagens: 1389
 Re: (Meu reino é o prado dum morto)
Open in new window


Open in new window

Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 17/01/2018 09:55  Atualizado: 17/01/2018 09:55
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1115
 Re: (Meu reino é um prado morto)
A escuridão que ilumina o sonho de ser-se de um destino incerto. Um reino imaginado. Gostei.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 03/02/2018 09:38  Atualizado: 03/02/2018 09:41
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal-Azeitão, Portugal
Mensagens: 1354
 Deus meu, tão sozinhos ...
Deus meu, tão sozinhos

(Gustavo Adolfo Bécquer)

Deus meu, tão sozinhos
que ficam os mortos!




Open in new window

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 07/02/2018 10:31  Atualizado: 01/03/2018 15:57
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal-Azeitão, Portugal
Mensagens: 1354
 A cura da distância




Coração de ninguém
mas ainda assim de
alguém que no lugar
o tem sem saber que tem

um que é meu e pró que serve
talvez tenha eu um outro
e pense não ter nenhum
embora não saiba o que é ter

o coração d'outrem
que não o meu no corpo se o
mesmo não sinto como
meu até na dor que

outros têm e não eu
no coração que não
é meu, é do mundo inteiro
coração que a todos

todavia dei,que me cure a distância
Não sei



Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 12/02/2018 09:44  Atualizado: 12/02/2018 09:55
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal, Portugal, Azeitão
Mensagens: 1389
 A poesia exprime-se silenciosa
Open in new window


Open in new window

Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 12/02/2018 11:00  Atualizado: 12/02/2018 11:00
Colaborador
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4108
 Re: (Meu reino é um prado morto) P/Joel Matos
Bom dia poeta Joel Matos,

Sempre que te leio, tenho de voltar a ler o que partilhas... Eu explico: teus versos são tão completos de essência, e tu os compões de tal forma lúcidos, para mim, que na sua compreensão, eu me identifico com eles ( os verso).
Aqui, do primeiro ao último verso, tudo soou muito familiar para mim.
Mas, e não me leves a mal, creio que ( e esta é apenas a minha opinião pessoal) não dás o devido valor ao que escreves, ao que versas, principlamente.
Para que servem tantos comentários, pós postagem que costumas fazer a tuas partilhas?
Deixa o poema quieto, eu te peço, deixa-nos absorver a sua essência de excelência que lhe incutes, pois me baralhas, se for ler o que escreveste a seguir.
No caso deste poema, ele é um dos melhores, senão o melhor que eu já te li, de entre o Joel Matos ou o Jorge Santos. Este poema vou guardar no lugar especial, que tenho para aqueles poemas ou textos únicos que me tocam o fundo da alma, pelo conteúdo ou pelo valor de seus versos.

Este teu poema tem uma dinâmica aliada ao valor de cada verso e no exercicio de todos os vocábulos que lhe emprestaste magnifico.

Foi um deslumbre te ler aqui, num dos raros momentos de contemplação que eu vou tendo neste Luso Poemas. Parabéns, eu te aguardarei por mais partilhas como esta.

Obrigada

Beijos
Eureka