https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Quando as pombas desapareceram ...

 
Quando as pombas desapareceram ...
 
Quando as pombas desapareceram ...





Viver não é necessário,
O que é necessário é criar,
De facto nas tardes d'verão,
Creio-me figurante do que creio,

Finjo-me uma vila sem a ver, a
Vi, aí vejo movimento sem haver,
Vidas sem grandeza em si, sem
Tempo ou propósito, acreditar

No que vejo não é objecto
Do meu sonhar, no entanto
Sonho, creio que o sonhar
É feito no propósito de vida nem

Ter, é isso a sensação d'ver
Vida numa vila sem que se
Mova a realidade dum ponto fixo,
Tão real quanto nós somos,

Sem sermos, criados pra haver
Realmente sonhos sem os vermos,
Nesta vila sem vida, sem tempo,
Sem certeza, apenas sensação sem-ser,

Sinto-me multidão, sem "de-facto"
Viver, não é necessário, o
Necessário é haver sonho sem
Haver de facto verão, ou vila-flor eu vir

A ser, pomba ou pulga, purga em
"travessa do fala-só"...






Joel Matos (02/2018)
http://joel-matos.blogspot.com





 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
596
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
46 pontos
6
4
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 06/02/2018 15:45  Atualizado: 06/02/2018 15:45
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1824
 A purga
Open in new window


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/02/2018 17:37  Atualizado: 08/02/2018 17:37
 Re: Quando as pombas desapareceram ...
Quanto mais eu leio seus poemas mas, eu tenho vontade de continuar lendo. Este é mais um que eu adorei...

Abraço em ti poeta Joel.



Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 21/10/2018 21:37  Atualizado: 16/12/2018 10:26
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1824
 .
.