https://www.poetris.com/
Poemas -> Ilusão : 

"o crente,"

 
 


"Mesmo que sejas tão casta quanto o gelo, e tão pura quanto a neve, não escaparás(...)"


(Hamlet) Cena I, Ato III














da minha cena vã que desdigo. ora, nesta negação..
da corda que te balança às todas vezes por deserção
é também, o alto preço de não mais desviar-me dela
quando em cantos aquecidos da pele e desta guerra


quero dizer-lhe à palavra calada! descida. chão!
eu quero ser a dúvida. errar. e, em exceção..
por lima que alimenta-se ao hábito de desejar..

chamar-me-ei por dissende de, por cá, voltar
qual luz em volta dos olhos que te pretendem
pra então, meu amor, ir à frente dos que te tentem

eu quero.. e serei em metade do seu caminho,
à vil pena de condenação nas linhas que oprimo
eu sei.. que a mentira torna-se auxílio e linha de boca
e, por hora rota, sim! eu a ouvirei e o mais que se foda!





..por ora, eu. tornarei-me em acreditar..




 
Autor
Azke
Autor
 
Texto
Data
Leituras
153
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.