https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pena ser levado a sério e ainda...

 
Pena ser levado a sério e ainda...
 







Tenho a figura imaginada de me pai,
Da minha mãe a atitude espiritual,
A realidade é minha mas não o direito
A ela, pois isso é a coisa mais absurda

Que existe, sob pena de ser tomado
A sério quando falo de mim próprio ou
Sobre mãe pai ou sogros excepto esposa,
-Digo que tenho a figura imaginada

Do pai-do-céu, não do meu nem a minha,
Qualquer coisa que nem somos nem
sonhamos, amamos nos outros nós-
-Próprios por isso plagiamos pra justificar

Quem somos, eu tenho pena de ser
Levado muito a sério, não o mereço,
Pretendo que seja tomado como pouco
Sério, tal qual é a ideia que fazem

De um louco com-um-certo-juízo,
Jamais com o juízo-certo pois até a verdade
É falsa, sou feliz sem entender nada
E a memória se agrafa no corpo dos mortos

Pra que a alma não erre por corpos que não
Conhece a forma certa e a idade,
Sob pena de ser levada a sério também,
Aquilo que não tenho, eu pareço,

Desprezo os outros como um calceteiro
Pisa a pedra no passeio, por instinto
Não por vontade, como quem erra a sorte
Errei eu a vida, pena ser levado a sério ainda,

E ainda ...







Joel Matos (05/2018)
http://joel-matos.blogspot.com







Joel Matos , aliás namastibet

 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
457
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
47 pontos
5
5
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 23/05/2018 10:48  Atualizado: 23/05/2018 10:48
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
 Pena não ter levado a sério, a vida...
Open in new window

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 05/06/2018 11:17  Atualizado: 05/06/2018 11:17
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
 Espaço ponto.
Espaço ponto.

A esparsa banalidade do estéril
É uma forma de dizer, insisto, estou
No que estas lagunas palavras geram
Do alento que nem certeza tem, sendo

Ou que o coração pudesse ter e quanto,
Esse esforço todo, pra dizer tão, quão
O nome meu, em garrafas de soda,
Vidro Cáustico em, ou mar aberto,

Com alguma mensagem rosto dentro,
Que fosse entendida plo tempo,
-Eu não sei ler o espaço linha-
Linha espaço, estéril e banal,

Ileso tanto como o original, o vago,
-Quando eu pensar sereno, lousa,
-Vai-valer-a-pena- Abraçarei sem medo,
A inicial loucura que tinha natural,

O aspecto desta minha máscara futura,
-Louca extravagância-espaço ponto.

Jorge Santos (29/01/2015)
Http://namastibetpoems.blogspot.com

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/06/2018 18:06  Atualizado: 06/07/2018 15:49
 Re: Pena ser levado a sério e ainda...
.